Escrita de contos de Terror

POR:
professor

Objetivo(s) 

  • Apossar-se de recursos linguísticos para produzir contos de terror.
  • Colocar-se na posição de leitor e revisar os próprios textos.
  • Desenvolver posturas para escuta atenta, para a compreensão.
  • Planejar a escrita do texto considerando o tema central.
  • Revisar e elaborar a própria escrita.

 

Conteúdo(s) 

- Produção e revisão de textos. 

 

Ano(s) 

Tempo estimado 

Cinco aulas.

Material necessário 

O Livro dos Medos, Heloísa Prieto (org.), 80 págs., Ed. Companhia das Letrinhas

Histórias para Não Dormir, Luiz Roberto Guedes (org.), 152 págs., Ed. Ática

Cenas do filme Poltergeist, escrito por Steven Spielberg.

Trailers de filmes de terror

Fonte extra
O Horror Sobrenatural em Literatura, H. P. Lovecraft, 160 págs., Ed. Iluminuras

Desenvolvimento 

1ª etapa 

Leia o conto Medo de Espelhos, se possível em um local previamente preparado para criar um clima adequado: uma penumbra iluminada somente à luz de velas. Crie suspense ao ler, mude o tom de voz e faça pausas para provocar medo e tensão. 

2ª etapa 

Provoque um debate entre os estudantes. "O que despertou medo? E suspense?" e "Algum trecho frustrou e poderia ser diferente?" são algumas das perguntas válidas para sustentar a conversa. Organize grupos de três alunos para que reescrevam o texto. Explique que a ideia é torná-lo mais assustador ainda. Antes, peça que façam um reconto oral entre eles para retomar a obra, e então, pensar no que e como escrever. 

3ª etapa 

Promova outros debates que ajudem os estudantes a formular um banco de dados com as características dos contos de terror. Incentive o uso de palavras e expressões que apontem medo, suspense e maldade. O material servirá como uma fonte de consulta
na hora da revisão. 

4ª etapa 

Leia o conto Medo? Todo Mundo Tem! e encomende relatos de casos em que os estudantes sentiram medo. Apresente trechos e peça que eles selecionem expressões usadas pelos autores para dar um clima. Pergunte: como o corpo humano geralmente reage ao medo? Quais são as sensações físicas? A seguir, indague quais expressões utilizam no dia a dia para manifestar medo e se há antídoto para esse sentimento. Eles devem tomar notas durante o debate.

5ª etapa 

Organize a produção de frases que possam compor um conto de terror com base em tiras de papel com algumas palavras que devem ser combinadas. Exemplo: palidez/sumiço misterioso/paralisado; névoa tênue/ imóvel/calafrio; sobrenatural/pio de coruja/espectro etc. Mostre imagens de terror do livro e peça que organizem legendas condizentes a elas. Em seguida, exiba as cenas iniciais e o primeiro momento de terror do filme Poltergeist e analise com a turma os recursos usados para assustar os espectadores. Com essas novas informações, proponha a retomada da revisão.

6ª etapa 

Recolha os textos revisados e analise quais problemas de escrita são comuns e precisam ser melhorados, como o uso de sinais de pontuação, para ampliar as sensações. Selecione trechos nos quais esse recurso é bem utilizado e discuta com a classe. Prepare uma pauta de revisão focada nos aspectos discursivos e entregue junto com a segunda versão do conto. É interessante que o texto seja digitado, para que os estudantes se distanciem de suas próprias produções. 

7ª etapa 

Proponha essa atividade em dupla e dê um tempo maior para os estudantes. Se necessário, encaminhe para que o aluno termine a tarefa em casa ou com auxílio do AEE.

8ª etapa 

Solicite que passem o texto a limpo e proponha que ensaiem a leitura em voz alta. Convide outras turmas para ouvir contos de terror em sua sala.

 

Promover um dia especial para que os alunos possam vir fantasiados e caracterizados com personagens típicos dos contos de terror.

Avaliação 

Releia o conto original e discuta com a turma que mudanças foram relevantes na reescrita. Depois, peça a análise da primeira e da última versão, destacando o que melhorou e o que ainda precisa avançar. Indique pontos que eles não detectaram.

Flexibilização 

2ªetapa O ambiente com elementos que provocam sensações de medo e suspense favorece o envolvimento e a compreensão de todo o grupo e, especialmente para esse aluno, será um recurso muito favorável, estimulando suas outras sensações para a aprendizagem. É possível incrementá-lo ainda mais com cartazes de cenas de terror, máscaras, frases típicas do gênero etc. Peça que leve este conto para o AEE explorá-lo em libras. 4ª etapa  Coloque o aluno em um lugar em que possa ver todos de frente, posicione um colega ao seu lado para que possa esclarecer suas eventuais dúvidas. Explore bastante as expressões do corpo (fechar os olhos, franzir a testa, se arrepiar, arregalar os olhos etc.).  5ª etapa Prepare imagens, desenhos, fotos com símbolos ou cenas que representem alguns vocábulos principais dos contos de terror. Use com todos e individualmente com o deficiente auditivo como referência no momento das tiras, como apoio para a produção. Substantivos abstratos, adjetivos e advérbios, em geral, são de difícil compreensão para o aluno com deficiência auditiva. Peça apoio da escola para que encontre esse filme traduzido em libras. Se isso não for possível, encaminhe o longa para o aluno assistir às cenas antecipadamente junto ao AEE. 7ª etapa  Com base na pauta, peça que façam essa nova revisão com olhar de leitor.

Deficiências 

Auditiva

Créditos: Sandra Medrano Formação: Formadora do Centro de Educação e Documentação para Ação Comunitária (Cedac).

Compartilhe este conteúdo: