Reportagens | Brincadeiras | Reportagens

Além da realidade

Misturando a imaginação com traços culturais do passado e do presente, os pequenos põem em cena as brincadeiras. Cada um a seu modo, eles aprendem a participar de várias situações

POR:
Rita Trevisan

Quem é apanhado no pega-pega é eleito o pegador da vez. Enquanto a bruxa prepara poções venenosas, o príncipe apaixonado protege a princesa. E a menina que erra o passo e tropeça na corda vai ter de se casar com um moço loiro, moreno, careca ou cabeludo.

As brincadeiras são o modo que as crianças têm de se manifestar com naturalidade, conforme suas vontades e exigências. E também a maneira de elas entrarem em contato com valores e hábitos sociais antigos e contemporâneos.

Longe de ser uma simples maneira de os pequenos aprenderem as coisas (como acreditam muitos adultos), esse brincar, ora inventado, ora transmitido de geração em geração, permite que eles conheçam o mundo e passem a fazer parte dele.

"As brincadeiras são aprendizagens sociais que pressupõem processos de relações e mediações entre as crianças e entre elas e os educadores", diz Adriana Friedmann, docente do curso de pós-graduação em Educação Lúdica no Instituto Superior de Educação Vera Cruz (Isevec), na capital paulista.

Quando a amarelinha e a ciranda, entre outras atividades, têm espaço garantido na escola, os pequenos ganham a possibilidade de tomar decisões e fazer descobertas emocionais e físicas. Reunidos em grupos, eles podem trocar informações sobre os diversos jeitos que existem para pular corda, por exemplo.

Organizar brincadeiras para a turma requer nada mais que um bom planejamento, com muita pesquisa e uma boa dose de imaginação. Em geral, elas não necessitam de muitos recursos materiais para ocorrer. Os cômodos da casinha do faz de conta podem ser divididos com traços no chão, e muitas atividades - como o esconde-esconde - fazem do corpo o principal objeto.

Para incrementar o repertório da criançada, NOVA ESCOLA apresenta seis modalidades de brincadeira - correr, faz de conta, pular, amarelinha, de roda e as com bola. Junte-se aos pequenos para brincar e, a partir de então, com mais intencionalidade e foco nas vivências que eles vão experimentar.


Correr

Vou te pegar!

Como funciona
Uma ou mais crianças são eleitas como pegadores (que podem receber os nomes de polícia, gato, mãe da rua). As demais, chamadas de ladrões e ratos, por exemplo, têm de fugir deles. Quem for apanhado assume a posição de pegador. Em algumas variações, há um pique, local designado pelo grupo como neutro, onde se fica a salvo. Para ajudar os fugitivos, é possível combinar ainda formas de salvamento, como passar por baixo das pernas do colega para imunizá-lo. Existem diversas modalidades: pique-altinho, rio vermelho, pega-pega, esconde-esconde e pega-chiclete, entre outras.

Origem
Esse tipo de diversão existe desde a Antiguidade. O que muda, com o passar do tempo e nas diferentes culturas, é a personalização dos participantes. Os carajás, por exemplo, brincavam de lobos e carneiros.

Por que propor
Para as crianças desenvolverem formas diversas tanto para a fuga como para a captura.

Como enriquecer o brincar

  • Pergunte aos pequenos, no fim da brincadeira, como eles fizeram para se safar do pegador e para pegar os colegas, socializando as estratégias.
  • Explore brincadeiras desse tipo para as crianças conhecerem várias regras.
  • Participe como pegador para os menores compreenderem a dinâmica.

O erro mais comum
Comparar e julgar o desempenho das crianças. Isso desestimula a participação delas e faz com que brinquem pensando somente no resultado final.


Faz de conta

Igual à gente grande

Como funciona
Meninos e meninas assumem diversos papéis, se colocando no lugar de pai, mãe e professor, além de personagens (super-herói, princesa, rei, fada) ou animais (cachorro, gato, cavalo). As regras são implícitas e variam conforme os costumes, os participantes, o momento, o local, os objetos à disposição e, principalmente as decisões de quem brinca.

Origem
Na Antiguidade, os gregos e romanos já simulavam situações reais, principalmente cenas de combate.

Por que propor
Para a turma experimentar e explorar o mundo e as convenções sociais vivendo situações com as quais estão acostumadas ou não.

Como enriquecer o brincar

  • Divida o ambiente usando varais com tecidos coloridos para os pequenos passarem entre eles.
  • Convide a criançada a montar diferentes kits de jogos simbólicos específicos, como navio pirata e show de calouros.
  • Agende visitas a locais que podem inspirar a brincadeira ou mostre vídeos que os retratem, como um consultório médico e uma lanchonete.
  • Registre as falas dos pequenos para encaminhar intervenções em outros momentos e aprimorar o jogo simbólico.

O erro mais comum
Interpretar as situações que as crianças criam. Nem tudo é uma expressão da realidade e do cotidiano delas.


Pular

Nas alturas

Como funciona
Envolve no mínimo três participantes: dois batem a corda ou seguram o elástico, enquanto um pula. Os saltos podem seguir uma sequência predeterminada, mudar de acordo com comandos de voz ou seguir o que indica uma cantiga. Macaco Foi à Feira e Com Quem Você Pretende Se Casar? são algumas das canções que podem embalar a brincadeira de pular corda, que pode ser batida em diferentes velocidades e pulada ao mesmo tempo por várias crianças. A brincadeira de elástico, também conhecida como bicicleta, laranjinha, capoeira e chocolate, vai ficando mais difícil conforme sobe a altura dele, que começa nos calcanhares e vai até o pescoço.

Origem
Na Grécia e na Roma antigas, pular corda era um comportamento muito utilizado para celebrar a chegada das novas estações. Já a brincadeira do elástico remonta à Idade Média. Os esquimós entrelaçavam-no entre os dedos das mãos para formar desenhos.

Por que propor
Para os pequenos explorarem movimentos em diferentes velocidades e também em sintonia com o ritmo das cantigas.

Como enriquecer o brincar

  • Faça adaptações da brincadeira para os menores. Uma opção é convidá-los a pular ou então passar por baixo da corda e do elástico esticados a uma distância pequena do chão.
  • Pesquise e monte com a turma uma coletânea de parlendas para serem recitadas durante a diversão.

O erro mais comum
Exigir uma performance perfeita dos pequenos. Até 5 anos, a maioria deles não consegue pular corretamente, mas a prática possibilita que aperfeiçoem os movimentos.


Amarelinha

Acertando o passo

Como funciona
Tem como base um caminho dividido em casas numeradas e riscado no chão com giz. Após jogar uma pedrinha em uma casa - em que não poderá pisar -, a criança vai pulando com um pé só até o fim do trajeto. Ao chegar, deve retornar, apanhar a pedrinha e recomeçar, dessa vez, atirando a pedra na segunda casa e depois nas seguintes até passar por todas. O participante que errar o alvo ou perder o equilíbrio passa a vez para outro. Existem inúmeras variações de denominações e formas de brincar pelo mundo. Macaca, avião, sapata, tô-tá, xadrez, boneca, casco e queimei são alguns dos nomes que a brincadeira recebe no Brasil. O trajeto pode ter formas diversas.

Origem
Gravuras mostram crianças brincando de amarelinha nos pavilhões de mármore nas vias da Roma antiga. Na época, o percurso carregava o simbolismo da passagem do homem pela vida. Por isso, em uma das pontas se escrevia céu e, na outra, inferno.

Por que propor
Para o grupo vivenciar diferentes formas de equilíbrio.

Como enriquecer o brincar

  • Ajude os menores a desenhar a amarelinha.
  • Planeje e apresente diferentes trajetos e jeitos de percorrê-los.
  • Peça que os pais ensinem os tipos de amarelinha comuns de sua infância.
  • Adapte as regras para os menores pularem com os dois pés para facilitar.

Os erros mais comuns

  • Ter um traçado fixo no chão do pátio. Desenhar os variados percursos faz parte da brincadeira.
  • Exigir que a turma siga as regras à risca e pule sem tocar as linhas do trajeto. Para os menores, já é um grande desafio coordenar os movimentos para saltar.

De roda

Entre na ciranda

Como funciona
Os participantes, de mãos dadas, formam um círculo e cantam uma cantiga. Em geral, todos seguem o que sugere a música, como girar para a esquerda ou para a direita, levantar ou abaixar. Existem variações em que um dos integrantes fica no meio da roda e tem de sair dela, por exemplo. Farinhada, Ciranda Cirandinha, Cipozim, O Limão Entrou na Roda, Corre Cotia, Olha o Macaco na Roda e Fui à Espanha são algumas das cirandas mais tradicionais do Brasil.

Origem
Embora as cantigas de roda de diferentes povos tenham caráter universal e façam parte da cultura, acredita-se que a influência africana tenha sido fundamental para a disseminação das cirandas em solo nacional.

Por que propor
Para que os pequenos aprendam a coordenar movimentos com o ritmo e as mensagens das cantigas.

Como enriquecer o brincar

  • Converse com a turma, depois de brincar, sobre as palavras citadas durante a canção e seus significados para que eles compreendam melhor os comandos citados.
  • Pesquise com o grupo referências nacionais das cirandas, como Lia de Itamaracá, de Pernambuco, para enriquecer o repertório.
  • Participe da roda tornando-se um ponto de referência para os que ainda não sabem o que fazer.


O erro mais comum
Segurar as crianças pelos braços para ajudá-las a executar alguns movimentos. O ideal é se limitar aos comandos verbais, explicando os passos da brincadeira com calma.


Com bola

Para todos os gostos

Como funciona
Há uma infinidade de brincadeiras com o objeto. O que as diferencia são os combinados entre os participantes e o uso de outros objetos, como no vassourabol, em que a bola é lançada com o auxílio de uma vassoura. Há opções para grupos ou para o indivíduo, como o paredão - em que a bola é jogada contra a parede seguidamente para que não caia no chão. Existem várias modalidades, dentre elas, a queimada, em que os participantes se dividem em dois grupos e cada time tem como objetivo acertar os adversários com a bola para isolar todos na cadeia, área localizada no fundo do campo.

Origem
Muito popular na civilização grega, o brincar com bola era valorizado porque favoreceia o desenvolvimento dos músculos do corpo.

Por que propor
Para os pequenos desenvolverem habilidades relacionadas ao movimento e à força.

Como enriquecer o brincar

  • Dialogue com a turma, ao fim da prática, sobre a questão da cooperação entre os participantes para que a atividade seja divertida para todos.
  • Ofereça bolas de diversos tamanhos para que todos testem e decidam qual a mais interessante para cada brincadeira.
  • Sugira que o grupo mostre aos colegas as atividades desse tipo já vivenciadas.

Os erros mais comuns

  • Sugerir que só os meninos brinquem de bola e ainda por cima com os pés. As meninas têm de experimentar a atividade e de maneiras diversas.
  • Acreditar que os pequenos são egoístas por não passar a bola para os amigos. Eles ainda não percebem que, para brincar, o outro é importante.

Quer saber mais?

Contato

Internet