Seções | Avaliação | Maura Visita

Como repensar as práticas de avaliação

Confira o vídeo com Maura Barbosa e as respostas dela a dúvidas dos leitores sobre avaliação formativa

POR:
NOVA ESCOLA
Maura Barbosa,

Maura Barbosa,
coordenadora pedagógica da Comunidade Educativa CEDAC e consultora de GESTÃO ESCOLAR

 

 

1. Embora o PPP da escola enfoque o aspecto qualitativo da avaliação, temos dificuldade de traduzir essa concepção na prática. No final, prevalece um modelo quantitativo, excludente e com altos índices de reprovação. Precisamos propor mudanças. Por onde podemos começar?
Maria Dinalva da Silva Lima | Diretora do CE Getúlio Vargas, em Ananás, TO
O primeiro passo para mudar essa realidade é trazer para a pauta das reuniões de formação a discussão sobre como as avaliações são preparadas. Elas são elaboradas com base em conteúdos trabalhados em sala de aula? Como é feita a análise dos resultados? Essas perguntas ajudarão a equipe a refletir sobre o processo de ensino e sobre o aluno, que é o sujeito da aprendizagem. O importante é perceber que há diferentes formas de os estudantes comunicarem o que estão aprendendo ou deixando de aprender. Por isso, é interessante diversificar as situações avaliativas, com provas, trabalhos e projetos. 

2. A avaliação dos alunos na minha escola é feita com base na observação em sala de aula e em registros de desempenho. Minha principal dúvida é como fazer a avaliação formativa em uma classe multisseriada. 
Suely Soares da Silva Santos | Professora da EM Kleber Pacheco, em Pedrão, BA 
A avaliação deve ser feita de acordo com a série correspondente a cada aluno. Considere que isso dará trabalho, uma vez que precisará criar desafios diferentes para cada criança. Não adianta fazer a mesma prova ou propor o mesmo trabalho para todas, se as crianças estão em estágios diferentes. Além disso, é preciso refletir sobre o uso que faz da observação em sala e de registros de desempenho. Eles lhe dão indicadores para elaborar as avaliações. 

3. Tentamos implantar um processo de avaliação diferenciado, mas muitos professores têm dificuldade em saber o que avaliar e acreditam que a Educação eficiente é aquela na qual o aluno repete o que foi trabalhado em sala de aula. Como mudar essa realidade? 
Alex Carlos da Silva | Diretor da EE Ana Laura Pereira, em Itajubá, MG 
Muitas vezes, o fato de os professores se mostrarem resistentes à mudança da forma de avaliar se dá porque eles não sabem como encaminhar o trabalho. O gestor precisa discutir o novo processo com o grupo docente. Além de ajudá-los a planejar as atividades, é interessante estudar conceitos teóricos sobre avaliação e realizar uma tematização dos instrumentos utilizados. A realidade não muda da noite para o dia e os professores também passam por uma construção de conhecimento.


Foto: Gabriela Portilho

Compartilhe este conteúdo: