O original e o remake

POR:
novaescola

Objetivo(s) 

Compreender, analisar e interpretar filmes e demais produções audiovisuais, inferindo traços característicos do uso oral do idioma, bem como suas finalidades e usos sociais.

Ano(s) 

8º, 9º

Tempo estimado 

3 aulas

Material necessário 

1) Pesquisa prévia de textos na internet ou em livros didáticos.

2) Cópias dos filmes Sleeping Beauty

 (Clyde Geromini, 75 min, Disney) e Maleficent (Robert Stromberg, 97 min, Disney).

3) Acesso à sala de informática.

4) Projetor de imagens e/ou televisão e aparelho de DVD.

Desenvolvimento 

1ª etapa 

Pergunte para os alunos o que eles entendem sobre conto de fadas. Anote as respostas na lousa e explique que o objetivo da sequência didática é comparar duas obras cinematográficas (A Bela Adormecida e Malévola), identificando diferenças e semelhanças a partir dos elementos dos enredos e das características do gênero.

Para iniciar o trabalho, promova a leitura compartilhada de um texto sobre a definição do gênero conto de fadas. Esse material pode ser a reprodução de um livro didático ou até mesmo a cópia de um verbete do dicionário. É importante problematizar a função social que esse tipo de texto tem. 

2ª etapa 

Organize a sala em duplas e proponha a reescrita, em inglês, da história A Bela Adormecida a partir do conhecimento prévio do conto. Antes de começarem, é importante que os alunos façam (ainda em momento coletivo) um levantamento do tipo de vocabulário e das estruturas que eles esperam que apareçam na obra. Por exemplo: once upon a time, evil, fairy, long time ago, lived happily ever after, princess e prince. Como recurso adicional, distribua listas com verbos no passado, adjetivos e preposições. Após a reescrita, promova o compartilhamento das produções das duplas com toda a turma. Nesta etapa, o mais importante é a aproximação com a história original – e não a correção linguística.

3ª etapa 

Contextualize a primeira versão cinematográfica da história exibindo a animação para a turma – com ou sem legendas em inglês. Então, proponha atividades de compreensão que levem os alunos ao entendimento dos elementos da história, considerando as características do gênero. Peça que os estudantes produzam uma síntese do enredo (focando o olhar na caracterização dos personagens e nos atributos dos protagonistas) e façam um breve relato dos principais eventos da narrativa. Neste momento, o professor pode fazer uma parada estratégica para explicar alguma estrutura linguística recorrente na história e verificar o que os alunos realmente apreenderam do enredo. É importante ter o cuidado de não traduzir tudo o que acontece, mas engajar os jovens na discussão, extraindo deles o que compreenderam e descobriram tanto sobre a história quanto em relação ao idioma. O ideal é que eles se expressem o máximo possível em inglês, mas é válido também recorrer ao uso da língua materna para ampliar a compreensão da turma.

Peça, então, para a classe retomar a produção de reescrita do conto. Solicite que eles confiram se faltou alguma informação sobre a história e se algum personagem ficou de fora. Pergunte aos alunos como as caracterizações podem ser aprimoradas? Oriente a garotada a elaborar uma segunda versão do conto, acrescentando as informações observadas no filme.

Concluído esse trabalho, contextualize a adaptação de 2014 do conto de fadas Malévola. Exiba o filme – também com ou sem legendas em inglês. As paradas e as atividades de compreensão ganham mais importância neste momento, já que há mudanças importantes nesta versão da história. Discuta as diferenças entre as duas adaptações: o que, na opinião dos alunos, motivou as alterações? Qual dos dois filmes eles gostaram mais? Por quê? Que tipo de impacto cada filme cria? Há diferença entre o público-alvo das duas produções? Permita, neste momento, o uso do português para ajudar os alunos menos experientes elaborar seu pensamento e fazer suas observações.

Avaliação 

Proponha a escrita de um texto, em inglês, em que o aluno-autor recomende ao seu leitor (que pode ser algum estudante de outra série da escola) um ou outro filme, justificando sua preferência. Aqui, o professor pode optar por fornecer vocabulário e estruturas que ajudem na tarefa. 

Créditos: Laura Meloni Nassar, coordenadora pedagógica do Colégio Oswald de Andrade, em São Paulo.

Compartilhe este conteúdo: