Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Planos de Aula
02 de Setembro de 2017 Imprimir
5 4 3 2 1

Estudar biotecnologia e os últimos avanços da Ciência

Por: novaescola

Objetivo(s) 

Por que abordar esse assunto polêmico e atual com nossos alunos? Não existe necessidade de ensinar propriamente genética ou biologia molecular. Isso exigiria um grau de abstração que a maioria deles ainda não tem, assim como não tem informações importantes para respaldar a discussão. Mas saber fazer a leitura correta das informações veiculadas é, sem dúvida, uma habilidade desejada. Além disso, é muito importante fornecer informações corretas para que eles possam refletir e assumir uma posição frente aos avanços da ciência que podem interferir em sua vida.

Conteúdo(s) 

Genética, biologia molecular e metodologia científica

O tema pode ser trabalhado associado à Genética, no 8º ano ou quando se discute o papel da ciência, em qualquer outra série. Pela necessidade de uma certa abstração do tema, a faixa etária de 8º e 9º anos é mais apropriada (13 a 16 anos).

Ano(s) 

8º, 9º

Tempo estimado 

Variável. Depende da disponibilidade dos professores e do envolvimento dos alunos.

Material necessário 

Transforme a sala de aula em um ambiente de estudo e pesquisa, oferecendo aos alunos materiais como jornais e revistas. Se houver uma sala de informática ou acesso a computadores, o trabalho pode ser ampliado com consultas à internet.

Desenvolvimento 

1ª etapa 

Introdução
Nos últimos anos, temos sido bombardeados com novidades biológicas que parecem destinadas a mudar o curso da história. Em julho de 2000, as notícias sobre o seqüenciamento das bases nitrogenadas do genoma humano e, em novembro de 2001, os relatos sobre o primeiro clone humano nos deixaram perplexos, curiosos e preocupados. Até uma telenovela abordando o tema clonagem foi produzida. O que existe de verdade em tudo isso? O que sabemos e o que não sabemos? Qual a interferência da mídia e quais os significados de cada descoberta?

Se refletirmos um pouco sobre a idéia de clone, vamos perceber que obter uma cópia idêntica de um mesmo organismo ocorre naturalmente nos gêmeos idênticos e na partenogenia (desenvolvimento de um ser vivo de um óvulo não fecundado, como em algumas plantas e invertebrados, especialmente em artrópodes). O uso de clones se faz há muito tempo! Reprodução por estaquia (em que se estimula a reprodução da planta a partir de pedaços do próprio caule) não é exatamente isso?

Obter clones por meio de embriões também não é técnica tão nova. Se o embrião tiver cerca de 200 células, é possível separar o material e obter outros embriões idênticos geneticamente.

Em 1996, uma nova técnica foi apresentada, aquela que deu origem à ovelha Dolly. O fato gerou um grande impacto na comunidade científica, pois ocorrera a transferência de um núcleo de uma célula adulta para um óvulo cujo núcleo fora previamente retirado. Com estímulos químicos, foram ocorrendo sucessivas divisões nesse óvulo até chegar a um embrião, implantado em outra ovelha, para gestação.

Muitas expressões têm surgido na mídia, causando confusões e incertezas. Biotecnologia, biologia molecular, alimentos transgênicos, organismos geneticamente modificados. Isso diz respeito aos nossos estudantes? A resposta é sim!

 

Comece o trabalho um mês antes, pedindo aos alunos que construam um registro coletivo dos avanços em Ciências Naturais durante esse período de tempo. Diariamente, em momentos marcados com antecedência, um aluno deverá apresentar um recorte de jornal ou revista ou ainda um resumo de uma notícia que tenha aparecido em algum telejornal, acompanhado de um comentário sobre os impactos, positivo ou negativo, que o fato poderia causar na sociedade, quer do ponto de vista econômico ou político. Insista no registro detalhado da fonte indicando qual o veículo de mídia e a data de publicação. Um espaço deverá ser reservado para afixar os trabalhos. Ao final de um mês, a classe terá um panorama de novos avanços nas ciências da natureza e poderá avaliar o quanto desses estão representados pela área de genética e de biologia molecular.

A partir daí, sonde as representações que os alunos construíram sobre genoma humano, alimentos trasngênicos e clonagem. Faça isso por meio de perguntas diretas. Descarte as explicações fantasiosas e trabalhe com as coerentes (mesmo que não necessariamente corretas).

Explique sucintamente que o projeto Genoma Humano foi oficialmente iniciado em 1990 e consistia em mapear os cromossomos e determinar a seqüência de bases nitrogenadas de todos os genes humanos. Estava previsto para durar 15 anos e contava com um orçamento de 3 bilhões de dólares.

James Watson, um dos pais do modelo da dupla hélice do DNA, foi convidado para dirigir o projeto e intermediar os conflitos do que já foi chamado de "o maior projeto civil desde a conquista da Lua". Em 1992, Watson deixou a direção do projeto, por ser contra o pedido do Instituto Nacional de Saúde, dos EUA, para patentear três mil genes humanos. Afinal, o projeto não era mundial? Ou seria norte-americano? Um dos argumentos que justificam a demora dos resultados é justamente a competição e a não colaboração entre as várias equipes dos diferentes países. Estariam todos esperando o momento de também tentar uma patente? A quem pertencem os genes humanos?

Hoje, especula-se que o projeto tende a priorizar as pesquisas dos genes que envolvem doenças, não só pelos benefícios imediatos dos tratamentos, mas por serem mais comerciais, principalmente quanto aos diagnósticos.

Outro ponto merece destaque: o projeto afastou a participação de países pobres e em desenvolvimento das pesquisas e de qualquer fórum de discussão, inclusive sobre o repasse dos conhecimentos gerados.

2ª etapa 

O que temos após o anúncio do seqüenciamento? Esta é a outra parte do trabalho. Oriente os alunos para uma pesquisa em jornais, revistas e, se possível, internet. É muito importante esclarecer o que se quer, qual o período que deve ser abordado (2000 e 2001 é o suficiente, mas pode ser ampliado), o que deve ser procurado e como deve ser feito. A internet é uma boa ferramenta de trabalho, desde que tenha algum significado para o aluno. Caso contrário, avalia-se apenas a qualidade das impressoras.

O trabalho de pesquisa por si só já é uma atividade das mais importantes, independente do conteúdo abordado, pois serve para desenvolver habilidades que são utilizadas em qualquer área; se o aluno não aprender tudo sobre a clonagem não há grande prejuízo, mas se souber pesquisar, poderá fazê-lo para qualquer disciplina e conteúdo. Portanto, a orientação é o ponto mais importante; invista tempo nisso. O professor de Língua Portuguesa é uma excelente ajuda nesse momento.

Peça aos alunos, e leve para a classe, os mais variados tipos de textos: notícias, reportagens, textos de opinião e textos não-verbais: fotos, gravuras, gráficos. Novamente, envolva o professor de Língua Portuguesa para o melhor uso de cada tipo de material. Não basta reunir um acervo, é preciso propor atividades de leitura, de análise, de resumo, de debate de idéias.

3ª etapa 

Confronte as novas informações com os conhecimentos prévios dos alunos: o que pensavam e o que mudou? Quais os impactos das novas descobertas para a humanidade?

Após o anúncio da descoberta da seqüência das bases nitrogenadas, pouca coisa mudou, exceto o número estimado de genes que, de 100 mil foi reduzido para 30 mil. Sabemos apenas a seqüência, mas não sabemos ainda o que fazer com isso, não somos capazes de transformar moléculas de DNA em seres vivos. Ainda falta determinar quais partes têm significados (genes) e o que determinam. Neste ponto, proponha uma discussão sobre o filme Parque dos Dinossauros (Jurassic Park, Steven Spielberg, Universal Pictures). No filme, um cientista consegue reproduzir dinossauros com o DNA encontrado no sangue de um inseto fossilizado. É interessante rever o filme para identificar quais fatos apresentados são ficção e que outros poderiam ter uma comprovação científica. A recente clonagem humana também merece atenção. A descoberta foi anunciada pela mídia, mas não passou pelos canais científicos, ou seja, não foi submetida à avaliação da comunidade científica competente. Analise com os alunos o significado desse tipo de autopromoção. Na verdade, o que se obteve não representa nenhum avanço.

O tema é muito interessante, pois trata de alguns "fetiches" científicos: saber a cor de olhos dos filhos, o sexo, o tipo físico. Seria impossível produzir aqui um roteiro de aula que contemple todo o assunto, mas fique atento e preparado para as questões que podem aparecer, principalmente sobre a ética e o determinismo genético. Existe uma tendência a reduzir todas as explicações das estruturas da sociedade em termos do comportamento geneticamente determinado dos indivíduos que a compõem. Isso não é verdade, pois existe uma forte influência do ambiente na formação do indivíduo.

Hoje, o grande apelo para a clonagem se justifica pela possibilidade da obtenção de células-tronco, células indiferenciadas que têm o potencial de se transformar em qualquer outra célula, que poderiam ser usadas para o tratamento de diversas doenças, como distrofias musculares e acidentes neurológicos. Existem, no entanto, formas de obter essas células sem a necessidade de produzir um embrião: podem ser obtidas em placentas, na medula de alguns ossos e no cordão umbilical dos recém-nascidos. Não se clona nem para produzir gente (pelo menos por enquanto), nem para se produzir órgãos (seria necessário "produzir" alguém e depois matá-lo para a retirada dos órgãos). O trabalho pode ser ampliado para terapias gênicas e alimentos transgênicos.

Avaliação 

O processo da pesquisa deve ser avaliado acompanhando-se os passos dos alunos ou pedindo a realização de tarefas intermediárias. Se você perceber que os alunos levantaram muitos fatos e argumentos importantes, proponha a realização de um debate, dividindo os alunos em grupos, chamando outros professores e até mesmo profissionais para participar (de preferência, da área das ciências das humanidades, tal como Psicologia, Filosofia, História e Sociologia). Cada grupo pode se comprometer a explorar um tema: clonar humanos, clonar para obter células-tronco, proibir clonagem, permitir clonagem com fins terapêuticos. O debate em torno do assunto também deve ser avaliado. Algumas leituras críticas podem ser feitas, de preferência com a participação do professor de Língua Portuguesa: a novela O Clone (Glória Perez, Rede Globo), analisando o que há de verdade e de fantasia; Frankenstein (Mary Wollstonecraft Shelley, Editora Martin Claret), para discutir os limites da Ciência; O Sorriso do Lagarto (João Ubaldo Ribeiro, Nova Fronteira, 1991) e Os meninos do Brasil (Original: The boys from Brazil. Direção de Franklin J. Schaffner. Com Gregory Peck, Laurence Olivier, James Mason, 1978. EUA. 127 minutos).   Quer saber mais? BIBLIOGRAFIA Cohen, J. - A quem culpamos pelo que somos? In. Brockman, J. e Matson, K. (Org.) - As coisas são assim. Cia da Letras, SP, 1997. Revista da USP, nº 24 - Dossiê Genética e Ética. Oliveira F. - Engenharia Genética: O Sétimo Dia da Criação. Ed. Moderna, SP, 2004 Oliveira F - Bioética. ED. Moderna, SP, 1997. Davies, Kevin - Decifrando o código. Cia da Letras, SP, 2004. Tognolli, C. - A falácia genética. Escrituras, SP, 2003 Watson, J. D. - DNA, o segredo da vida. Cia das Letras, SP, 2005 

Créditos: Marcos Engelstein Formação: Mestre em Biologia, Professor do Ensino Fundamental e assessor de Ciências.

Tenha acesso a conteúdos e serviços exclusivos
Cadastre-se agora gratuitamente
Cadastrar