Reportagens | Atratividade | Reportagens

Poucos querem se sentar na cadeira do gestor

Excesso de responsabilidade e baixa remuneração são alguns dos fatores que espantam potenciais candidatos ao cargo de gestor

POR:

Quem quer ser diretor de escola? Em certos estados brasileiros, a resposta a essa pergunta é desanimadora: a média registrada é de um ou dois candidatos por pleito (veja gráfico abaixo). Indo mais a fundo nos dados da pesquisa da Fundação Victor Civita, nota-se que em muitas unidades não há ninguém na disputa, como ocorreu em 22% das escolas baianas e em 14% das piauienses nas últimas eleições. Mesmo no Distrito Federal, onde a média é de três candidatos por votação, 10% das escolas também tiveram procura zero.

Média de candidatos a diretor por pleito: em dez das 16 unidades federativas que adotam a prática da eleição

A conclusão do estudo não poderia ser outra: o cargo não é atrativo. A causa está no elevado ônus, com uma recompensa considerada inadequada. Os diretores reclamam que a gratificação financeira é pequena diante da dedicação que o trabalho exige e do nível de estresse que provoca. Quem está na função é cobrado pela solução de diversos problemas - e nem sempre tem formação e autonomia para superá-los. Nas redes que promovem a eleição para diretor, a chance de enfrentar um processo eleitoral desgastante é outro fator que afugenta os candidatos.

Por outro lado, a pesquisa detectou que em três das 16 unidades federativas que promovem eleições para diretor há uma média boa de quatro candidatos por vaga. São elas: Acre, Mato Grosso do Sul e Pará. Os motivos nem sempre são ligados à estrutura para exercer a função (leia depoimentos abaixo). Um é o prestígio do cargo: "O trabalho bem feito é reconhecido pela comunidade", analisa Maria Luiza Farias Carvalho, coordenadora da Secretaria de Estado de Educação do Pará.

Desejo de fazer mais

"Fui eleita pela primeira vez em 1995. Era professora de Matemática e Física desde 1984 e o diretor da época sugeriu que eu me candidatasse. Ganhei duas eleições seguidas e, após ser adjunta por um mandato, voltei à direção. Gosto do cargo porque nele é possível fazer mais pela Educação. Meu trabalho abrange não só os alunos mas também os professores e a comunidade. Isso é motivador, mesmo que a função exija dedicação integral. Conto com o apoio da Secretaria sempre. Se surge dúvida, consulto. Agora, com 61 anos, vou me aposentar. Soube que há pelo menos três interessados em me substituir."


Palmira Alves Alencar Claudino, diretora da EE Maria Constança Barros Machado, em Campo Grande, MS


Porta-voz da escola

"Em 2000, comecei a dar aula de Arte aqui e já no ano seguinte me candidatei à direção. Minha chapa foi a quinta a se inscrever no pleito, que foi bem disputado. Nossa escola era tida como problemática. Havia histórico de violência, não tinha projeto político-pedagógico, as cadeiras estavam quebradas e os computadores envelheciam no almoxarifado. O que me moveu foi o desafio de dar voz às necessidades da comunidade. Gosto de reivindicar e atingir objetivos. Hoje somos referência e ganhamos até um prêmio de gestão. Nossas decisões são compartilhadas com a coletividade."
Lucia Maria Oliveira de Melo, diretora da EE Serafim da Silva Salgado, em Rio Branco, AC


Vocação para líder

"Adoro interagir com as pessoas e tenho perfil de liderança, que julgo ser essencial para exercer essa função. Sou diretora desta escola desde 2003 - primeiro fui nomeada, depois eleita - e já tinha experiência como vice em outras unidades. No começo, a infraestrutura era precária. Então, fui buscar apoio na Secretaria. Ousada eu sou. Acho que o diretor tem de ir à luta e fazer a diferença. Fico satisfeita em ver crianças felizes com o conforto das salas de aula climatizadas. Estou colhendo o que plantei. Hoje há grande procura por vagas. Além de boa infra, temos qualidade de ensino."
Jorgina Barros, diretora da EE General Gurjão, em Belém, PA

Especialistas defendem que as Secretarias podem tornar o cargo mais atraente (leia o quadro abaixo). "Dar autonomia e associá-la a metas claras e aos resultados é essencial", diz a doutora em Educação Gisela Wajskop, diretora do Instituto Singularidades, em São Paulo. Foi no que investiu o Acre. O ex-diretor de gestão da Secretaria de Estado de Educação Jean Mauro de Abreu Morais conta que a lei estadual 1.513, de 2003, contribuiu para o aumento da procura. "O gestor escolhe os coordenadores de ensino e o administrativo de sua equipe."

Mais interesse

Acenar com melhores salários é um dos fatores para chamar a atenção para o cargo, mas não é o único. Outras medidas podem surtir efeito:

  • Oferecer formação
    Um programa de formação em serviço em que a discussão dos problemas reais da escola é a tônica dos encontros dá segurança e respaldo às decisões do gestor. "Poucas redes oferecem acompanhamento, por isso quem se arrisca na função descobre somente na prática como deve agir", diz Wanda Engel, doutora em Educação e superintendente-executiva do Instituto Unibanco.
  • Dar autonomia
    Criar mecanismos para ampliar o poder do cargo, acompanhados de outros para avaliar o desempenho da escola e cobrar resultados, dá liberdade de decisão e coloca mais responsabilidade no exercício da função. No âmbito financeiro, já existe alguma autonomia, mas em outras áreas os avanços são tímidos. "Uma das reclamações dos gestores é não poder afastar funcionários incompetentes", observa Gisela Wajskop. Se por um lado não há como demitir o pessoal concursado desmotivado, por outro existem formas de oferecer capacitação ao gestor para que ele faça a formação da equipe e envolva todos no projeto da escola.
  • Definir atribuições
    Um profissional só é eficiente e criativo quando sabe o que precisa fazer. Renato Casagrande, pró-reitor de graduação da Universidade Positivo, em Curitiba, sugere a criação de um manual de atribuições a fim de deixar claros os deveres e as responsabilidades do diretor.
  • Apostar na meritocracia
    Ter uma política que coloca lado a lado metas de aprendizagem para as escolas e recompensas para as unidades e os profissionais que nela trabalham é um fator de motivação para quem apresenta bons resultados. "Essa é uma medida que pode atrair mais candidatos e também levar a uma maior agilidade na execução de ações eficazes", diz Wanda Engel.

Quer saber mais?

Contatos

  • Gisela Wajskop, gisela@singularidades.com.br
  • Jean Mauro de Abreu Morais, jean.mauro@gmail.com
  • Maria Luiza Farias Carvalho, maria.lfcarvalho@seduc.pa.gov.br
  • Renato Casagrande, rcasagrande@up.com.br
  • Wanda Engel, instituto.unibanco@institutounibanco.org.br
Fotos: Alexis Prappas, Odair Leal e Elaine Bayma. Gráfico: Arte Gestão Escolar

Compartilhe este conteúdo: