Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Reportagens | Planejamento | Lição de casa | Reportagens


Por: NOVA ESCOLA e Nairim Bernardo

A hora de estudar sozinho e ver o que aprendeu

Reportagem da edição 243, de junho/julho de 2011, indicada por Maura Barbosa

"Lição de casa é um assunto recorrente em reuniões com educadores. A reportagem foi fundamental para validá-la como um dos meios de proporcionar a interação da escola com a família. O trabalho envolve questões como a gestão do tempo em sala de aula, o envolvimento dos pais e a revisão das tarefas realizadas em casa pelo professor. Com a leitura, foi possível amenizar as dúvidas e compreender a importância de criar uma rotina de estudo para os alunos."

Maura Barbosa, consultora de GESTÃO ESCOLAR e coordenadora pedagógica de gestão na Comunidade Educativa Cedac, em São Paulo.

 

A hora de estudar sozinho e ver o que aprendeu

Quando é desafiadora, a lição de casa desenvolve a autonomia do aluno e fornece valiosas informações sobre o trabalho do professor

Texto Elisângela Fernandes. Colaborou Fernanda Salla

 

No Rio Grande do Sul, por exemplo, o nome é tema. Em Minas Gerais, para casa. E, em diversos outros estados, a tarefa é chamada de lição de casa. Independentemente do nome que recebe, quando a atividade é desafiadora e bem elaborada, todos saem ganhando. Para o aluno, é o momento de, sozinho, ler, pesquisar, verificar o que aprendeu, levantar dúvidas, sistematizar conhecimentos e reforçar a aprendizagem - atitudes de um estudante cada vez mais autônomo. Para o professor, é uma forma de avaliar se os objetivos foram cumpridos, o que a turma aprendeu, as diferenças individuais e o que retomar. 

Infelizmente, ainda são comuns as situações em que o dever de casa é prescrito simplesmente por tradição, sem que haja uma intencionalidade pedagógica. "Em muitos casos, ele é proposto apenas como uma obrigação que o aluno precisa cumprir para obter a aprovação e até mesmo como uma forma de castigo", afirma Tânia de Freitas Resende, docente da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e especialista em lição de casa. 

Apesar de antiga, há muito incorporada à cultura escolar e vista como uma extensão natural do trabalho em sala, essa prática não recebe a merecida atenção. Assim como qualquer outra atividade escolar, a lição de casa precisa ser bem planejada para alcançar seus objetivos. Só assim, ela vai efetivamente potencializar o trabalho pedagógico e ampliar as oportunidades de aprendizado num tempo de trabalho extra-aula. 

 

Para a lição funcionar, é preciso orientar bem o aluno e a família 

A dinâmica só dá resultado - é importante lembrar - se o hábito de estudar em casa for construído. Cabe à escola criar essa rotina ao propor atividades articuladas ao conteúdo visto em sala e orientar como elas devem ser feitas pelo aluno, sozinho. "A eficácia depende do planejamento feito pelo professor e pela coordenação pedagógica, e não da ajuda dos pais", diz Maria Eulina Pessoa de Carvalho, docente da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e especialista no tema. 

Por articular escola e família, muitas vezes a lição de casa se torna um foco de conflitos. Entre as queixas mais recorrentes dos professores está a falta de participação dos familiares ou a sua interferência, realizando e corrigindo as atividades passadas para as crianças. Para ajudá-lo a orientar os responsáveis e a propor boas atividades para casa, NOVA ESCOLA ouviu especialistas e professores que usam bem esse importante recurso pedagógico. Confira como devem ser encaminhadas as quatro etapas essenciais desse trabalho: planejamento, orientação, correção e avaliação.

 

1. Lição eficiente requer planejamento

"Ao planejar as aulas, também penso nas possibilidades de dever de casa que estão articuladas ao conteúdo trabalhado em classe."
Simone Corrêa Santos Medeiros, professora da EMEF Aníbal Freire, no Rio de Janeiro, RJ. 
Foto: Pedro Meyer

Tudo o que é realizado em sala de aula requer planejamento - e com a lição de casa não poderia ser diferente. O segredo é propor atividades com objetivos claros e articulados ao conteúdo visto em sala. Ao mesmo tempo, esse trabalho não deve ser uma mera repetição do que o aluno fez na escola. A motivação para realizar uma tarefa está ligada ao nível de desafio que ela traz (leia nos destaques da reportagem exemplos de atividades bem-sucedidas). Você pode propor atividades diferenciadas de acordo com as características da turma e até mesmo algo mais individualizado, que aborde aspectos em que determinados alunos estão apresentando dificuldade. 

