Escola Bauhaus - reflexões

POR:
professor

Objetivo(s) 

  • Apresentar o histórico e a proposta da Escola Bauhaus, pensando em sua inserção no contexto histórico e na História da Arte
  • Incentivar a reflexão sobre a arte no século 20 e 21, bem como a relação dialética entre a arte e a sociedade de consumo

Conteúdo(s) 

  • História da arte e do design
  • Relações entre arte e sociedade

 

 

Ano(s) 

3º, 5º

Tempo estimado 

5 aulas

Material necessário 

  • Cópias do conto "Apenas um Saxofone", de Lygia Fagundes Telles, disponível no livro "Antes do Baile Verde" (Companhia das Letras, 2001).
  • Cópias da reportagem "Design On-line" (VEJA 2368, 09 de abril de 2014)
  • Cópia do documentário "Bauhaus - a face do século XX"
  • Material para desenho: papel A4, lápis 6B e lápis de cor
  • Materiais para a construção de maquetes e pequenos móveis: papel cartão ou paraná, cola branca, tesoura, régua, fita adesiva, isopor, retalhos de tecidos, algodão, lantejoulas, miçangas, caixinhas de remédio e de presente, sucata, tinta ou papel colorido para encapar, tachinhas e/ou alfinetes, palito de sorvete, de churrasco e palito de dente, arame, fio de náilon e linha
  • Projetor para a exibição de imagens

Conteúdo relacionado

Este plano de aula está ligado à seguinte reportagem de VEJA:

Desenvolvimento 

1ª etapa 

Introdução

A Staatliches-Bauhaus foi a escola de design, artes plásticas e arquitetura mais influente do século 20, tendo sido inclusive a primeira escola de design no mundo. Criada na Alemanha em 25 de abril de 1919 e dirigida inicialmente por Walter Gropius, além de congregar professores, alunos e trabalhos importantes, propôs e discutiu alguns dos princípios que acabaram por se confundir com a própria definição da atividade de design. A noção da linguagem visual, das formas elementares e cores essenciais propostas pela escola podem ser sentidas até hoje na formação e na obra de inúmeros artistas, designers e arquitetos. Pensar o design de forma teoricamente autoconsciente foi uma as maiores contribuições da Bauhaus, na tentativa de incentivar as relações entre os artistas modernos, os artesãos qualificados e a indústria.

Peça aos alunos que observem a cadeira na qual estão sentados. Lance perguntas que auxiliem o percurso do olhar. Essa cadeira é confortável? Qual o material utilizado pra fazê-la? Em sua opinião, ela é feita por máquinas ou manualmente? Você tem ideia do custo de produção?

O que você acrescentaria nela para deixá-la melhor? E quanto aos custos dessas reformulações? São viáveis? Vocês passam algumas horas do dia sentados nessas cadeiras, há algo no formato, na cor e na textura que vocês consigam identificar nesse momento e que nunca tinham reparado antes? O que torna uma "cadeira" uma cadeira? Todas as cadeiras do mundo tem algo em comum?

O objetivo dessa etapa é fazer com que os alunos deem conta da importância do objeto utilitário que faz parte no cotidiano da escola, bem como da arte do trabalhador que projetou o móvel, que o construiu e o esculpiu. Como um objeto tão comum pode suscitar deleite estético? Instigue-os para que pensem também no custo que agrega valor ao móvel utilizado na escola como bem comum, forçando uma valorização do objeto que minimamente possa interromper comportamentos de vandalismo no móvel em questão (a exemplo, chicletes, arranhões, intervenções mal intencionadas, etc). Esse momento deve ser usado para introduzir tanto a relação do design com o consumo como a relação entre a Escola Bauhaus e a indústria.

Em seguida peça para que os alunos se reúnam em trios e leiam a reportagem "Design On-line", publicada pela revista Veja. Oriente-os a fazer a leitura da reportagem tendo em mente três questões que precisam ser respondidas:

  1. O que são móveis e objetos de design?
  2. Atualmente, todos podem comprar móveis com desenhos diferenciados?
  3. Em sua opinião, qual a importância de ter um móvel bem projetado?


Retome o agrupamento comum da sala. Peça para que os grupos socializem as respostas da análise do texto e proponha que eles projetem individualmente uma nova cadeira para a sala de aula, utilizando papel A4 e lápis 6B.

Para concluir, estimule o desenvolvimento do projeto reproduzindo algumas das observações citadas anteriormente pelos alunos. Como cada aluno gostaria de tornar essa cadeira melhor? Com qual formato de cadeira seria possível passar algumas horas sentados de maneira mais confortável? Peça que indiquem no projeto qual material seria utilizado na confecção da cadeira, a cor e textura, e, se possível, o custo de produção.

2ª etapa 

Exponha os projetos dos alunos no mural e projete imagens de obras criadas por designers e artistas da Staatliches-Bauhaus, priorizando as cadeiras e banquetas, a exemplo da famosa cadeira Presidente desenhada por Marcel Breuer e da cadeira Barcelona, criada pelo futuro líder da Bauhaus Ludwig Mies van der Rohe em parceria com Lily Reich.

Peça para que eles comparem seu projeto de cadeira com o desenho e forma das cadeiras dos artistas da Bauhaus, e intervenha questionando:

  1. Algum projeto criado em sala se assemelha a forma das cadeiras dos artistas da Bauhaus? E quanto a cor?
  2. Observe o formato das cadeiras dos artistas, o material utilizado na estrutura e no assento. Em que elas se aproximam do formato da cadeira escolar?
  3. É possível responder para quem o artista desenhou essa cadeira? Para qual público ela foi feita ou para qual ambiente?


Introduza, nesse momento, o conceito da Bauhaus, apresentando alguns dos seus principais artistas e projetando ou distribuindo cópias de algumas obras. Ao mostrar os exemplos, ressalte as características dessa escola de design.
 

 

3ª etapa 

Exiba o documentário "Bauhaus - a face do século XX", com cerca de 30 minutos de duração, disponível no Youtube. Depois da projeção, peça para que os alunos se reúnam em trios e respondam as seguintes questões:

  1. De onde veio a fascinação dos artistas da Bauhaus com as formas elementares?
  2. Que ideologias essas formas ajudaram a articular no contexto político-social que eles estavam inseridos?
  3. Que outros modelos visuais poderiam servir de base para os designers da atualidade? Que cores e formas, em sua opinião, podem influenciar os designers hoje em dia?


Os alunos devem registrar a resposta para essas questões nos seus respectivos cadernos. Os argumentos e respostas que forem levantados serão usados futuramente para uma outra atividade.
 

 

4ª etapa 

Reúna a sala em grupos de 4 integrantes. Entregue cópias do conto "Apenas um Saxofone", de Lygia Fagundes Telles, para cada aluno, e peça para que leiam e grifem pelo menos três partes do texto com descrições de móveis e objetos. Peça, em seguida, que cada grupo construa uma tabela indicando as descrições físicas dos móveis, e para cada descrição, o sentimento da personagem em relação a eles. Por exemplo:

Trecho: "(...) trouxe hoje para o sofá um pano que veio do Afeganistão, completamente divino! Di-vino!" 
Sentimento: Exaltação, euforia.

Trecho: "(...) um oratório falsamente antigo, tudo feito há três dias mas com furinhos na madeira imitando caruncho de três séculos". 
Sentimento: Indignação, suspeita.

Nessa atividade, o professor pode optar por utilizar outro texto à sua escolha. O objetivo dessa etapa é utilizar textos literários, contos e poesias nas quais os móveis tenham papel fundamental para o desenvolvimento da narrativa e influenciem os personagens. Essa é uma boa oportunidade de trabalhar o tema interdisciplinarmente com o apoio do professor de Literatura ou Língua Portuguesa.

A partir da leitura do conto e da construção da tabela, peça para que os alunos escolham individualmente, porém ainda dispostos em grupos, um móvel ou objeto de sua preferência. E que para esse móvel/objeto indiquem verbalmente:

  1. Quais sentimentos o móvel/objeto suscita no personagem do texto?
  2. Qual a forma e material do móvel descrito pelo autor?
  3. Quais sentimentos o móvel suscita em você? Porque o escolheu?


Feito isso, proponha para os alunos que desenhem, utilizando papel A4, lápis 6B e lápis de cor, qual a forma que eles imaginam que esse móvel tenha, indicando as cores e material. O objetivo dessa atividade é fazer com que eles estabeleçam uma relação entre sentimento, cor e forma. Por exemplo, se indiquei "exaltação", qual a melhor cor para a representação cromática desse sentimento?

Essa etapa aprofunda o conceito de projeto de design, que deve agregar apenas elementos que possuam um desígnio dentro da função do produto - indicação de material, tamanho, escala, custo, tecnologias, etc. Ao identificar a relação cromática com o sentimento, os alunos estarão reproduzindo a proposta do pintor Vasily Kandinsky na Bauhaus, que estabelece uma correspondência universal entre as três formas elementares, as três cores primárias e estados de espírito humano: o triângulo, dinâmico, seria inerentemente amarelo; o quadrado, estático, intrinsecamente vermelho; e o círculo, com sua seriedade, naturalmente azul.
 

5ª etapa 

Com os alunos dispostos nos grupos formados durante a análise do conto, entregue à turma material para que construam ambientes em maquetes com pequenos móveis, de tal forma que, quando observados, seja possível sentir o ambiente do conto, com cada móvel escolhido por cada integrante do grupo. Os alunos devem buscar, na montagem da maquete, dialogar com o texto literário e com o possível design do móvel, mantendo como preocupação o personagem que utiliza tal móvel, suas necessidades e interferências. Nesse momento, ressalte que eles devem relacionar as características e preocupações dos artistas da Bauhaus com a criação dos seus pequenos móveis nas maquetes, seja na escolha das formas, das cores, etc...

 

Avaliação 

Monte com os alunos um mural com os projetos de design em papel A4, uma exposição das maquetes e um portfólio com as respostas e anotações teóricas. Avalie a apropriação dos conceitos, a participação nos debates em grupo, a leitura das obras dos artistas da Bauhaus e, na produção final, o diálogo poético e estético realizado com o texto literário.    

Créditos: Suellen Barbosa Formação: Arte-educadora no Museu Afro-Brasil e mestranda no programa de Artes Visuais: Teoria, Ensino e Aprendizagem da Universidade de São Paulo (USP)

Compartilhe este conteúdo: