Matéria de capa | Apresentação | Reportagens

Janelas para o mundo

POR:
Renata Costa e Elisângela Fernandes

A tecnologia está cada vez mais presente na vida das pessoas. No trabalho e em casa, os computadores já foram batizados de janelas para o mundo por facilitar o acesso à informação e ampliar as possibilidades de comunicação. Na escola, eles ainda podem aumentar o potencial criativo e garantir mais autonomia a professores e alunos. Mas será que é isso mesmo que está ocorrendo em nosso país? Para conhecer mais sobre a real utilização das máquinas e da internet nas redes públicas de Ensino Fundamental e Ensino Médio, o Centro de Estudos da Fundação Victor Civita (FVC), junto com o Ibope e o Laboratório de Sistemas Integráveis da Universidade de São Paulo (LSI-USP), fez uma pesquisa com 400 escolas de 13 capitais.

Com patrocínio da Abril Educação, do Instituto Unibanco e do Itaú BBA, o estudo comprovou que há cada vez mais infraestrutura nas escolas, mas falta formação para professores e gestores. Se por um lado, 98% dos entrevistados afirmam ter computadores funcionando nas escolas, 18% admitem que o laboratório de informática nunca é utilizado. "Ainda estamos longe de explorar as novas tecnologias como ferramentas a serviço do ensino e da aprendizagem dos conteúdos escolares", resume Angela Dannemann, diretora executiva da FVC.

Para chegar lá, é necessário investir em planejamento, em todos os níveis:

  • As redes, além de garantir a infraestrutura necessária, têm de incluir as chamadas tecnologias da informação e comunicação (TICs) nas matrizes curriculares.
  • As escolas precisam incorporá-las a seus projetos pedagógicos.
  • Os cursos de capacitação em serviço devem ser revistos e passar a oferecer atividades ligadas diretamente aos conteúdos aliadas às ferramentas informáticas.
  • E cabe aos professores aplicar tudo isso em cada uma das disciplinas.

Os números do estudo confirmam o constante crescimento do acesso às novas tecnologias, como mostram os dados do Censo Escolar, realizado anualmente pelo Ministério da Educação com informações sobre o número de computadores e laboratórios de informática, bem como as formas de acesso à internet. Além disso, o levantamento aponta caminhos para melhorar as condições de uso dessas máquinas a serviço da aprendizagem dos alunos. "Agora, em vez de pensar em 'tecnologias voltadas para a Educação', temos de mudar o foco para uma 'Educação com tecnologia'", resume Regina Scarpa, coordenadora pedagógica da FVC e de NOVA ESCOLA. Nesta edição especial, as propostas de ação foram divididas em três grandes blocos: infraestrutura, formação e planejamento.

Inicialmente, você entende por que o investimento em infraestrutura é essencial para garantir um uso mais eficaz dos equipamentos (para 43% dos entrevistados, a falta de máquinas é o principal entrave para colocar os alunos trabalhando com os computadores). E vai conhecer a experiência de uma cidade em que todos os estudantes têm laptops que se conectam à internet graças uma rede sem fio - ou seja, podem trabalhar em qualquer local da escola.

O segundo bloco explora a importância de lutar por uma boa formação de professores e gestores. Finalmente, a terceira parte revela como o ato de planejar faz toda a diferença para garantir que os estudantes efetivamente aprendam.

Compartilhe este conteúdo:

Conteúdos relacionados

Revista Digital

Tem, mas ainda é pouco

Os recursos materiais para uso da tecnologia já estão disponíveis - ao menos nas escolas públicas das grandes capitais. Segundo a pesquisa, 98% têm computador, impressora, TV e DVD. Projetor ou data show estão presentes em 85% dos casos, assim como máquina fotográfica digital (79%) e filmadora (50%). O acesso à internet já é via banda larga em 83% das escolas, mas o desafio é colocar tudo a serviço da aprendizagem. Afinal, 73% têm laboratório de informática, mas quase um quinto deles não usa o espaço para atividades com os alunos

Revista Digital

A chave para o sucesso

Os computadores são um poderoso aliado do professor, que pode usá-los para que os alunos aproveitem os equipamentos e suas possibilidades para se conectar com o mundo e descobrir as próprias potencialidades. Mas tudo isso só é possível quando há planejamento tanto na rede de ensino quanto dentro de cada escola. Incluir a tecnologia no projeto pedagógico é a única forma de garantir que as máquinas se tornem, de fato, ferramentas a serviço da aprendizagem dos conteúdos curriculares - e não um fim em si mesmas

Revista Digital

O grande desafio de quem ensina

Os cursos de graduação não preparam os professores nem a equipe gestora para trabalhar com tecnologia na escola. A formação em serviço é insuficiente - e quase sempre se propõe apenas a ensinar a usar as ferramentas do computador. O resultado, previsível, é confirmado pela pesquisa: sem uma equipe habilitada, o que se vê são professores que aproveitam a sala de informática para deixar os alunos trabalhando sozinhos e escolas que nem sequer utilizam os laboratórios existentes. Cabe às redes envolver todo o corpo docente para superar esse desafio