Ao realizar o planejamento das aulas, você deve pensar em quais atividades relacionadas ao conteúdo a ser trabalhado podem ser realizadas em casa pelos estudantes de forma autônoma. Além disso, é necessário refletir, buscando antecipar possíveis dúvidas dos estudantes e os procedimentos utilizados por eles. Dessa forma, a correção e a discussão da atividade em sala de aula tornam-se mais produtivas para todos.

"A complexidade das tarefas e o tempo necessário à sua realização têm de estar de acordo com a idade, com os conhecimentos construídos e também com o grau de autonomia que as crianças e os jovens possuem", defende a professora Maria Eulina. Se você pede como tarefa a leitura de um texto que foi entregue em sala, a garotada não requer ajuda para cumprir o combinado. No entanto, uma pesquisa sobre um tema específico, sem indicação de materiais de consulta e de explicações sobre os procedimentos a adotar para realizá-la, provavelmente vai demandar o socorro dos pais - o que não é recomendável. 

Conhecendo bem as condições de vida das crianças e dos jovens, você consegue avaliar se uma atividade é viável. Eles possuem em casa um espaço propício aos estudos, com uma mesa, boa iluminação e sem interferência da TV, por exemplo? Precisam comprar algum tipo de material? Quanto isso vai impactar no orçamento familiar? Como é a rotina deles fora da escola? Se a ideia for um trabalho em grupo, esta é uma providência essencial: investigar se os estudantes moram próximos uns dos outros e podem ir sozinhos para a casa de algum deles ou se precisam dos pais para isso. 

Saber se eles têm livros e acesso à internet é outra tarefa sua. Antes de propor uma pesquisa, visite a biblioteca da escola e do bairro para avaliar o acervo disponível e leve isso em consideração na hora de indicar a bibliografia. Se os alunos não têm computador ou acesso à internet em casa, os telecentros e o laboratório de informática da escola são ótimas alternativas. A escola deve ser sempre um local de estudos quando a criança não tem as condições necessárias em casa. "Organizar plantões de educadores para atender os alunos é uma ótima estratégia", defende Tânia. Para ela, em algumas situações, a escola de tempo integral tem se mostrado uma necessidade para assegurar um tempo maior de atividades na própria escola.

Lição de casa

Identificação de sistemas do corpo humano

Disciplina Ciências 

Ano 8º 

Planejamento Como parte do trabalho sobre os sistemas do corpo humano, a professora planejou uma atividade que possibilitou aos alunos revisar o conteúdo e a ela retomá-lo na hora da correção. 

Orientação Os alunos tinham de identificar cada sistema em um desenho, resumir suas funções e citar os órgãos que os compõem. O livro didático e sites poderiam ser consultados. 

Correção Cada grupo apresentou à turma os resultados encontrados durante a realização das atividades e comentou em quais teve dificuldade. 

Avaliação A professora verificou que eram poucas as dúvidas sobre o tema e, depois de solucioná-las, explicou a integração entre diferentes sistemas.

 

2. Boa orientação garante resultados

"Sempre aponto diferentes caminhos para a solução de uma tarefa. Isso dá mais confiança à turma."
José Oliva de Santana, professor da EMEF Dr. Miguel Vieira Ferreira, em São Paulo, SP.
Foto: Raoni Madalena

Tornar claros os objetivos da lição de casa e o que se espera do estudante já no início do ano diminui possíveis conflitos e contribui para aumentar a eficácia do trabalho. Esses combinados podem incluir as consequências para quem não fizer as atividades e se elas contarão na avaliação. 

Compreender por que a proposta é importante, de que forma está articulada ao conteúdo visto em classe e como será retomada por você na aula seguinte também contribui para que a turma veja sentido nela. "Outro ponto essencial é saber que não é preciso acertar tudo, mas sempre tentar, colocando em jogo tudo o que aprendeu", enfatiza Christina D'?Albertas, professora do Colégio Vera Cruz, em São Paulo. 

De acordo com o pedagogo francês Philippe Meirieu, no livro Os Trabalhos de Casa, não basta pedir que os alunos estudem determinado tema, por exemplo. É necessário indicar meios que permitam a eles verificar se estão no caminho certo - o que depende do tipo da atividade, do conteúdo e da disciplina trabalhados. Atividades como resumir, tomar notas e selecionar e sintetizar informações devem ser realizadas em sala antes de ser incorporadas às atividades pedidas para a casa. Com a revisão, ocorre o mesmo. Para Meirieu, "rever é reconstruir e não simplesmente uma tentativa de recordar conhecimentos anteriormente adquiridos". Segundo ele, uma revisão eficaz é aquela que possibilita reformular e trabalhar de outras formas aquilo que já foi visto. 

Não existe um tempo predeterminado para a orientação dos alunos antes de cada lição, mas ele deve ser suficiente para que ninguém saia da escola com dúvidas. "No início do ano, no fim da aula, repasso as informações várias vezes até ter certeza de que todos entenderam. Quando nos aproximamos do último bimestre, o tempo da explicação já é bem menor", exemplifica Christina. 

Dosar o volume de atividades para a casa é outra dificuldade, principalmente para os especialistas, nas séries finais. Para contornar a situação e não sobrecarregar a turma com lições das diversas disciplinas para o mesmo dia, uma saída é a articulação entre os docentes e a coordenação. Por meio de um calendário fixado em cada sala, os professores indicam a tarefa e a data de entrega. Com os alunos maiores, outro caminho é negociar prazos e quantidade com eles próprios, que podem dizer o que já foi passado por outros professores.

Lição de casa

A participação política hoje e na República Velha

Disciplina História 

Série 8ª 

Planejamento Após a turma estudar a origem da república na Grécia Antiga, o professor propôs atividades para tratar da república popular, autoritária e democrática. 

Orientação Os jovens tiveram de entrevistar pessoas idosas sobre eleições nos anos 1930, avaliar o programa de um partido atual e comparar os dois períodos. Eles receberam uma bibliografia e a lista de partidos políticos. 

Correção Os grupos apresentaram as pesquisas, dificuldades e conclusões. 

Avaliação Para sanar as dúvidas surgidas, Santana retomou o tema com novas abordagens.

 

3. Correção é hora de tirar dúvidas

"Na correção, avalio o que cada um aprendeu. Todos sabem que não é só para ver quem errou ou acertou."
Diogo Faria, professor do Centro Pedagógico da UFMG, em Belo Horizonte, MG. 
Foto: Leo Drumond/Agência Nitro

Propor um dever de casa sem que haja a programação de retomá-lo em sala é o mesmo que não dar valor a ele. Se o professor não irá corrigir, por que o aluno vai fazer? Se a realização da tarefa vai contribuir para a nota, nada impede que você verifique quem fez ou não, colocando visto no caderno, mas não pode parar por aí. A correção é imprescindível, já que é o momento de identificar os pontos que precisam ser retomados. 

Maria Eulina lembra que nem sempre a correção individual é o ideal. Além disso, são poucos os professores que conseguem corrigir os deveres de casa de todos, devido ao grande número de escolas em que trabalham e de turmas para as quais lecionam. Porém essa situação, explica a especialista, não pode ser um empecilho para passar atividades para casa e, é claro, retomá-las em sala de aula. Há várias estratégias de correção. 

Colocar as respostas no quadro para que as crianças simplesmente acompanhem e verifiquem se acertaram ou erraram, apesar de comum, não é a melhor opção. A sala precisa ter um papel ativo na correção. "Se um aluno leva para casa um desafio matemático, em classe ele pode socializar a forma como o resolveu e conhecer as soluções encontradas pelos colegas. Isso sem que seja preciso apontar uma estratégia única e correta", exemplifica Sandra Cristina Dedeschi, especialista em relações interpessoais na escola e mestranda em Psicologia Educacional pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). 

Outras alternativas: discussão coletiva com autocorreção, em que o professor fala com toda a turma sobre a tarefa, levanta dúvidas, aponta caminhos e cada um confere no quadro se acertou; em duplas ou em grupo, em que cada um avalia a atividade do colega, sempre com a supervisão e intervenção do docente. 

Se a classe é grande e você quiser fazer a avaliação individual, uma alternativa é olhar os cadernos de um grupo a cada semana. Dessa forma, também é possível priorizar os que apresentam maiores dificuldades de aprendizagem. Mas isso não dispensa a correção coletiva. 

"Nesse momento, os alunos podem refletir sobre os conteúdos que aprenderam, levantar dúvidas e identificar o caminho que percorreram para chegar a determinada conclusão. Assim, podem enxergar onde está o problema e elaborar novas hipóteses", diz Regina Lico Suzuki, diretora de orientação técnica da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. Para você, esse é o momento de avaliar como a atividade foi feita, verificar quais foram as dúvidas mais comuns e analisar se a proposta estava clara. 

Vale também investigar por que um ou outro não fez a atividade. Antes de levar o problema aos pais, a falta do dever tem de ser investigada e discutida com o próprio aluno, que, assim, passa a se sentir mais responsável. "Professor e aluno devem conversar sobre o assunto, pensar nas providências necessárias para que isso não ocorra novamente e combinar um prazo para a lição atrasada", defende Sandra. Nesse caso, será necessário um atendimento individual, já que a atividade já foi corrigida pelo restante da turma. Segundo a especialista, somente se o problema persistir e o aluno continuar não realizando as tarefas os pais devem ser envolvidos.

Lição de casa

A escrita dos decimais e os instrumentos de medida

Disciplina Matemática 

Ano 5º 

Planejamento Faria propôs uma atividade para investigar como os alunos escreviam os números decimais e usavam instrumentos de medição. Antes, viu se todos tinham trena, fita métrica e régua. 

Orientação A turma recebeu a incumbência de medir a altura, o palmo, o pé, o polegar, a cabeça, o pescoço, a panturrilha e a perna de cinco pessoas da família e registrar essa medição. 

Correção Aqui não há certo ou errado. Os alunos entregaram os valores encontrados, contaram como fizeram a tarefa e suas dificuldades. Também citaram os meios mais adequados para medir cada parte do corpo. 

Avaliação O professor identificou quem sabia escrever os decimais e os que só conheciam os inteiros e, com base nisso, planejou as aulas seguintes.

 

4. Avaliação permite definir rumos

"Com a avaliação da tarefa, consigo verificar não só se os alunos aprenderam mas também se meu trabalho está no caminho certo e se preciso retomar algum ponto."
Jamille Almeida, professora do Colégio Miró, em Salvador, BA. 
Foto: Fernando Vivas

Os benefícios da lição de casa não são exclusivos do aluno. Após a correção feita em sala de aula com toda a turma, você tem em mãos uma ótima avaliação do seu trabalho e pode perceber quais atividades impactaram positivamente o aprendizado da classe e o que é preciso modificar. 

Se muitos alunos não fizeram a tarefa, é preciso investigar onde está o problema. A dificuldade pode sinalizar que a maioria não entendeu o propósito dela e a forma de concluí-la e, portanto, a orientação dada na aula anterior não foi satisfatória. Outras vezes, o problema pode estar na própria tarefa, inadequada à realidade do aluno - por exemplo, quando pede a leitura de uma publicação que não está disponível na biblioteca da escola ou na internet e há a necessidade de comprar o exemplar. 

Já se as condições estavam garantidas, o enunciado perfeitamente compreendido e, mesmo assim, a turma errou muito, não é o fim do mundo. Essa informação é valiosa e indica o que precisa ser ensinado novamente e quais conteúdos você terá de retomar. Isso, é claro, sempre com novas abordagens. "Qualquer obstáculo identificado na tarefa deve ser problematizado coletivamente em sala de aula. Isso é essencial para que a garotada realmente aprenda os conteúdos do currículo", explica Christina D'Albertas. 

Vale ficar atento também à possibilidade de o dever de casa sempre estar correto, mas em sala os alunos apresentarem dificuldades. Isso pode ser o indício de que eles tiveram ajuda dos pais ou de outras pessoas na realização da tarefa (por exemplo, quando uma criança em processo de alfabetização escreve em sala palavras com erros de ortografia - o que é esperado - e traz de casa textos sempre corretos). Nesse caso, vale perguntar para a criança se alguém a ajudou a corrigir e, se a resposta for afirmativa, conversar com os pais para que não intervenham e não peçam que ela apague e copie da forma certa. Se isso ocorre, perde-se uma boa oportunidade de trabalhar os erros recorrentes em novas atividades que podem beneficiar toda a turma. 

"São poucos os educadores que usam a lição de casa para fazer a avaliação contínua da aprendizagem individual e de toda a turma", alerta Maria Eulina, com base em suas pesquisas sobre o tema. Para ela, o retorno dos alunos sobre como foi feita a atividade, as dificuldades encontradas no momento em que estavam sozinhos e se receberam ajuda são informações riquíssimas para o professor. "É preciso garantir na sala de aula um ambiente de respeito, abertura e acolhimento para que eles se sintam seguros em expressar as dúvidas que surgiram durante a realização dos deveres", defende Tânia. Dessa forma, não só os estudantes são avaliados mas você também pode ter importantes indicadores sobre a adequação de seu trabalho.

Lição de casa

A relevância dos dados nos textos informativos

Disciplinas Ciências e Língua Portuguesa. 

Ano 5º 

Planejamento Ao analisar textos informativos sobre animais, produzidos nas aulas de Ciências sobre meio ambiente, a professora verificou que eles traziam poucas informações sobre a cobertura corporal das aves. Por isso, propôs à turma uma pesquisa e uma nova produção de texto. 

Orientação A meninada teve de buscar dados em textos informativos sobre o tema sugeridos pela professora, sublinhar informações específicas e relevantes, tomar notas e resumi-las. 

Correção Em duplas, os alunos trocaram suas anotações e elegeram quais dados mais relevantes seriam usados nos textos. Em seguida, durante a discussão, Jamille levantou questões específicas sobre as características e as funções da cobertura corporal das aves. 

Avaliação As atividades para casa possibilitaram à professora identificar as dificuldades dos alunos e os critérios utilizados por eles ao selecionar informações. Com uma nova atividade e discussão, ela observou que as crianças estavam mais preparadas para retomar os textos informativos, revisando-os e incluindo os novos dados sobre a cobertura da pele das aves.

 


Conversar com os pais é condição para o sucesso da tarefa

As famílias precisam saber qual o papel delas: ajudar o filho a criar uma rotina de estudos e nunca realizar nada por ele.

Ao mesmo tempo que é um elo entre a escola e a família, a lição de casa também pode representar um ponto de conflito entre as duas instâncias. Os professores se queixam de que os alunos não fazem as tarefas e que seus pais não cobram isso deles. Outras vezes, que os pais fazem o trabalho no lugar das crianças. Do lado das famílias, as maiores reclamações são sobre atividades que a garotada não consegue realizar sozinha. Ao conversar com os responsáveis logo nas primeiras reuniões do ano, você evita alguns problemas. Veja a seguir. 

  • O que evitar Que os pais interfiram na lição, façam correções ou as próprias atividades pelos filhos. 
  • O que fazer Dar orientação sobre o papel deles nesse assunto: reservar um local e um horário para o estudo (prevendo momentos de lazer e descanso), assim como cobrar, motivar e incentivar a sua realização. Explique que um dos objetivos da atividade é promover a autonomia do aluno e que, portanto, é ele quem tem de fazê-la. 
     
  • O que evitar Culpar as famílias de omissão no acompanhamento da vida escolar dos filhos sem saber em que situação vivem. 
  • O que fazer Investigar quais são as condições de vida e o nível sociocultural das famílias para avaliar o tipo de acompanhamento escolar que elas podem proporcionar aos filhos. 
     
  • O que evitar Culpar o aluno por não ter feito uma tarefa que exija a consulta a livros e a internet se ele não possui esses recursos em casa. 
  • O que fazer Consultar as famílias a respeito da possibilidade de conseguir o material necessário ou acompanhar os filhos na visita a bibliotecas e telecentros quando a tarefa envolver pesquisas. Levar em conta que nem sempre há pessoas em casa com disponibilidade de tempo para isso. 
     
  • O que evitar Reclamar com a família a cada vez em que uma lição não é entregue. 
  • O que fazer Dizer aos pais que, se não consegue fazer o trabalho, a criança deve informar isso a você, na aula seguinte, e que a dificuldade não é motivo para castigos e punições - que não contribuem para a aprendizagem. 
     
  • O que evitar Cobrar dos pais uma ação mais efetiva deles para que a criança aprenda. 
  • O que fazer Garantir que a aprendizagem dos alunos ocorra na escola, que é responsável por isso. Mesmo que os pais tenham conhecimento sobre o conteúdo da tarefa, provavelmente eles não possuem conhecimento pedagógico. A tarefa de ensinar é sua, professor.

Quer saber mais?

BIBLIOGRAFIA

Escola, Família e Comunidade - Caderno Cenpec Nº 6, Isa Maria Ferreira da Rosa Guará (org.), disponível na Livraria Cortez, tel. (11) 3873-7111, 20 reais 
Os Trabalhos de Casa, Philippe Meirieu, 92 págs., Ed. Presença, presenca.pt, 5,29 euros


Foto entrevistada: Reprodução

Foto abre: Fernanda Sá | Modelo: Laura Fioretti | Maquiadora: Iara Park

Compartilhe este conteúdo: