Reportagens | Poema | Reportagens

Sozinha

POR:
NOVA ESCOLA

Sozinha, coitada.
Nunca estava acompanhada.
Pega-pega, sozinha não tinha.
Queimada, sozinha não dava.
Então, ela sentava a pensar.
Mas estava tão sozinha que nem pensamento vinha.
Se Sozinha assim estava, mais sozinha ia ficar,
Porque o S da Sozinha resolveu se mandar.
Mal Ozinha se deu conta, o O aproveitou o embalo e saiu rolando.
Desolada, sentia-se uma zinha qualquer.
"Ô, Zinha", disse o Z.
E zapt, fugiu ligeiro, deixando Inha para trás.
"Inha, Inha, inhaaaá!" Desandava a chorar.
Chorava, chorava até a lágrima secar.
E agora, o que fazer?
Olhou para um lado.
Olhou para o outro.
Para lá, para cá.
Até que seu pé se animou. Levantou a Inha e se pôs a sambar.

Ali de cima, os olhos de Inha observavam o seu pé, que sacudia e sacudia.
E sacudindo contagiou o joelho, que remexeu a coxa e fez o bumbum rebolar.
Do bumbum para a barriga foi um estalo.
Os ombros, que não são bobos, entraram logo no embalo.
Quando Inha percebeu, do pescoço para baixo estava um grande alvoroço.
Só faltava a cabeça. Então a boca disse: "Entre na dança." Êba! Vamos lá!

A alegria era tanta que atraiu muita gente. E todos os pés ali presentes convenceram seus donos a participar.
Inha estava contente, mas tão contente, que nem se lembrava mais do tempo em que tinha um S, um O e um Z, que a deixavam Sozinha.
Deles queria distância. Mas não entendam mal. O S para um samba, o O num oi e o Z para um ziriguidum seriam sempre bem-vindos.


Poema de Adriana Abujamra Aith e Ieda Abbud, ilustrado por Fábio Cobiaco

Compartilhe este conteúdo:

Conteúdos relacionados