Reportagens | trajetória escolar | Reportagens

A decisão de abandonar

Desconexão com o mundo do trabalho impulsiona a saída da escola, enquanto relações pessoais contribuem para que o aluno fique

POR:
NOVA ESCOLA

Manter os alunos na escola é um esforço que se torna mais difícil à medida que eles avançam nas etapas de ensino. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2011, dos que deixam a escola, 70,2% o fazem entre o 7º ano e o Ensino Médio. E a entrada no mercado de trabalho ou a intenção de fazê-lo, a curto prazo, é um aspecto diretamente relacionado à evasão.

Vale observar que, entre os que trabalham, o tempo dispensado ao estudo diminui. A maioria dos que já estão empregados assiste às aulas no período noturno, somando 69,1% do total da amostra. As faltas são mais comuns entre esses jovens e isso se desdobra em índices mais altos de reprovação: 33,8% dos que estudam e trabalham declararam ter repetido o ano uma ou mais vezes, ao passo que a reprovação entre aqueles que apenas estudam é da ordem de 26,4%.

Cursar o Ensino Médio após os 17 anos - idade média para concluí-lo - é consequência provável da repetência, e aparece como um fator claro para o abandono. "No levantamento, a existência de um fluxo educacional regular, inclusive no Ensino Fundamental, está diretamente relacionada à probabilidade de concluir o Ensino Médio", afirma Haroldo da Gama Torres, autor da pesquisa. Não por acaso, a maior proporção de estudantes que manifestaram a possibilidade de abandonar os estudos (37,2%) está na faixa dos 17 anos. Na pesquisa, 76,4% dos jovens de 15 a 17 anos só estudam. Entre os que estão na faixa dos 18 e 19, o porcentual dos que se dedicam exclusivamente à escola cai para 21,9%. "Quanto mais defasado o aluno está dentro do sistema educacional, mais difícil fica conciliar o trabalho ou outros interesses com a rotina da escola", diz Tufi Machado Soares, do Programa de Pós-gradução em Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Outro fator que ajuda a explicar a evasão é o aluno não enxergar, na escola, algo que contribua para a sua atuação profissional. "Embora um dos objetivos do Ensino Médio seja a formação para o trabalho, o currículo não dialoga com isso, nem em termos de conteúdo nem enquanto suporte na transição para o mundo profissional", afirma Ana Paula Corti, professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo.

Assim, um em cada cinco alunos afirma frequentar a escola apenas com o objetivo de conseguir o diploma, mas não vê muito significado em todo o processo de aprendizagem. "O estudante desse nível almeja um apoio para delinear seus projetos de vida. Deseja realizar uma síntese de seu percurso escolar e definir os rumos a serem trilhados daí em diante. E esse é certamente um aspecto ausente na escola", completa a professora. Muitas vezes, o Ensino Médio é encarado apenas como parte do processo para chegar à universidade e, para quem não tem essa meta, o sentido de cursá-lo se esvazia ainda mais.

 

A influência do clima escolar

Segundo a pesquisa, a percepção direta sobre o ambiente escolar também faz diferença na motivação do adolescente para permanecer ou não na escola. Para muitos, a zoeira diminui a vontade de estudar, já que ela denota um baixo grau de organização do ambiente educacional: 76,7% declararam que seus colegas de classe fazem muita zoeira e bagunça, a ponto de atrapalhar as aulas.Por outro lado, as amizades parecem ser um fator decisivo para que o estudante continue frequentando as aulas. "Pena que essa sociabilidade ainda seja vista pela escola como algo negativo. As entrevistas nos mostram que as amizades e os relacionamentos devem ser reconhecidos como aliados", avalia Ana Paula. Da mesma forma, a ligação com os professores importa. "A pesquisa deixa claro que os docentes tornam o sistema escolar humanizado e estimulante para os jovens. Então, se ele é um dos fatores centrais de atração dos alunos e de construção de sentidos positivos para sua permanência no Ensino Médio, seu papel precisa ser valorizado", defende Ana Paula.

Consideram o diploma a principal razão para ir à escola

  • 19,7% dos estudantes
  • 31,9% dos que abandonaram o Ensino Médio e trabalham
Jovens de 15 a 19 anos residentes nos setores censitários 40% mais pobres, que frequentam ou frequentaram o Ensino Médio. Regiões Metropolitanas de São Paulo e Recife, 2012.

Só estudam

  • 76,4% dos jovens de 15 a 17 anos
  • 21,9% dos que têm 18 ou 19 anos
Estudantes de 15 a 19 anos residentes nos setores censitários 40% mais pobres, que frequentam o Ensino Médio. Regiões metropolitanas de São Paulo e Recife, 2012.

Não pensam em abandonar o Ensino Médio

  • 91,9% dos jovens que só estudam
  • 89,4% dos que trabalham e estudam
Estudantes de 15 a 19 anos residentes nos setores censitários 40% mais pobres, que trabalham ou não trabalham. Regiões Metropolitanas de São Paulo e Recife, 2012.