Compartilhe:

Jornalismo

Repensar a indisciplina

Saiba como estimular a equipe a refletir sobre a própria postura e orientá-la para atuar frente a situações de conflito na escola

PorNOVA ESCOLA

06/07/2016

Objetivos 
  • Geral: promover uma mudança de olhar em relação à indisciplina, estudando conceitos de desenvolvimento moral e ético e adotando-os como conhecimento necessário ao processo educacional. 
  • Para a direção: analisar o regimento da escola e orientar a atuação da equipe diante de situações de conflito.
  • Para a coordenação pedagógica: estimular a equipe a refletir sobre a própria postura.
  • Para os professores: conhecer os princípios de um ambiente de cooperação.



Conteúdo de gestão escolar

  • Pedagógico e equipe: conhecimento sobre desenvolvimento moral, ética e valores humanos.


Tempo estimado 

No mínimo um ano, com reuniões semanais. Os problemas não acabam depois desse período. O objetivo é que todos aprendam a lidar com eles.
 


Desenvolvimento 

1ª etapa  O significado da indisciplina

Para mudar a perspectiva em relação à indisciplina, é imprescindível que a escola se responsabilize cotidianamente por garantir um ambiente de cooperação, em que o valor humano, o respeito, a dignidade e a integridade marquem as relações. Essa conquista pode se dar por meio de um percurso de formação continuada para todos os funcionários.

Para começar, levante com a equipe quais as principais situações de indisciplina na visão dela. Organize o grupo em duplas. Cada uma deverá classificar as situações em categorias e apresentá-las. Anote os resultados e guarde-os para retomá-los no fim da formação.

O próximo passo é aproximá-los do significado de indisciplina. O que a distingue da violência, por exemplo? Oriente a discussão de acordo com os seguintes pontos: 

  • A indisciplina escolar é um sintoma de que algo não vai bem. Se há conflitos, a falha está na relação e não nas pessoas. 
  • O comportamento indisciplinado é algo a ser alterado, mas isso só vai acontecer se as responsabilidades forem divididas entre todos. Não é mais possível dizer que "aqueles alunos do professor X são bagunceiros". Os alunos são de todos e deve haver parceria para transformar a situação. 


2ª etapa  A origem da indisciplina

Desloque o foco da discussão para a origem da indisciplina. Questione a equipe sobre as práticas existentes na escola, as propostas didáticas, o domínio do professor sobre o conteúdo, sua postura perante o aluno e sua ação em situações de conflito.

Deixe claro para a equipe que o mais importante quando se trata de indisciplina é lidar com a causa do conflito e não apenas atribuir culpa e impor punições. Pouco importa quem começou uma discussão. O fundamental é analisar o que levou as pessoas a ter dificuldade de negociar soluções justas e respeitosas.

 

3ª etapa  Análise do projeto político-pedagógico (PPP) da escola

Para seguir uma regra, é preciso entender sua razão de ser. Se não houver explicação que a justifique, a restrição pode e deve ser questionada. Com base nisso, a ideia, nesta etapa, é analisar o regimento da escola. Proponha a seguinte questão para a equipe: os problemas têm mais a ver com as regras morais ou com as convencionais?

Neste ponto, discuta os princípios que fundamentam o PPP. Como sugestão, tome como base a Declaração Universal dos Direitos do Homem.

Apresente e converse com a equipe possíveis estratégias de lidar com a indisciplina, tais como:

  1. Demonstrar que a honestidade será sempre considerada importante. Os alunos devem aprender que o que têm a dizer pode, sim, irritar o professor. Mas, em qualquer circunstância, em vez de ser punido por ter sido autêntico, ele deve ser orientado a perceber que o sentimento de bem-estar por ter seguido o valor da verdade é o que mais conta.
  2. Não agir de improviso. Manter-se calmo e controlar suas reações. Os problemas não precisam ter uma resposta imediata por parte da equipe escolar. Agir de improviso pode levar a atitudes pouco adequadas.
  3. Reconhecer sentimentos e orientar comportamentos. Ficar bravo e com raiva é uma reação natural de qualquer ser humano. Dizer ao aluno "você não pode se sentir assim" ou "você não pode ficar com raiva do seu amigo" é, portanto, inadequado. Oriente-o dizendo algo do tipo: "Você deve mesmo ter ficado muito bravo, mas bater no colega resolveu o problema?".
  4. Acreditar que o conflito pertence aos envolvidos. Isso não significa aceitar qualquer alternativa de resolução ou se alienar do problema. Você deve ser um mediador, ajudando-os a descrever o problema, incentivar que falem sobre os sentimentos e as ações e busquem soluções, sempre incidindo sobre a causa e respeitando princípios.


4ª etapa  Acompanhamento do trabalho em sala de aula

Realize o acompanhamento direto da atuação docente, com gravação em vídeo ou observação e registro realizado pelo coordenador durante as aulas, momentos de recreio, entrada e saída, dependendo de onde o problema se localiza. Em seguida, o grupo deverá discutir a postura do professor e dos alunos com base nos conceitos estudados. Aqui, é obrigatório que o observado consinta em ser objeto de análise e discussão. 

 

Avaliação 

Por meio de questionários, peça aos alunos, funcionários e pais que analisem se houve avanços. Resgate a listagem feita no começo do projeto e peça que a equipe docente altere o que achar necessário, revendo as categorias definidas anteriormente. Ao mesmo tempo, veja se, à medida que a formação avançou, a equipe se sentiu mais segura para resolver os conflitos que surgiram na escola.

 

Bibliografia

O Mapa do Problema Escolar: Quando a Cidadania Parece Não Ser Possível (Anais do XXII Encontro Nacional de Professores do Proepre Educação e Cidadania), de Luciene Tognetta.

Estratégias de Intervenção nos Processos de Desenvolvimento Profissional e Pessoal Docentes (II Congresso Internacional do Centro de Investigação, Difusão e Intervenção Educacional (CIDInE): Novos Contextos de Formação, Pesquisa e Mediação), de Ana Aragão e Idália Sá-Chaves.

Autoscopia: Um Procedimento de Pesquisa e de Formação (Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, pp. 419-433), de Ana Aragão e Priscila Larocca.

Viajantes Destemidos sem Mapas Precisos: Professores-Formadores (Professor Formador: Histórias Contadas e Cotidianos Vividos), de Vera Lucia Sabongi de Rossi. Ed. Mercado de Letras.

 

Consultoria

Ana Aragão Professora da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

 

continuar lendo

Veja mais sobre

Últimas notícias