Comparando os Preços

POR:
professor

Objetivo(s) 

- Utilizar estratégias de cálculo aproximado baseadas em conhecimentos sobre o sistema de numeração e uso das propriedades das operações.
- Organizar dados e informações em tabelas de dupla entrada.

Conteúdo(s) 

- Aproximação (arredondamento).

Ano(s) 

3º, 4º, 5º

Tempo estimado 

Três aulas.

Material necessário 

Pesquisas em jornais, folhetos de propaganda  ou visitas aos supermercados,

Desenvolvimento 

1ª etapa 

Proponha que os alunos pesquisem o que é uma cesta básica. Peça que eles façam uma lista de quais produtos podem fazer parte de uma cesta para uma família de quatro pessoas: dois adultos e duas crianças em idade escolar. Nessa discussão, pode-se debater a escolha entre qualidade de produtos e preço mais baixo, quantidade de produtos e preferência familiar.

2ª etapa 

Organize a turma em duplas e peça que listem cinco itens que aparecem nos dois folhetos e façam parte da cesta básica.

Distribua uma tabela para cada dupla (veja o modelo abaixo) e instrua os alunos a usar os dados apresentados nos folhetos para preenchê-la, colocando os preços ao lado do nome de cada produto. Solicite que circulem com uma caneta colorida o menor preço de cada item. 

3ª etapa 

Proponha que a dupla calcule em qual supermercado é mais vantajoso comprar toda a lista de produtos. Enfatize que, nesse momento, não é necessário fazer um cálculo exato - basta saber um valor aproximado. A estimativa em cálculos aritméticos consiste na possibilidade de realizar aproximações. Como a estratégia busca rapidez, utilize números "redondos" para facilitar as operações.

4ª etapa 

Discuta com os alunos como eles fizeram para encontrar o total gasto nos dois  estabelecimentos. Estimule-os a descrever as estratégias com detalhes e faça perguntas para ajudar na elaboração dessas explicações. Registre-as em um cartaz para que, mais tarde, seja possível retomá-las. Lembre-se de que uma das variáveis dessa proposta é a forma de organização do registro.

5ª etapa 

Com as tabelas elaboradas na 2ª etapa em mãos, diga que as duplas confiram se as estimativas realizadas se aproximam com o valor exato em cada supermercado. Para isso, devem fazer cálculos utilizando uma calculadora. Diga que analisem em qual local despenderiam mais dinheiro, e se essa informação é a mesma da encontrada quando fizeram uma estimativa do gasto. Proponha uma conversa sobre quando é conveniente fazer um cálculo mentalmente e quando é melhor o cálculo exato. Isso exige eleger a estratégia mais conveniente levando em conta o cálculo e o problema a ser resolvido. Para isso precisam, por um lado, dominar diferentes formas de resolver cálculos e, por outro, refletir sobre qual deles é mais conveniente em cada caso.

Avaliação 

Proponha que os estudantes trabalhem com uma planilha já preenchida e analisem o cálculo realizado por uma dupla de crianças. Uma dupla encontrou os seguintes preços para alguns produtos da cesta básica pesquisada:    Em seguida, fez os seguintes cálculos:  E concluiu: tanto faz comprar esses produtos da cesta básica no supermercado A ou no B. Depois que todos os alunos tiverem analisado as tabelas de produtos e preços, pergunte para a turma: 1) Você concorda com o preenchimento das tabelas feito pelas crianças? Justifique. 2) Junto com seu par, procure entender o que essa dupla fez e avalie se os estudantes usaram um bom procedimento para resolver o problema. Observe se as duplas conferem o cálculo aproximado realizado no problema proposto fazendo cálculo exato e se concluem que há uma diferença significativa no valor total da compra. Analise como justificam sua resposta e se há avanços em relação às justificativas dos problemas propostos nas etapas iniciais. Outros problemas podem ser propostos e adaptados a esta sequência, utilizando folhetos de eletrodomésticos e móveis de grandes lojas.

Flexibilização 

Com o auxílio da família ou do AEE, prepare uma ficha com instruções claras a respeito de quais informações o aluno deve obter em suas pesquisas. Oriente também a maneira que o adulto deve colaborar. Em classe, explique as etapas do trabalho para o aluno com  deficiência visual e diga como será sua participação. Se na sua escola houver o tradutor em libras, oriente-o para que realize as explicações - acompanhe esse momento e colabore para esclarecer as possíveis dúvidas do aluno. Organize a dupla com um aluno colaborador e o oriente a auxiliar o colega em suas dúvidas. É importante sempre revezar a parceria para que tanto ele como os demais vivenciem diferentes experiências. Se não houver um tradutor, faça no quadro essa explicação utilizando exemplos. Observe se o aluno está bem posicionado, sentado de frente e com boa visibilidade. Explore bastante o registro no quadro para suas explicações, utilize exemplos e, se necessário, faça intervenções individuais - iniciando o exercício com a dupla, por exemplo.  

Deficiências 

Visual

Créditos: Ida Maria Fanchini Formação: Professora de Matemática da EMEB Donald Savazoni, em Franco da Rocha, na Grande São Paulo.

Compartilhe este conteúdo: