Reportagens | Comportamento | Como Dominar As Emoções | Reportagens

Sentir medo em situações novas...

...faz parte da natureza humana e cabe a todos na creche saber como lidar com essa realidade para evitar dificuldades no futuro

POR:
Adriana Toledo

O ser humano, todos sabem, é um animal muito frágil. Diferentemente de outros mamíferos, que já nascem em pé e rapidamente aprendem a buscar alimento e se defender, os bebês dependem dos adultos por um longo tempo. Assim, desde o início da vida, eles experimentam a sensação de medo. Acredita-se que os primeiros temores se manifestem por volta dos 3 ou 4 meses de idade. "Nessa fase, o bebê adquire a capacidade de distinguir o familiar do estranho e aprende a diferenciar a mãe (ou o responsável) de tudo o que o rodeia", explica a psicóloga Vera Zimmermann, coordenadora do Centro de Referência da Infância e Adolescência da Universidade Federal de São Paulo. "Ao perceber a existência de um desconhecido, ele teme perder o amparo materno."

Esse sentimento é parte da nossa vida e "é importante para a própria proteção, pois inibe a exposição excessiva aos riscos", diz a professora Márcia Barbosa da Silva, da Universidade Estadual de Ponta Grossa, no Paraná. A psicopedagoga Eliane Pisani Leite, de Brasília, completa: "O medo era uma proteção que o homem das cavernas tinha contra os ataques de predadores e até hoje nos permite sobreviver graças ao recurso da fuga quando algo nos ameaça". Até os 3 anos, é o receio de ser abandonado que mais apavora os pequenos. O escuro, a queda, o barulho e a luz forte estão, desde sempre, relacionados à separação da mãe. A partir dos 2 anos, o repertório aumenta em razão da descoberta do mundo simbólico. É por isso que muitas crianças querem distância de pessoas fantasiadas, como palhaços e Papai Noel.

Por isso, ingressar numa escola de Educação Infantil é uma situação nova que pode provocar medo. Afinal, não haverá ninguém da família por perto. Daí a importância da adaptação. "Nos primeiros dias, o bebê ou a criança pequena podem ficar pouco tempo na creche para minimizar esse impacto", recomenda Márcia. Uma recepção calorosa e afetiva dos professores e auxiliares é fundamental para que os pequenos se sintam confiantes e protegidos. Melhor ainda se eles puderem ser recebidos sempre pela mesma pessoa.

 

Preparo adequado

Todo adulto que vive com crianças precisa saber lidar com o medo infantil. "Se esse sentimento não for adequadamente trabalhado, pode provocar timidez excessiva, ansiedade e até fobias", alerta o psicanalista e psiquiatra Conceil Correa, da Associação Brasileira das Inteligências Múltiplas e Emocional, em São Paulo. Além disso, os temores prejudicam o aprendizado, já que o assustado só quer ficar no colo e pára de brincar com os colegas.

Como identificar o medo? Quando o pequeno ainda não aprendeu a falar, a solução é observar reações como choro, expressão de susto, coração acelerado, respiração intensa, inquietação, músculos contraídos e retraimento. Ao passar a conversar, rapidamente surgem frases como "estou com medo", "não gosto", "escutei um barulho" e "está atrás da porta" para expressar a angústia.

Além de tranqüilizar e acolher, você pode (sem forçar) estimular os que têm medo a falar, desenhar ou expressar o que os aflige. Assim, eles podem compreender o que estão sentindo e aprender a lidar com isso. Outra ação eficiente é dizer que você também sente medo. "A criança entende que a sensação é comum a todos", ensina Márcia. Ler livros infantis também ajuda muito (leia a experiência no quadro abaixo). "As histórias confortam, pois mostram que, apesar dos temores das dificuldades dos personagens, eles conseguem ir em frente", diz Jefferson Mainardes, da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Bebês e crianças com deficiência também sentem medo e existem pequenas variações na hora de atendêlas. O deficiente auditivo, por exemplo, pode sentir receio de um ambiente desconhecido, mas levar um brinquedo de casa para a creche costuma ser eficaz. É possível que o cego tema a dificuldade de se fazer entender. Então, procure comunicar-se com ele da mesma forma que a família. A criança com deficiência mental às vezes se assombra com um desenho na TV. Nesse caso, evite trabalhar com o mesmo personagem. Em qualquer situação, os pais precisam ser avisados. Explique que não basta dizer aos filhos que "isso não é nada" e tente orientá-los a falar sobre o sentimento.

Um fantoche contra os temores

Uma professora da Escola de Educação Infantil Girassol, em Piracicaba, no interior de São Paulo, desenvolveu durante uma semana um projeto com sua turma de 3 anos para tranqüilizar as crianças em relação a seus medos. Antes de iniciar o trabalho, ela pediu que cada uma trouxesse de casa um par de meias velhas na cor branca para confeccionar um fantoche. No primeiro dia, outra professora, também contadora de histórias, narrou um livro sobre o medo utilizando um boneco. Em seguida, os pequenos fizeram os fantoches com a ajuda dos adultos.

Na hora de caracterizá-los, o desafio era representar os temores. Todos fizeram isso pintando a cara do boneco, amarrando os cabelos e vestindo roupas nele - tudo com materiais simples e baratos, como estopa, canetas hidrocor e retalhos de tecido. "A utilização de um material concreto e pessoal - a meia, no caso - para expressar os temores ajudou as crianças a pensar sobre o que elas estavam sentindo", lembra a diretora, Iraídes Varela.

Nesse mesmo dia, a professora pediu que cada criança usasse o fantoche para falar sobre os próprios medos. "Depois de exteriorizar seus sentimentos, notamos que todos passaram a se sentir mais tranqüilos. Os receios diminuíram e a turma percebeu que o fantasma não era tão feio quanto parecia", diz a diretora. Na semana seguinte, a missão da meninada foi confeccionar, com a segunda meia, um boneco semelhante ao primeiro para presentear um amigo. "Essa foi a forma que encontramos para que as crianças pudessem compartilhar a experiência assimilada", finaliza Iraídes.

Quer saber mais?

Contatos

  • Conceil Correa, conceilcorrea@terra.com.br
  • Eliane Pisani Leite, pisani.leite@terra.com.br
  • Escola de Educação Infantil Girassol, Trav. da Saudade, 53, 13417-783, Piracicaba, SP, tel. (19) 3426-8126
  • Jefferson Mainardes, jefferson.m@uol.com.br
  • Márcia Barbosa, mbsylva@uol.com.br

Bibliografia

  • Medos, Medinhos, Medonhos - Como Lidar com o Medo Infantil, Márcia Barbosa da Silva (org.), 160 págs., Ed. Unijuí, tel. (55) 3332-0200, 25 reais
Foto: Fernanda Sá; Agradecimento: Elian Têxtil