O Universo além do planeta Terra

POR:
novaescola

Objetivo(s) 

- Conhecer algumas características dos corpos celestes que fazem parte do sistema solar.

- Estabelecer critérios para identificar, reconhecer e classificar os corpos celestes.

Conteúdo(s) 

- Componentes do sistema solar.

- Planetas telúricos e jovianos.

Ano(s) 

Tempo estimado 

Oito aulas.

Material necessário 

Imagem do sistema solar, folhas de papel pautado ou A4 e acesso à internet.

Pôster Nova Escola - Sistema solar

Desenvolvimento 

1ª etapa 

Comece a aula propondo que a turma faça uma exploração virtual do céu por meio de um programa de simulação chamado planetarium (neave.com/planetarium). Acesse o site em classe e siga os passos:

1. Abra o link e clique em “Comece a explorar”.

2. Aparecerá uma pequena janela com um mapa-múndi. Selecione sua localização.

3. Dê um clique na região azul da tela e gire o cursor até observar o ponto cardeal oeste. Aperte o mouse para que o céu pare de girar.

4. Clique nas setas de hora e minuto e escolha um horário para a observação do céu.

5. Converse com a turma. Chame a atenção para os pontos maiores que não estão conectados à linha azul. Eles representam os planetas. Posicione o cursor para saber mais.

Se não houver internet, use mapas impressos.

2ª etapa 

Feita essa investigação inicial, combine um horário com as crianças para observar o céu. Utilize os dados de data e horário observados na simulação para planejar a atividade. A tarefa pode ser feita em casa ou, se possível, na própria escola, em uma visita noturna. Proponha que elas procurem corpos celestes que viram no simulador. Se possível, imprima cópias das imagens para que usem como referência. Converse a respeito do que cada uma vê. Comente as diferenças entre estrela e planeta, dizendo que a primeira emite luz e o segundo não. Ao olhar o céu, a turma vai notar que, apesar disso, alguns planetas parecem brilhar mais que as estrelas. Peça que todos tentem explicar como isso é possível. Conclua com a classe que eles estão muito mais perto da terra. Mostre que, mesmo entre os planetas, é possível observar diferenças no brilho. os mais distantes, como urano e Netuno, não são visíveis a olho nu. Já Vênus e Marte são fáceis de identificar. Enquanto os estudantes apresentam as ideias, incentive o debate entre eles para que pensem se cada hipótese levantada faz sentido.

3ª etapa 

De volta à classe, mostre a imagem do sistema solar à garotada. Em seguida, proponha a organização de duas tabelas com dados sobre os oito planetas do nosso sistema solar. Na primeira, os alunos devem registrar as informações quantitativas: distância média em relação ao Sol, massa, raio, período de rotação e de translação. Na segunda tabela, as qualitativas: orbita ao redor do Sol ou de algum outro planeta; emite ou reflete luz. Peça que usem como fontes a imagem do sistema solar e a internet e pesquisem também informações referentes a outros corpos celestes: os planetas anões (Plutão, Ceres e Éris), a nossa Lua, as luas de Júpiter (Io, Europa, Ganimedes e Calisto), de Saturno (titã) e de urano (titânia e oberon), procurando preencher as tabelas com os mesmos dados citados acima.

4ª etapa 

Proponha a criação de um “supertrunfo” do sistema solar. Divida a classe em equipes e peça que elaborem um cartão para cada corpo celeste estudado: Sol, planetas e satélites. Em todos eles, devem ser colocadas as informações quantitativas pesquisadas na etapa anterior. Se houver acesso a computadores e impressoras, a classe pode incluir imagens nos cartões. Elas são encontradas no site solarsystem.nasa.gov/planets.

5ª etapa 

Com o material pronto, comece o jogo. Em primeiro lugar, os alunos devem dividir o número de cartões entre todos os jogadores. Por sorteio, define-se quem inicia a rodada. Ele deve eleger uma das categorias apresentadas e informar o valor que aparece na carta que tem em mãos (por exemplo: diâmetro do planeta, 4.878 quilômetros). Em seguida, os demais jogadores têm de ler a informação da mesma categoria que aparece nas suas. Quem tiver o maior valor ganha os cartões dos outros participantes. O vencedor da rodada escolhe outra categoria e o jogo continua até que um aluno consiga todos os cartões dos colegas.

6ª etapa 

Sugira que os estudantes, ainda divididos em equipes, estabeleçam critérios para separar os cartões do jogo, agrupando corpos celestes com características semelhantes. Nesse exercício, eles devem expor qual foi o critério utilizado.

7ª etapa 

Compare e discuta as classificações de cada equipe, destacando as estratégias utilizadas. Converse com a turma sobre as características que a ciência toma como base para classificar e diferenciar planetas, satélites e estrelas e comente que algumas coincidem com as criadas pela sala. Para ampliar os saberes da moçada, proponha uma pesquisa sobre classificação de planetas. Sugira o acesso a materiais como Classificação de Planetas, com explicações sobre os menores corpos do nosso sistema solar e definições de planetas telúricos e jovianos. Os primeiros são rochosos, mais próximos do Sol e semelhantes à terra, e os segundos gasosos, muito maiores, mais afastados do Sol e semelhantes a Júpiter. Retome as observações que a turma fez do céu nas primeiras etapas e converse novamente com os estudantes, agora trazendo os saberes que foram construídos. Se for possível, organize um clube de Astronomia, em que a classe possa combinar outros eventos de observação do céu ou de fenômenos como os eclipses.

Avaliação 

Peça que os alunos revejam os cartões com os dados sobre os corpos celestes e os classifiquem utilizando critérios científicos e justificando as escolhas. Ao ler as respostas, será possível identificar como compreenderam e aplicaram as informações estudadas em sala.

Créditos: Cristian Annunciato Cargo: Coordenador do Instituto Abramundo.

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias