Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Blog

Blog de Alfabetização

Troque experiências e boas práticas sobre o processo de aquisição da língua escrita

09 de Outubro de 2017 Imprimir
5 4 3 2 1

Precisamos vencer nossas limitações para trabalhar com aluno com deficiência

Mara Mansani conta como foi difícil - e recompensadora - a experiência com Fernando, seu primeiro aluno com autismo

Por: Mara Mansani
Ilustração: Getty Images

Tenho vivido experiências difíceis, mas maravilhosas, com alunos com deficiência. É sempre um grande desafio para qualquer professor. Muitas vezes fiquei apreensiva, chorei, reclamei, procurei ajuda e orientações, mas o mais importante de tudo, nesses momentos, foi me libertar de preconceitos e descobrir que, apesar de algumas limitações, todos têm potencial para aprender. Há alunos que aprendem de um jeito diferente,  outros precisam de um tempo maior e uma pequena conquista pode significar um grande avanço na aprendizagem. Mas todos podem e têm direito de aprender.

A experiência mais difícil que vivenciei com aluno com deficiência foi com Fernando. Na época com oito anos de idade, ele tinha autismo em grau leve. Logo no primeiro dia, sem preparo e cuidado, cometi um erro: na acolhida fiz um carinho em sua cabeça e Fernando se encolheu todo, ficou nervoso e agitado. Dei-me conta que o toque e a interação com outra pessoa era difícil para ele. Levei tempo para acalmá-lo. Todos ficaram assustados, Fernando, eu e os demais alunos.

Ele passou o restante da aula sem querer participar de nada. No mesmo dia, conversei com a coordenadora pedagógica da escola, pois precisava de apoio e orientação para saber lidar com a nova situação e desenvolver a aprendizagem de Fernando. Juntas estudamos, experimentamos possibilidades e procuramos ajuda com psicólogos e psicopedagogos. Assim, as coisas começaram a se acalmar e a tomar um rumo positivo.

Fernando sabia ler e escrever e, apesar de muitas vezes não querer ou não conseguir registrar as atividades, avançava no conteúdo. Ele tinha uma capacidade auditiva e visual incrível para aprender. Por isso, muitas vezes adaptei as atividades aproveitando recursos orais e visuais para que ele participasse melhor.

Ele apresentava uma certa dificuldade em falar, às vezes repetia frases, mas era compreendido por todos. Não aceitava mudanças em nossa rotina em sala de aula e não suportava muito barulho. Descobri que isso são características do autismo, então, passei a ter mais cuidado em alterações nas aulas e conversei com as outras crianças para que tomassem mais cuidado com o barulho excessivo.

Isso contribuiu para que todos tivessem momentos mais tranquilos em sala. No início, os alunos estranhavam. Não o compreendiam muito bem, mas devagarinho fomos melhorando nosso relacionamento. Para isso, fiz muitas leituras, rodas de conversa e brincadeiras que exploravam o tema diferenças. Mas reconheço que muitas vezes não soube o que fazer. Ficava observando o Fernando introspectivo, distante, parecendo não estar conosco em sala.

Num desses dias, fiz o seguinte comentário a respeito das cartas que recebo constantemente dos alunos: "Puxa vida! Recebi tantas cartinhas, nas nenhuma de um menininho chamado Fernando. Será que ele vai escrever para a professora?". Ele não esboçou nenhuma reação.

No final do dia, depois de uma aula com a professora de Arte, fui surpreendida com uma cartinha pequena, assinada pelo Fernando, deixada debaixo de minha caderneta de chamada: "Te amo".

Ainda hoje fico emocionada quando me lembro disso. Fui feliz com ele e com outros meus alunos diferentes. Precisei ter muita paciência e amor. Precisei estudar para vencer minhas limitações enquanto professora para desenvolver a aprendizagem de todos. Mas o melhor mesmo é ter uma boa formação e cursos voltados para o tema, apoio e trabalho conjunto com profissionais da área de saúde. Viva Fernando!

E vocês queridos professores, como é a sua relação e da turma com alunos com deficiência? Vocês têm algum apoio? Como andam trabalhando a aprendizagem deles em sala de aula? Conte aqui nos comentários!

Um abraço a todos, um carinho à toda população de Janaúba (MG) e um agradecimento especial à professora Heley de Abreu Silva Batista por seu amor incondicional a seus alunos.

Tenha acesso a conteúdos e serviços exclusivos
Cadastre-se agora gratuitamente
Cadastrar