Introdução à eletricidade

POR:
novaescola

Objetivo(s) 

  • Conhecer uma maneira de produzir carga estática
  • Aprender sobre circuitos elétricos

 

Conteúdo(s) 

  • Carga estática, corrente elétrica e circuito

 

Ano(s) 

1º, 2º, 3º, 4º, 5º

Tempo estimado 

Quatro aulas

Material necessário 

  • Lâmpadas de 1,5 V ou 2,5 V e de néon NE 2
  • Fios
  • Pilhas
  • Bexigas
  • Pratos de alumínio
  • Copos plásticos
  • Fitas dupla face
  • Clipes de papel
  • Colchetes bailarina
  • Cartolinas
  • Brinquedos elétricos e textos sobre a história da eletricidade

Desenvolvimento 

1ª etapa 

Organize grupos de cinco alunos e distribua uma bexiga para cada equipe. As crianças devem enchê-las e aproximá-las da parede. Nada acontecerá. Em seguida, peça que atritem os mesmos balões no cabelo e tornem a aproximá-los da parede. Dessa vez, eles serão atraídos. Pergunte por que isso acorre. Dê para cada grupo um prato de alumínio, um copo de plástico e uma fita adesiva dupla face e peça que colem o fundo do copo no centro do prato. Novamente, as crianças devem atritar as bexigas contra o cabelo. Elas verão e/ou ouvirão uma faísca. Depois, segure a lâmpada de néon por um de seus fios e aproxime o outro do prato. A lâmpada vai piscar uma única vez. Proponha a leitura de textos sobre a história da eletricidade.

2ª etapa 

Dê para cada equipe uma lâmpada, um fio e uma pilha e desafie todos a acender a luz. Quem conseguir deve explicar o feito aos demais (é preciso ligar cada um dos polos da pilha aos dois pontos de contato da lâmpada).
 

3ª etapa 

Pergunte aos estudantes quais entre os equipamentos elétricos têm interruptores e como eles funcionam. Em seguida, as crianças tentarão validar suas hipóteses observando brinquedos elétricos que utilizam lâmpadas. Registre as respostas. É esperado que elas apontem o interruptor como responsável por ligar e desligar um circuito.
 

4ª etapa 

Distribua pedaços de fio, pilhas, clipes, colchetes, fita adesiva e pedaços de cartolina e peça que os alunos tentem acender e apagar uma lâmpada com a sua ajuda. Eles devem levar em conta a experiência da 2ª etapa (unindo fios, lâmpadas e pilhas) para construir um interruptor. Uma forma é prender com a fita dois colchetes em uma cartolina e colocar um clipe em um deles (a distância entre os dois deve ser suficiente para que o clipe fixado em um possa encostar no outro). Conectando os colchetes ao conjunto formado por fios, pilhas e lâmpada, pode-se fechar e abrir o circuito (encostando ou desencostando o clipe). Oriente a leitura de textos sobre o uso seguro de eletricidade.
 

Avaliação 

Peça que façam alterações nos textos que produziram no início da 3ª etapa, levando em consideração o que aprenderam sobre circuito elétrico, eletrostática e materiais condutores.

Flexibilização 

Para trabalhar com um aluno com deficiência física (pouca mobilidade dos membros superiores), na 1ª etapa, organize um grupo menor - com três integrantes, formado pelos alunos de mais fácil socialização - e antecipe todos os momentos da etapa. Na segunda etapa, firija-se especificamente ao aluno e faça perguntas cujas respostas possam ser objetivas ou expressadas com sinais de afirmação ou negação. Na terceira etapa, como lição de casa, solicite auxílio à família para que escreva, junto com o aluno, uma lista de equipamentos elétricos com interruptor. Na quarta etapa, sugira que o aluno apoie as mãos na hora de segurar o fio e que manipule os materiais que serão usados. A etapa é mais proveitosa em dupla. Avaliação Peça que façam alterações nos textos que produziram no início da 3ª etapa, levando em consideração o que aprenderam sobre circuito elétrico, eletrostática e materiais condutores. Ao ficar próximo dos experimentos, o aluno com deficiência visual poderá perceber a atração da bexiga ou ouvir a faísca perto do prato de alumínio. Ele também deve tatear as pilhas, para que compreenda a diferença entre pólo positivo e negativo. Lembre-se de que, no caso de alunos com baixa visão, é possível distinguir a claridade. O trabalho em equipe também ajuda o aluno cego. Na montagem do interruptor, por exemplo, ele pode ser o responsável pelo registro de todas as etapas do trabalho. Reforce as explicações oralmente e ofereça textos de apoio e registros em braile. No contraturno, sugira que o aluno com deficiência visual faça outros experimentos simples de eletrostática, como encostar canudinhos em papeis de seda ou sentir os próprios pelos sendo atraídos depois de friccionar um pente e passá-lo no cabelo. No caso de cegueira total, em que o aluno desconhece a luz, é possível relacionar a importância da eletricidade aos equipamentos que fazem parte do seu dia a dia, como a televisão ou a geladeira.

Deficiências 

Visual Física

Créditos: Cristian Annunciato Formação: Professor de Física e pesquisador da Sangari Brasil, em São Paulo.

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias