Reportagens | Projeto de formação: Uso de tecnologia na sala de aula | Reportagens

Módulo 4: Tecnologia para quê?

A contribuição das novas ferramentas para a didática e para a inclusão

POR:
NOVA ESCOLA

 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS DESTE MÓDULO
  • Refletir sobre o uso da tecnologia como recurso didático.
  • Conhecer recursos tecnológicos acessíveis que possam colaborar com a inclusão dos alunos com deficiência.

CONTEÚDOS

  • Recursos tecnológicos.
  • Inclusão.

TEMPO ESTIMADO

Um mês e meio, com reuniões quinzenais.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

Papel sulfite, canetão, fita crepe, papel Kraft, computadores com acesso à internet, projetor e cópia dos textos indicados.

 

DESENVOLVIMENTO

1ª REUNIÃO: O celular e a escola

1. Disponibilize uma página de Padlet com o link do vídeo desta reportagem, da série Meu Querido Celular, produzida pelo Jornal da Record. Peça que os professores assistam e realizem a análise do vídeo utilizando a rotina do Veja, pense e se pergunte.

2. Forme quatro grupos e distribua para cada um deles um dos materiais indicados na postagem do blog Tecnologia na Educação: coluna escrita por Catarina Iavelberg, publicação da Unesco, reportagem publicada no UOL e plano de aula.

3. Dê algum tempo para que os professores leiam o material e depois solicite que cada grupo apresente o que pode ser destacado no texto lido por eles.

4. Questione se as leituras ajudaram a responder as dúvidas que surgiram na atividade realizada no Padlet e a refletir sobre quando o celular pode ser incorporado nas práticas realizadas na escola.

5. Para o próximo encontro, peça que os participantes tragam o planejamento de um projeto ou uma atividade já realizada com os alunos que envolva o uso de tecnologia.

 

2ª REUNIÃO: Didáticas e tecnologia

1. Distribua ou projete o texto-base para o debate deste encontro:

 

 

É o uso que torna um equipamento parte de uma cultura. Hoje em dia, uma diversidade de tecnologias digitais estão acessíveis e são disponibilizadas em tão alta velocidade que às vezes nem dá tempo de construir um hábito. Para os menos antenados, é mais fácil não usar e se acomodar com os equipamentos que já conhece.

No espaço escolar, também empregamos diversas tecnologias, como o lápis, a caneta, os cadernos e o quadro. Elas são utilizadas quando necessitamos anotar, rascunhar, destacar, expor conceitos etc.

Os computadores e suas versões móveis (celulares e tablets) concentram programas para o desenvolvimento de ações específicas como escrever e ler.  Quando conectados à internet, amplia-se a quantidade de programas e ações possíveis.

O primeiro passo para avaliar o uso didático de uma tecnologia é detectar as necessidades pedagógicas. O segundo passo é conhecer os programas e quais ações eles desenvolvem. O professor César Nunes, da Universidade de São Paulo, organizou uma tabela relacionando algumas ações envolvidas nos processos de construção do conhecimento e sugestões de programas.

 

 

Tecnologia para...

Exercitação e memorização

Exemplos: HotPotatoes e testes online

Avaliação

Exemplos: Testes online, rubricas e simulações

Colaboração

Exemplos: Edmodo, Facebook, Popplet e Padlet

Criação

Exemplos: Vídeo, desenho, texto, HQ e Scratch

Organização

Exemplos: Arquivos, pastas, portfólios, Dropbox e Google Drive

Comunicação

Exemplos: EducaPX, YouTube, Padlet, blog e Tá Na Rede

Investigação e busca

Exemplos: YouTube, Google, Wikipédia, Wikimédia e OER

Registros

Exemplos: Celular, tablet, PowerPoint e Google Docs

Introduzir, explicar e expor

Exemplos: EducaPX, YouTube, Scratch, jogos e animações

 

2. Solicite que os docentes identifiquem na tabela do professor César Nunes quais softwares são desconhecidos e quais são conhecidos por eles. Caso existam muitos desconhecidos, reserve algum tempo para que eles pesquisem na internet sobre o recurso. Permita, também, que quem conhece alguma dessas ferramentas conte para os demais como ela funciona.

3. Organize três grupos. Peça que cada um analise uma atividade ou um projeto já realizado, entre aqueles que foram trazidos pelos educadores, e que identifiquem quais ações didáticas mencionadas na tabela do professor César estão presentes. Após algum tempo de discussão, deixe que compartilhem seus achados com os demais.

4. Agora, os grupos devem incluir, no projeto analisado, outras ações didáticas que poderiam aprimorar a aprendizagem, com o uso de tecnologia. Lembre que as ferramentas devem ser empregadas com finalidades claras e não pelo simples modismo.

5. Para se preparar para o encontro seguinte, indique que os professores pesquisem e disponibilizem no espaço virtual materiais sobre softwares e aplicativos que viabilizem processos de inclusão de alunos com deficiência.

 

3ª REUNIÃO: Inclusão

 

Coordenador,

Neste encontro, iremos discutir sobre o uso da tecnologia  nos processos de inclusão de alunos com  deficiência. Antes da reunião, verifique a possibilidade de instalar pelo menos um dos programas citados no texto-base e no vídeo para que os docentes tenham a oportunidade de explorá-los.

No site da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) estão disponíveis tutoriais para instalação e uso do Editor Livre de Prancha de Comunicação.

 

1. Acesse o grupo virtual e converse sobre os materiais compartilhados lá desde o último encontro.

2. Projete ou distribua para cada professor o texto Escolas preparadas para a inclusão, publicado na revista ARede.

3. Divida os professores em três grupos. Cada equipe deverá acessar um dos links listados a seguir, sobre os três programas citados na reportagem da revista ARede. Reserve algum tempo para que eles analisem as fontes e utilizem a rotina do Veja, pense e se pergunte para, depois, apresentar os softwares aos outros docentes. 

4. Crie um novo Padlet e disponibilize nele o link do vídeo A Tecnologia a Favor de Nós Cegos, do youtuber José Rogério da Silva, que ficou cego quando adulto em um acidente automobilístico. No mesmo espaço virtual, peça aos professores que exponham suas impressões sobre o depoimento de José e que dúvidas surgem após ver o vídeo.

 

5. Escolha, entre os questionamentos feitos, os relacionados com a escola e a prática docente. Caso não surja nenhum, pergunte sobre como a tecnologia poderia colaborar com a inclusão na instituição em que vocês trabalham. 


Consultoria Jane Reolo