O Brasil holandês

POR:
novaescola

Objetivo(s) 

- Identificar os interesses econômicos de Holanda e Portugal no Brasil.

Conteúdo(s) 

- Colonização holandesa no Brasil.
- União Ibérica.

Ano(s) 

6º, 7º, 8º, 9º

Tempo estimado 

Seis aulas.

Material necessário 

Mapa de Jan Bleaupanfleto de Moerbeeck, citações das páginas 240 e 242.

Desenvolvimento 

1ª etapa 

Exiba o mapa. A turma sabe o que ele representa? Conhece os lugares que não foram colonizados só pelos portugueses? Provavelmente, não. Localize as capitanias de Pernambuco, Maranhão e Rio de Janeiro.

2ª etapa 

Divida a turma em duplas e distribua cópias dos trechos do panfleto de Moerbeeck. Após a leitura, solicite que respondam por escrito:
a) O que é defendido pelo autor?
b) Quais os espaços geográficos citados e quem são os atores históricos presentes no texto?
d) Quais os argumentos do autor para justificar seu ponto de vista?

3ª etapa 

Socialize as respostas e fale sobre a União Ibérica, a importância do açúcar, os interesses conflitantes da Espanha e dos Países Baixos e a Companhia das Índias Ocidentais.

4ª etapa 

Organize uma aula expositiva sobre a materialização dos interesses dos Países Baixos com o domínio da capitania de Pernambuco, ressaltando que o personagem marcante desse período foi Mauricio de Nassau.

5ª etapa 

Divida a turma em grupos e peça que diferenciem a mudança da postura de Nassau, tal como a da Companhia das Índias Ocidentais, lendo os fragmentos de discursos dele:

Fragmento 1
"(...) não vim trazer uma política de repressão. Reduzirei os impostos. Abrirei crédito para os lavradores. Garantirei a portugueses e brasileiros igualdade de direitos com os súditos das Províncias Unidas. E os moradores que, por desgraça de guerra, tiverem perdido suas casas e plantações, têm a minha autorização para reocupá-las." 

Fragmento 2
"O povo é um rebanho de carneiros que se tosquia, mas, quando a tosquia vai até a carne, produz a dor e, como esses carneiros raciocinam, por isso mesmo se convertem muitas vezes em terríveis alimárias. Quanto à cobrança das dívidas da companhia, deve-se proceder com rigor contra os negociantes, (...) Em relação aos lavradores e aos senhores de engenho, convém proceder com brandura, examinando-lhes os frutos no começo das safras e concordando com eles sobre a parte que hão de entregar; (...) de modo que eles não fiquem inteiramente privados dos meios necessários para porem a moer os engenhos no ano seguinte."

Depois, enfoque os objetivos econômicos da ocupação pelos holandeses e a relação estabelecida com os senhores de engenho.

Avaliação 

Peça que os alunos escrevam um texto argumentativo sobre a ocupação holandesa, destacando os principais fatores que a ocasionaram. Eles devem atentar para os interesses econômicos da ocupação e vejam como eram similares aos dos senhores de engenho.

Flexibilização 

Ter um intérprete de Libras é um direito de toda a escola com alunos surdos. Para a aula expositiva, isso é fundamental. Caso sua escola não conte com esse intérprete, vale colocar o aluno nas carteiras da frente para facilitar a leitura orofacial e oferecer textos de apoio por escrito antecipadamente, para que ele acompanhe o assunto. Fazer os registros escritos dos principais pontos da discussão em sala ajuda o aluno a organizar as ideias e acompanhar o que está sendo dito pelos colegas. Oriente para que cada um na turma fale por vez. Nas atividades em grupo, coloque o aluno surdo junto de um colega que fale pausadamente para facilitar, mais uma vez, a leitura orofacial.

Deficiências 

Auditiva

Créditos: Lucas de Oliveira Formação: Professor de História da Escola Santi, em São Paulo, SP.

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias