BAZAR NA SALA

POR:
professor

Objetivo(s) 

Reconhecer cédulas e moedas que circulam no Brasil e utilizá-las de acordo com seus valores.

Desenvolver  cálculos simples com cédulas e moedas. 

Explorar as idéias de compra e de venda. 

 

 

Conteúdo(s) 

Sistema Monetário Brasileiro.

Ano(s) 

Tempo estimado 

Dez aulas

Material necessário 

Objetos usados de diferentes tipos (como brinquedos, gibis e roupas), cédulas que imitem dinheiro de verdade, papel, canetas, lápis e etiquetas. 

Desenvolvimento 

1ª etapa 

Fazer um bilhete aos pais dos alunos informando os objetivos da atividade, e que os produtos trazidos à escola não serão devolvidos. Organizar uma roda de conversa e explicar  o que é um bazar - uma loja que vende objetos doados -  e propor que se reproduza esse espaço na sala de aula. Peça que tragam dois itens de casa que queiram compartilhar.

2ª etapa 

Orientar os alunos a separar os artigos em grupos: brinquedos, gibis, etc. Separá-los em grupos para decidir quanto cada produto vai custar. Nesse momento, observar e anotar as discussões e argumentos apresentados pelos alunos. Alguns alunos podem atribuir preços diferentes a produtos iguais. Se isso ocorrer, problematizar esta questão: "Produtos iguais costumam ter preços diferentes?". Pode ser que  respondam "sim" (  a resposta não está errada, quando se trata de lojas diferentes). Então, perguntar: "E na mesma loja, produtos iguais podem ter preços diferentes?".  Em seguida, escrever os valores em etiquetas e pedi  aos alunos que coloquem nas peças. Os valores definidos favorecer boas problematizações, alguns valores exatos e outros , que fiquem com valores "quebrados".  

3ª etapa 

Momento de fazer a atividade de compra e venda. Primeira proposta: Orientar sobre a organização da sala: as mesas podem ser colocadas lado a lado e fazendo corredores como em uma loja de setores, sobre elas, distribuir os artigos. A professora é o caixa e deve oportunizar todos os momentos de cálculos. Segunda proposta: A sala organizada em balcões e os vendedores ficam atrás e os compradores, em frente, para que possam escolher o que querem comprar. Dividir os alunos em dois grupos: em um primeiro momento, coloque como vendedores os alunos que utilizam estratégias de cálculo mais elaboradas para que interajam com os compradores e realizem conjuntamente alguns cálculos. Para os vendedores ou o caixa, entregue notas e moedas para que possam fazer o troco nas negociações, e para os compradores irão receber os valores das suas pontuações no JOGO Racha Cuca, variando a combinação de cédulas e moedas de 1 real, 2 reais, 5 reais, 10 reais e 20 reais. Os objetos "comprados" serão levados para casa. Oferecer papel e lápis para o caso de algum aluno necessitar. Observar e anotas as estratégias usadas por todos.

Avaliação 

Analisar as anotações e, com base em algumas situações observadas, planejar outras atividades "fictícias" para que todos os alunos possam pensar sobre os cálculos que representam desafio na atividade. Observar se os alunos se apoiaram no cálculo dos números redondos para resolverem cálculos com valores quebrados.  

Flexibilização 

A cada etapa, fazer uma explicação antecipada para que o aluno com deficiência tenha mais segurança e autonomia para participar da atividade com descontração. Fazer a mediação individual e dê tarefas mais específicas, que estimulem sua concentração para o raciocínio matemático. Valorizar suas hipóteses e procure estimular avanços. É importante conversar com os alunos sobre os diferentes conhecimentos que cada um pode ter quanto ao uso e cálculos com o dinheiro e argumentar que isso pode depender da vivência social de cada um. Enfatizar que essa proposta amplia o conhecimento e que todos podem colaborar com a aprendizagem dos outros colegas, respeitando as diferentes estratégias.

Deficiências 

Intelectual

Créditos: Priscila Monteiro Formação: Selecionadora do Prêmio Victor Civita Educador Nota 10.

Compartilhe este conteúdo: