Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
RDRevista Digital

Especiais

Nesta área você encontrará todo o acervo da revista de maneira organizada e em formato digital

Sala de Aula | Anos iniciais do Ensino Fundamental – Geografia | Sala de aula

Rural e urbano: diferentes na paisagem, mas cada vez mais misturados

Introdução 

A paisagem é um conceito na Geografia contemporânea que se convencionou definir como "o visível do espaço geográfico". Nesse sentido, ela não é o espaço integralmente, pois nele, há conteúdos, funções e significados que não são visualmente identificáveis.

No Ensino Fundamental 2, o tema da paisagem é muito presente justamente por sua concretude e palpabilidade para a garotada. E, embora a expressão se refira apenas às realidades geográficas, ela atua como um meio de acesso à compreensão de fenômenos sociais e naturais. Esse raciocínio pode fazer sentido quando as referências são as paisagens urbanas e rurais. Visualmente bem distintas, suas imagens podem servir de caminho para a distinção dos modos de vida, dos hábitos culturais, dos processos econômicos, das condições ambientais, tudo muito importante no desenvolvimento cognitivo dos estudantes.

Neste plano de aula, o objetivo é propor atividades que contribuam para essas distinções, mas também já avancem para uma percepção um pouco mais sofisticada, que relaciona movimentos sociais e diferentes realidades geográficas. Mas, para se chegar a tal, uma questão chave deverá ser trabalhada: a atualização da distinção do urbano e do rural, algo perfeitamente perceptível para uma criança ou um adolescente.

 

Objetivos 

  • Distinguir realidades urbanas e rurais, por intermédio da leitura da paisagem.
  • Identificar e relacionar os movimentos sociais às realidades geográficas urbanas e rurais, visando uma exposição simples da complexidade que envolve essas duas realidades.

 

Conteúdos 

  • Paisagens rurais e urbanas.
  • Movimentos sociais.
  • Movimentos sociais nas diversas realidades geográficas.

 

Anos 

4º e 5º do Ensino Fundamental.

 

Tempo estimado 

Três aulas.

 

Material necessário 

  • Fotografias alusivas às paisagens rurais e urbanas.

 

Desenvolvimento 

1ª etapa  Distinguir as paisagens rural e urbana

Inicie o trabalho com a construção de um quadro simples, mas que serve para introduzir, de forma ajustada, a questão da distinção entre paisagens rurais e urbanas. Você vai ver que todos os elementos listados abaixo são visualmente identificáveis:

Elementos da paisagem

Rural

Urbana

1. Espaços naturais

+ _

_

2. Vegetação

+

_

3. Fauna (domesticada e silvestre)

+

_

4. Gente

_

+

5. Edificações

_

+

6. Infraestrutura (estradas, redes elétricas, escolas etc.)

+ _

+

 

Apresente o quadro com apenas a primeira coluna preenchida e peça que os estudantes, individualmente, em grupo ou com toda a classe, preencham-no com sinais de mais ou de menos. Certamente, essa lista pode ser complementada com outros elementos. Se for preciso e caso a turma demonstre não ter tido experiência concreta com alguma dessas paisagens, mostre a ela fotografias.

Após o preenchimento do quadro, apresente à classe outra tabela, agora, referente a elementos que não têm, necessariamente, expressão visual, mas que ajudam a caracterizar as realidades sociais mais amplas presentes e representadas pelas paisagens rural e urbana. A ideia é que os estudantes consigam ir além do que a paisagem mostra, ou melhor, consigam deduzir algumas características do modo de vida, da cultura e das atividades econômicas ali desenvolvidas.

 

 
 Elementos da vida social

Rural

Urbana

1. Tipos de bens produzidos

_

+

2. Quantidade de

 bens produzidos

+

+

3. Número de profissões

_

+

4. Diversidade de tipos de pessoas

_

+

5. Diversidade de práticas culturais e de lazer

_

+

6. Local de moradia dos trabalhadores

Nas fazendas

Nas cidades

 

A finalização do preenchimento dos dois quadros encerra a primeira aula.

 

2ª etapa Aprender significados além do visual

Como as tabelas foram preenchidas na aula anterior, é possível que os alunos tenham tido tempo para construir algumas hipóteses sobre paisagem. Aproveite isso para introduzir algumas questões:

  • Quais são os indicativos na paisagem rural que permitem afirmar que há poucos tipos de atividades?
  • Quais são os indicativos que dizem que a produção é grande?
  • Quais são os indicativos que dizem que há poucas profissões?
  • Quais são os indicativos de que os trabalhadores moram nas fazendas?


O objetivo desses questionamentos é estimular os estudantes a enxergar as relações existentes entre a expressão visual e os possíveis significados. Exemplo: vastos campos agrícolas que aparecem tomando quase toda a paisagem rural indicam uma atividade econômica muito dominante, a agricultura, algo que não poderá ser depreendido ao se observar uma paisagem urbana, que, visualmente, pode indicar múltiplas atividades. O mais importante dessa proposta não é que os alunos acertem as respostas, mas façam relações.

Depois dessa fase, aproveite as caracterizações e as associações feitas pela turma para introduzir uma pequena problematização para atualizar a clássica distinção entre campo e cidade. Não convém, porém, em nome da facilidade pedagógica, criar estereótipos que separam o rural e o urbano de forma muito marcada. Nas discussões entre os alunos, possivelmente surgiram dúvidas a respeito do local onde moram os trabalhadores das duas realidades geográficas ou, então, sobre as práticas culturais e de lazer. Então, vale comentar esses dois exemplos.

Faça alusão à presença de indústrias nas zonas rurais. Se necessário, mostre fotos. É cada vez mais comum a existência do que chamamos de agroindústria para a produção de álcool, de suco de laranja embalados e congelados, de óleo de soja etc. Os trabalhadores dessas indústrias exercem várias profissões (engenheiros, operadores de máquinas, técnicos de informática, entre outros) e na maioria dos casos moram nas cidades e trabalham na zona rural. Portanto, se existem profissionais de diversas áreas trabalhando no campo, isso significa que não são todos agricultores, características que se assemelha mais com as cidades. Além disso, trabalhadores rurais morando em zonas urbanas é um indicativo de uma mistura dessas duas realidades.

Insira novas questões na discussão:

  • Os moradores do mundo rural desenvolvem atividades culturais típicas desse modo de vida: festas, música, brincadeiras e competições de destreza com animais. Mas é só isso? Essas tradições permanecem atualmente?
  • As pessoas da zona rural não vão às cidades com frequência, não estudam nas cidades, não praticam lazeres urbanos ou as ligações entre o campo e a cidade são bem mais intensas atualmente, devido à maior quantidade de meios de transporte e de comunicação?
  • Hoje, não temos diversos exemplos de mistura das duas realidades, mesmo quando as paisagens se mantêm bem distintas? Ocorre o mesmo com os modos de vida?

 

Esses comentários farão sentido para os estudantes ao lado de todo o trabalho anterior de identificação, de classificação e de caracterização das paisagens rurais e urbanas e do esforço para enxergar algo além do que as paisagens mostram. O arremate dessa conversa dará o tom da conclusão desta sequência didática.

 

3ª etapa Estudar movimentos sociais e a relação com os espaços

Comece a aula com o seguinte comentário: as populações que vivem as realidades rurais e urbanas podem encontrar muitas dificuldades para conseguir seu sustento, educar seus filhos, cuidar da saúde, morar etc. No Brasil, existe um bom número de pessoas nessas condições e elas não estão conformadas com essa situação. É nesse cenário que surgem os movimentos sociais, que são grupos de pessoas de uma região, de um espaço ou de uma profissão que se organizam para reivindicar das autoridades melhores condições para suas vidas. Em nosso país, existem movimentos sociais tanto nas zonas rurais como nas cidades.

Depois dessa explicação, faça alguns questionamentos que ajudem os estudantes a identificar e classificar os momentos sociais em associação às realidades rurais e urbanas. A ideia é que a construção das respostas aconteça por meio do diálogo com a turma.

  • Quando falamos em movimentos sociais rurais, estamos nos referindo a movimentos de trabalhadores que moram no campo ou que apenas trabalham lá, mas moram nas cidades? A resposta deve ser os trabalhadores que moram no campo.
  • O que essas pessoas reivindicam? Terra para plantar, antes de tudo, pois não agricultor sem acesso à terra. No Brasil, existem problemas diversos de acesso à terra para um segmento importante de trabalhadores que se organizam em movimentos. Só para ilustrar, vale mencionar que um deles se chama Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Caso a turma não conheça, forneça reportagens de jornais ou promova uma pesquisa na internet sobre esse tema.
  • Quando falamos em movimentos urbanos, o que há de parecido? As cidades são espaços bem mais complexos, com muito mais gente, mais diversidade de negócios e interesses. Por isso, os movimentos sociais podem se organizar por muitos motivos diferentes. Inclusive, alguns deles lutam por questões relacionadas à condição do espaço, como os movimentos por moradias dignas (que envolvem pessoas que moram em favelas, figura marcante de paisagens urbanas brasileiras), por transporte e por melhores condições ambientes (é comum ver rios poluídos, poucas árvores e excesso de prédios em grandes cidades).

Pergunte aos alunos se eles conhecem algum movimento social rural ou urbano e faça uma lista na lousa.

Para concluir a sequência, faça mais um comentário que mostra como as realidades desses dois espaços se misturam: o movimento social dos homens do campo reivindicando terras para trabalhar realiza várias ações, mas algumas delas se dão nas cidades. São manifestações, passeatas, atos públicos. Por que será? O que há nas cidades que faz com que esses movimentos se dirijam para lá? Se for preciso, explique aos estudantes o que são esses atos públicos e mostre vídeos ou fotos de algum evento que aconteceu recentemente.

Uma pista pode ser dada para que as reflexões das crianças encontrem uma referência para se apoiar: há muitas pessoas numa cidade para ver a manifestação. Além disso, é comum que os governantes estejam nesses grandes centros, assim como a imprensa.

Conclua a sequência demonstrando, novamente, a ligação entre o rural e o urbano, mostrando que, cada vez mais, eles se aproximam, ainda que preservem paisagens bastante distintas.

 

Avaliação

Além da participação nas propostas para identificar distinções, semelhanças e relações entre campo e cidade, pense e realize atividades complementares para avaliar se a turma compreendeu o conteúdo trabalhado. Algumas possibilidades são pequenas pesquisas sobre movimentos sociais na cidade em que os estudantes moram e nas zonas rurais próximas ou a exposição de notícias ou pequenos textos referentes aos movimentos e o pedido para que os alunos os caracterizem segundo o que foi discutido nas diversas aulas: são movimentos rurais ou urbanos, o que reivindicam, o que a paisagem na qual eles nasceram tem a ver com suas lutas etc.

 

Bibliografia

Da Resistência aos Movimentos Sociais: A Emergência das Classes Populares em São Paulo, de Vinicius Caldeira Brandt. O texto está presente no livro O Povo em Movimento, Editoria Vozes Cebrap, 1982.

Reforma Agrária, de Fernando Portela e Bernardo Mançano Fernandes, Editoria Ática.

Quando Novos Personagens Entraram em Cena, de Eder Sader, Editora Paz e Terra, 1988. 

 

Consultoria

Jaime Oliva Geógrafo, com doutorado em Geografia Urbana, e professor do Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (IEB-USP)

 

Para assinaturas da revista impressa