Reportagens | José Mindlin | Reportagens

Janelas para o mundo

O leitor mais famoso do Brasil garante: não há idade para se apaixonar pelos livros

POR:
NOVA ESCOLA
null

null
null

Dono da maior biblioteca particular da América Latina, o empresário José Mindlin é uma das raras pessoas no mundo que ganharam fama por causa da paixão por livros. Ele calcula já ter devorado cerca de 7 mil obras literárias ao longo de seus 93 anos de vida. E, mesmo com a visão enfraquecida pela idade, não cogita abandonar esse prazer. Prepara-se para começar a sexta leitura dos sete volumes de Em Busca do Tempo Perdido (Ed. Jorge Zahar), clássico do francês Marcel Proust. E conta com a ajuda de bibliotecários, que lêem em voz alta para ele.

 

Como levar um adulto a adquirir o hábito da leitura?

JOSÉ MINDLIN Não há uma receita infalível. Em primeiro lugar, é fundamental facilitar o acesso das pessoas a livros. O bibliotecário tem um papel importante, mas o rádio e a TV precisam fazer mais programas sobre livros.

 

Transformar crianças em leitores é mais fácil?

MINDLIN O adulto que nunca leu é praticamente uma criança. O caminho é dar a ele um livro bem ilustrado. Uma adaptação de Os Três Mosqueteiros, por exemplo, seria um ótimo começo.

 

Sempre é tempo de incentivar a leitura?

MINDLIN Sim. Ler é uma questão de catequese, e quem não lê nunca saberá o que está perdendo. O gênero literário é irrelevante. O importante é criar o hábito.

"O que se lê é irrelevante. O que importa é criar o hábito da leitura"

Mesmo que sejam livros de auto-ajuda, por exemplo?

MINDLIN Confesso que tenho certo preconceito com esse tipo de leitura, porque acho que esses livros acabam funcionando como uma bengala. Se precisar, tudo bem, desde que não se leia apenas isso. A boa leitura provoca a imaginação, desperta o sonho, coisas que essas obras não proporcionam.

 

Ler uma história em voz alta é uma boa forma de incentivar a leitura também para adultos?

MINDLIN O contador de histórias ainda é muito válido, nunca vai desaparecer. O livro une as pessoas. E a poesia, por exemplo, é ideal para ser lida em voz alta.

 

Qual obra o senhor indicaria para quem quer se iniciar nos prazeres da leitura?

MINDLIN Eu tinha um motorista que costumava me esperar horas a fio enquanto eu estava em reuniões. Um dia, perguntei-lhe por que não usava aquele tempo para ler, mas ele não soube responder. Dei a ele O Tempo e o Vento, de Erico Verissimo. E ele virou leitor.


Foto: Mario Rodrigues

Compartilhe este conteúdo: