Blog de Alfabetização

Troque experiências e boas práticas sobre o processo de aquisição da língua escrita.

Como trabalhar atividades de escrita pessoal na alfabetização

Incentivar a expressão pessoal colabora para entender como os pequenos enxergam o mundo

POR:
Mara Mansani
Mara Mansani ajuda um de seus alunos a produzir texto na sala de aula
A escrita de pensamentos pessoais deve ser incentivada desde cedo para que os alunos identifiquem a escola como um lugar para se expressarem. Foto: Mariana Pekin

No último mês, fui a um evento de Educação em São Paulo, em que tive o prazer de conhecer pessoalmente a professora Diva Guimarães, que emocionou o país com seu discurso na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) desse ano.

Diva, de 77 anos, contou sua trajetória de vida ao tomar a palavra para si. Falou do preconceito, do racismo que sofreu, mas principalmente da sua luta por dignidade. Pessoalmente, perguntei a ela sobre aquele momento especial e ela me disse: "Quando falei, nasci de novo!"

Como aquela ocasião me impactou. Suas palavras ficaram reverberando na minha cabeça e no meu coração. Como podemos fazer para que nossos estudantes tenham garantido o direito de se expressar, e não sejam silenciados?

Em dias difíceis como estamos vivendo, em que o direito à expressão nem sempre está assegurado, precisamos criar em nossas escolas, em nossas salas de aula, em nossas práticas espaços democráticos e tempo para a fala, a escuta e toda forma de expressão.

As assembleias e rodas de conversa são práticas já tradicionais para exercitarmos o direito de falar e escutar desde cedo, mas também podemos propor outras formas de expressão, como desenhos e escritas. Na alfabetização, é possível pensar em atividades de escrita pessoal com temas significativos às crianças. Oportunidades para que eles possam falar sobre suas vidas, medos, sonhos e o que mais quiserem.

Sugestões de atividades de escrita pessoal

Tenho algumas atividades que desenvolvo com minhas turmas de 1º e 2º anos do Ensino Fundamental, em que posso conhecer e entender melhor meus alunos. Vejam a lista abaixo. São atividades simples e possíveis de serem realizadas. A quem quiser aprofundar os estudos sobre como as crianças pensam e escrevem textos pessoais, sugiro a leitura do livro “Crianças como você”, de Barnabas e Anabel Kindersley, em associação com o UNICEF, da Editora Ática.

1) Escrita de textos sobre sua história de vida

  • Eu sou assim…

Essa atividade é riquíssima. As crianças escrevem coisas que sempre me surpreendem. O interessante é que nessa atividade, a escrita flui sem grandes dificuldades, pois o tema é significativo. Essas escritas mostram valores, crenças, preferências,comportamentos, entre outras coisas, e podem sugerir temas a serem trabalhados em sala de aula. Veja alguns exemplos do que meus pequenos já escreveram:

“Sou viciado em computador e videogame”.

“Minha mãe é linda e meu pai é forte”.

“Braços magrelo e nariz batatinha”.

“A vida é dura. Tem que ter responsabilidades”

“Eu sou feliz e quero ser feliz para sempre”.

“Eu sou calma, de vez em quando fico brava e irritada, mas é muito raro”.

“Eu tenho cara de bravo”.

“Eu adoro minhas professoras e a escola”.

“Eu ajudo minha mãe na cozinha”.

“Odeio ficar atrasada na lição”

  • Meu corpo é assim…

Sempre que realizo essa atividade de escrita, descubro alunos que têm problemas em aceitar seu próprio corpo devido a bullying ou alguma discriminação sofrida. É um bom momento para propor a discussão do tema da aceitação em sala de aula.

  • Em busca de meus sonhos

A ideia é que as crianças coloquem no papel quais são seus sonhos na vida e compartilhem com seus colegas de classe. Muitas vezes os pais só descobrem os sonhos dos filhos lendo esses textos e se emocionam.

“O meu sonho é ser engenheiro. Minha mãe quer que eu seja engenheiro. O meu segundo sonho é ir para a Disney!”

“Eu quero ensinar as crianças a ler e escrever”.

“Eu quero ser MC”.

“Para eu conseguir realizar o meu sonho irei estudar, fazer faculdade e trabalhar bastante. Fazer o bem a todos, não vou ter ganância pelo dinheiro”.

“O meu sonho é ir pro Japão e ser um ninja”.

“O meu sonho é saber nadar para eu não me afogar”.

“Eu quero ser veterinário , porque eu gosto de animais e não quero que eles morram”.

2) Desenhar o próprio corpo

Nessa atividade, podemos descobrir informações significativas sobre nossos alunos. A ideia é que eles desenhem o próprio corpo nu e escrevam os nomes de suas partes. Alguns têm vergonha de se desenhar, o que deve ser respeitado, outros se desenham vestidos, mas com um pouco de conversa podemos entender como se vêem, como se percebem, entre outras coisas importantes.

Alguns pais estranham essa atividade e me dizem que o filho não para de falar sobre o seu próprio corpo. Nesses casos, recomendo que eles prestem atenção no que seus filhos estão querendo falar, e conversem abertamente a respeito disso.

3) Escrita de diário pessoal

Já contei sobre essa atividade aqui no blog, em outro post. Durante uma semana, os alunos escrevem os fatos ocorridos em sua vida, dia a dia. Todos adoram!

4) Relato pessoal sobre um acontecimento especial

Nessa atividade mais simples que o diário, as crianças contam um momento importante que viveram e como se sentiram. Pode ser uma perda, um momento feliz, entre outras coisas.

Espero que essas atividades inspirem vocês, professores alfabetizadores, a criar e aproveitar essa necessidade que todos nós temos de colocar nossas ideias, sentimentos e opiniões para fora de nossas cabeças. As produções mostram que essa vontade existe desde muito cedo. Garanto que vocês vão se surpreender com o que se passa na vida e na cabeça de seus pequenos estudantes. A escrita é uma das mais importantes formas de expressão pessoal. Que nossas escolas possam contribuir na formação de pessoas criticas, cientes de seu direito de expressão, como a querida Diva.

Um grande abraço a todos! Um beijo especial para a querida Diva Guimarães, exemplo para todos nós. Até a próxima segunda-feira!

Mara Mansani

Tags

Guias

Tags

Guias