Fontes de luz e energia luminosa

POR:
novaescola

Objetivo(s) 

- Diferenciar fonte de luz de origens natural e artificial.
- Saber que é possível obter energia luminosa a partir de outros tipos de energia, como elétrica e química.
- Entender que o sol é a maior fonte de luz natural para o nosso planeta.
- Fontes de luz.
- Transformação de energia elétrica e química em energia luminosa.
- Intensidade relativa de diferentes fontes luminosas.

Conteúdo(s) 

- Luz
- Fontes luminosas 

Ano(s) 

1º, 2º, 3º, 4º, 5º

Tempo estimado 

Quatro aulas.

Material necessário 

Pilha, fio, lâmpada, soquete, figuras de fontes luminosas (como lâmpada, TV, vela, sol, céu estrelado, fogueira, palito de fósforo aceso, vaga-lume, relâmpagos, vulcões, objetos fosforescentes, aparelhos celulares e lanternas, entre outros) e figuras de objetos que não emitem luz (podem ser recortadas de anúncios e impressas da internet).

Desenvolvimento 

1ª etapa 

Inicie o trabalho mostrando aos alunos os dois conjuntos de figuras misturados. Peça que eles identifiquem os que emitem luz e os que não emitem. Conforme forem identificando, peça que indiquem de qual local da imagem a luz é emitida. Exemplo: em uma TV, a luz é emitida pela tela. Verifique se os alunos separaram corretamente os objetos, sem classificar como fonte luminosa objetos que apenas refletem luz (como o espelho). Solicite que observem os grupos formados e proponham outros critérios, que permitam dividir os grupos em subgrupos.

Flexibilização para deficiência intelectual
Explore o conceito de emissão de luz pedindo que o aluno abra e feche os olhos ou acenda e apague a luz da sala, por exemplo. No momento da classificação, verifique se ele reconhece e sabe nomear o objeto para depois classificá-lo.

2ª etapa 

Nesta e na próxima etapa, garanta ao aluno a possibilidade de ouvir os colegas e realizar tarefas no grupo. Combine, antecipadamente, quais são as regras de convívio para sua participação. Ele pode contribuir na organização dos objetos ou acender e apagar a vela. 

Agora, a turma vai trabalhar apenas com os objetos classificados como fontes de luz. Os alunos devem organizar essas figuras em grupos menores. Para isso, terão de estabelecer critérios que permitam saber se uma fonte pertence ou não a determinado grupo. Estimule a criação de critérios relativos à origem da luz emitida. Exemplos: uma lâmpada e uma TV emitem luz com o uso de energia elétrica; uma vela produz luz pela queima de alguma coisa (energia química). Para evidenciar a necessidade de uma fonte de energia, demonstre o que ocorre com um circuito elétrico formado por lâmpada, soquete, fios e pilha quando a fonte é retirada. Monte dois circuito: um com pilha e outro sem, como nas figuras mostradas a seguir.

Um possível conjunto de grupos seria o seguinte: 1) Luz gerada por energia elétrica (TV, celular lâmpada etc.); 2) Luz gerada por "queima" (vela, fogueira, fósforo etc.); 3) Outros (sol, estrelas, vagalume, material fosforescente etc.).

ilustração sobre fontes de luz

 

3ª etapa 

Peça que os alunos façam uma nova classificação, agora levando em conta o homem no processo de geração de luz. Uma lâmpada, por exemplo, é fabricada por seres humanos. Sendo assim, essa fonte depende da atividade humana. O sol, por outro lado, não depende do homem para produzir luz. O resultado dessa classificação será o grupo das fontes de origem artificial e natural.

4ª etapa 

Enquanto os colegas realizam a atividade com as figuras, o aluno com deficiência pode (sozinho, com o apoio do professor ou fazendo parte de um subgrupo) analisar a luminosidade de diferentes modelos de lanterna e objetos semelhantes, classificando-os conforme a intensidade luminosa.

Solicite que os alunos coloquem as figuras das fontes luminosas em uma escala, começando da fonte que emite mais luz até a que emite menos. Para mensurar a quantidade de luz, peça que relacionem a área que cada uma das fontes consegue iluminar. Enquanto uma lâmpada é capaz de iluminar um quarto ou uma rua, uma vela ilumina apenas uma mesa. Já um relâmpago ilumina o céu por alguns segundos, enquanto o sol consegue iluminar metade de toda a superfície terrestre por horas (vale dizer que a luz solar que atinge o planeta corresponde a uma fração muito pequena de toda a luz emitida por essa estrela). Procure destacar a diferença na quantidade de luz que cada fonte pode emitir, evidenciando que o sol é a fonte mais poderosa. Importante: deixe claro para as crianças que elas nunca devem olhar diretamente para o sol - devido a sua luminosidade intensa, há risco de lesão ocular.

Avaliação 

Flexibilização para deficiência intelectual  Na avaliação, o aluno pode repetir a atividade anterior, dessa vez com mais desafio (um registro gráfico, por exemplo). Distribua as figuras para os alunos e peça que escolham uma das fontes luminosas para descrever: 1) O tipo de energia que ela utiliza (elétrica, química ou outra); 2) Se essa fonte é natural ou artificial (depende ou não do ser humano para funcionar); 3) Se ela emite muita ou pouca luz. A descrição delas indica o conhecimento.

Deficiências 

Intelectual

Créditos: Cristian Annunciato Formação: Professor de Física e pesquisador da Sangari Brasil, em São Paulo.

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias