Tenho uma aluna anã. Devo explicar o problema dela à classe?

Inclusão

POR:
NOVA ESCOLA
Telma Vinha. Foto: Marina Piedade E agora, Telma?

Telma Vinha é professora de Psicologia Educacional na Unicamp e tira dúvidas sobre comportamento.

Clique aqui para mandar a sua dúvida

Pergunta enviada por Elisamar Santana, São Paulo, SP

Um dos papéis da escola é promover o aprendizado para o convívio com as diferenças. Esse trabalho deve ser sistematizado, envolvendo todos na construção de um ambiente acolhedor, em que as diferenças são vistas de forma respeitosa, com oportunidades de troca e crescimento. Com base nessa ideia, o problema da sua aluna deve ser abordado em classe, sim. Procure, no entanto, não restringir a conversa a apenas um tipo de diferença, elaborando com as crianças projetos em que a diversidade, os sentimentos e as relações sejam constantemente discutidos. Fique atenta também às interações entre os alunos no cotidiano. Não permita nem ignore exclusões, apelidos, brincadeiras e comentários preconceituosos. Nesses casos, o alvo deve ser confortado, ouvido e estimulado a expressar seus sentimentos em um diálogo com o autor da agressão, em ambiente privado e com sua intervenção construtiva. É importante garantir que essas crianças tenham êxito em situações diversas para que se vejam e sejam vistas pelo grupo como valorosas.

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias