Reportagens | Projeto de formação: Uso de tecnologia na sala de aula | Reportagens

Módulo 2: Qualificação do uso dos recursos

A importância da mediação do professor para a realização de pesquisas e as possibilidades da sala de aula invertida

POR:
NOVA ESCOLA
OBJETIVOS ESPECÍFICOS DESTE MÓDULO
  • Diagnosticar as estratégias de pesquisa no meio digital.
  • Compreender o conceito de sala de aula invertida.
  • Entender o ensino e a aprendizagem como processos em que o professor e o aluno são participantes, ora ensinando, ora aprendendo.

CONTEÚDOS 

  • Gestão do conhecimento na sociedade da informação.
  • O que os educadores podem aprender com os alunos.
  • As diversas formas de pesquisar e registrar.

 

TEMPO ESTIMADO

Dois meses, com reuniões quinzenais.

MATERIAIS NECESSÁRIOS

Papel sulfite, cartolina, canetão, fita crepe, papel Kraft, computadores com acesso à internet, projetor e cópia dos textos indicados.

DESENVOLVIMENTO

1ª REUNIÃO: Mediação para a pesquisa

 

Coordenador,

Para uma melhor compreensão sobre pensamento crítico, leia o capítulo Pensamento Crítico: O Objetivo das Ferramentas Cognitivas, do livro Computadores, Ferramentas Cognitivas, de David H. Jonassen (320 págs., Porto Editora, www.portoeditora.pt, 7 euros).

1. Retome o mural do Padlet criado no último encontro e destaque as colocações dos professores sobre como ampliar lateralmente o que sabemos sobre determinado assunto.

2. Organize os docentes em três grupos e solicite a cada equipe que eleja alguém para apresentar as conclusões aos demais e para escrevê-las no espaço virtual. Comente que pesquisar é ampliar o que conhecemos sobre algo. Isso significa ultrapassar o senso comum em um processo de análise sobre aquilo de que apenas ?ouvimos falar?. Fazendo uma analogia com uma brincadeira, pesquisar não é preencher um caça-palavras. É, sim, resolver um quebra-cabeça. Proponha uma reflexão sobre a maneira como os professores mediam as pesquisas realizadas pelos alunos. Peça que os grupos conversem sobre as seguintes questões: Por que pedimos que os estudantes pesquisem? O que pedimos a eles nessas atividades? O que esperamos quando solicitamos uma pesquisa? E o que eles apresentam? Deixe que conversem por alguns minutos e registrem em cartazes um resumo das respostas. Depois, peça que os representantes relatem as conclusões e cole os cartazes em algum ponto da sala.
3. Exiba a apresentação do professor José Rosemberg. Converse com todos sobre como o educador organizou a pesquisa. Quais procedimentos de levantamento de conhecimento prévio foram realizados? Como foi feita a escolha das fontes e a checagem da veracidade dos dados? Destaque que os estudantes optaram pela internet como fonte de pesquisa e o docente estabeleceu a comparação da primeira informação obtida pela turma com outros dois sites.
4. Lembre os professores de que sites como o Google tornaram-se praticamente o único recurso de pesquisa na atualidade. É necessário desenvolver rotinas de análise de fontes, pois, justamente pelo caráter democrático e colaborativo da internet, inverdades podem surgir e tornarem-se verdades absolutas. Os alunos estão expostos e têm acesso a essa enxurrada de dados. A seleção do que é verdade depende da comparação de várias fontes e de refletir sobre os fatos. Uma rotina de pensamento para esclarecer alegações e fontes é a Pare, olhe, escute.  
5. Projete ou distribua o texto abaixo, que explica essa rotina.

A rotina Pare, olhe e escute ajuda os alunos a investigar informações, alegações de verdade e questões relacionadas com a verdade. Ela permite pensar em maneiras de obter dados quando se tenta descobrir mais sobre algo. Os estudantes são incentivados a pensar criticamente sobre fontes e apreciar a complexidade das situações mais profundamente.
Esta rotina pode ser usada em qualquer situação em que os estudantes precisam saber mais sobre um conceito. Com ela, eles vão rever ideias iniciais e questionar as fontes a fim de esclarecer uma alegação.

A estrutura é simples e possui três passos:
Pare: Seja claro e defina bem qual é a pergunta.
Olhe: Encontre as fontes. Onde você vai olhar? Considere lugares óbvios e não óbvios.
Escute: Ouça o que as fontes lhe dizem com uma mente aberta. É possível que elas sejam tendenciosas e que isso afete a informação?

Ajude os estudantes a questionar algo. Resgate os porquês, que as crianças pequenas têm na ponta da língua quando se deparam com uma nova situação. Os alunos podem ter uma boa ideia sobre uma questão. Ajude-os a fazer um balanço do que sabem com a criação de uma lista de fatos e as incertezas sobre algo.
Uma vez que uma reivindicação clara foi identificada, pergunte à turma o que ela pode fazer para investigá-la. Faça uma chuva de ideias, incentivando a classe a pensar amplamente sobre diferentes tipos de informações disponíveis.
Faça um cartaz na parede e vá adicionando comentários sobre cada fonte investigada. Mantenha esse gráfico acessível a todos.

6. Solicite aos professores que retomem as conclusões do primeiro item desta reunião, resumidas nos cartazes, e incluam ou retirem etapas ligadas às atividades de pesquisa que propõem aos alunos. Analise como essas propostas eram mediadas pelos docentes e o que é necessário realizar para que os eles tenham clareza e segurança sobre o que devem fazer. Com base no que foi realizado pelos três grupos, monte, coletivamente, uma lista com o que não pode faltar em uma atividade de pesquisa. Registre no espaço virtual esse compilado para que ele funcione como um exemplo de rotina a ser seguida.

 

2ª REUNIÃO: Sala de aula invertida

1. Distribua o texto Aprendizagem Ativa no Ensino Superior: A Proposta da Sala de Aula Invertida, do professor José Armando Valente.
2. Exiba o vídeo Flipped Classroom ? sala de aula invertida.

3. Para incentivar a reflexão sobre esse novo conceito, use novamente a Rotina da Bússola. Crie um Padlet, semelhante ao que foi feito no módulo anterior, dividindo o mural em quatro espaços: pontos positivos, pontos negativos, o que precisamos descobrir para avaliar melhor e sugestões para aprimorar essa ideia. Utilizando computadores conectados à internet ou smartphones, peça que os professores preencham os espaços com suas opiniões sobre a sala de aula invertida. Esse exercício de compartilhamento possibilita que os diversos pontos de vista avancem além do ?gostei? e ?não gostei?. Chame a atenção para o fato de que, enquanto escrevem, também podem ler os comentários dos colegas. Os argumentos explicitados colaboram para fundamentar a primeira impressão que temos sobre determinado assunto e, depois, construir uma opinião mais sólida e baseada em evidências.

 

 

 

3ª REUNIÃO: Veja, pense e se pergunte

1. Assista junto com o grupo ao vídeo Com Livro com Afeto, feito por alunos da EMEF Júlio de Marcondes Salgado, em São Paulo. Para não enfrentar problemas com a conexão da internet, baixe os vídeos sugeridos no módulo com antecedência e grave em um pen drive ou CD.
2. Divida os professores em duplas e organize para que tenham acesso à internet. Metade das duplas irá pesquisar no Google ou em outro site de pesquisa os termos: vídeo resenha de livros Jonh Green. A outra metade irá buscar ?Como editar vídeos?. Reserve tempo para que todos assistam a dois ou três vídeos e anotem as principais informações que encontrarem.

 

Coordenador,

Você já conhece a rotina Veja, pense e se pergunte?

Que tipo de pensamento essa rotina incentiva? 

Ela incentiva os alunos a fazer observações cuidadosas e atenciosas, ajuda a estimular a curiosidade e prepara o terreno para a pesquisa.

Quando e onde essa rotina pode ser usada?

Use-a quando você quiser que os estudantes pensem cuidadosamente sobre o porquê de algo e que olhem além da maneira como algo foi feito ou é mostrado. No caso dos diversos vídeos, a rotina auxilia os professores a perceber os padrões que se repetem. Os jovens e adolescentes vloggers repetem o estilo e os vídeos tornam-se mais do mesmo. Acabam massificando, sem inovação do uso da poderosa mídia que o vídeo pode ser. Isso acontece porque eles estão apenas copiando um padrão de uso nas produções para o YouTube. Ser visto, ouvido e seguido torna-se mais importante do que a mensagem, o conceito ou o ideal a ser transmitido e compartilhado. Por outro lado, os materiais que ensinam a editar vídeos cumprem uma parte do ?aprender a fazer? que antes cabia somente à escola. Com recursos como esses, os meninos e as meninas estão aprendendo muitas coisas. No entanto, eles não refletem sobre por que e para que se desenvolve um vídeo e sobre seu papel como autores.

 

3. Solicite que os docentes utilizem a rotina Veja, pense e se pergunte para comparar os vídeos. Peça que as duplas preencham o quadro abaixo, que pode estar disponível no grupo online ou impresso em papel.

  O que você vê?     O que você acha sobre isso?     O que isso faz você se perguntar?
Vídeo 1          
Vídeo 2          
Vídeo 3          

 

4. Indique que cada dupla comente a quais conclusões chegou. Incentive que os professores percebam que, ao reproduzir os modelos existentes na internet, os estudantes não se tornam, necessariamente, produtores críticos de mídias. Da mesma maneira, no processo de alfabetização, os alunos copistas não se tornam escritores, sendo fundamentais as intervenções, provocações e mediações dos educadores para a apropriação do sistema de escrita alfabético.

5. Converse com o grupo sobre em que situações de sala de aula a rotina Veja, pense e se pergunte e a reflexão sobre como o uso da tecnologia precisa ser qualificado podem ser realizadas.

4ª REUNIÃO: O papel dos vídeos no ensino

1. Explique que a intenção deste encontro é pensar sobre o uso de vídeos na construção do conhecimento.

2. Promova um debate sobre como a produção de vídeos poderia ser utilizada pela escola. Solicite que os professores registrem as ideias no ambiente virtual usando como base as questões listadas abaixo e outras que você julgar importantes.

  • Onde é possível obter vídeos prontos de conteúdos curriculares? (Caso o grupo não lembre, cite sites como YouTube Edu e TV Escola) 
  • Podemos produzir vídeos com os conteúdos do currículo?
  • Como os alunos podem auxiliar na produção desses vídeos?
  • Como os professores podem participar da produção desses vídeos?
  • Podemos propor uma sala de aula invertida com os vídeos produzidos por docentes e estudantes e outros já prontos?

 

3. Divida a turma em cinco grupos. Cada um vai desenvolver um dos aspectos presentes nas questões seguindo a rotina da bússola, conforme indicado nos quadros abaixo.

Vídeos prontos (já existentes) sobre conteúdos curriculares

Pontos positivos
Como ampliar e efetivar
 
Pontos negativos
Como anular ou amenizar
 
Ampliar lateralmente
Quem pode contribuir e onde podemos buscar mais informação
 

Sugestões

O que é possível executar e o que depende de outras instâncias e parcerias

 

 

 

Produção de vídeos próprios com os conteúdos do currículo

Pontos positivos    
Como ampliar e efetivar
 
Pontos negativos
Como anular ou amenizar
 
Ampliar lateralmente
Quem pode contribuir e onde podemos buscar mais informação
 

Sugestões

O que é possível executar e o que depende de outras instâncias e parcerias

 

 

 

Participação dos alunos na produção dos vídeos

Pontos positivos    
Como ampliar e efetivar
 
Pontos negativos
Como anular ou amenizar
 
Ampliar lateralmente
Quem pode contribuir e onde podemos buscar mais informação
 

Sugestões

O que é possível executar e o que depende de outras instâncias e parcerias

 

 

 

Participação dos professores na produção dos vídeos

Pontos positivos    
Como ampliar e efetivar
 
Pontos negativos
Como anular ou amenizar
 
Ampliar lateralmente
Quem pode contribuir e onde podemos buscar mais informação
 

Sugestões

O que é possível executar e o que depende de outras instâncias e parcerias

 

 

 

Proposta de uma sala de aula invertida com os vídeos produzidos por professores e alunos e vídeos já prontos

Pontos positivos    
Como ampliar e efetivar
 
Pontos negativos
Como anular ou amenizar
 
Ampliar lateralmente
Quem pode contribuir e onde podemos buscar mais informação
 

Sugestões

O que é possível executar e o que depende de outras instâncias e parcerias

 

 

 

4. Reserve algum tempo para que todos discutam e depois apresentem suas conclusões. No final, garanta que os docentes tenham acesso ao quadro com o resultado e destaque que esse material pode servir de base para a construção de projetos com o uso de vídeos na escola.


Consultoria Jane Reolo