Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Blog

Blog Tecnologia na Educação

Confira as melhores ferramentas e as novidades sobre o uso das TIC na sala de aula no blog

12 de Maio de 2017 Imprimir
5 4 3 2 1

Não temos um computador para cada aluno. E agora?

Por: Débora Garofalo
Alunos da professora Debora Garofalo durante aula no laboratório de informática. 

Olá, professores

Hoje quero dividir com vocês minha experiência com o ensino híbrido. Por um tempo, fui resistente a utilizar esta maneira de ensino por ter a ideia equivocada de que para trabalhar com o ensino hibrido era necessário que cada aluno possuísse um computador com acesso à Internet.

Para minha sorte, em uma formação, tive a oportunidade de desmitificar a minha ideia inicial e constatei o potencial do ensino hibrido e as diversas maneiras como ele pode ser trabalhado. Uma delas é a combinação entre o ensino online com o off-line.

No modelo online, o aluno tem autonomia para gerenciar seus estudos, respeitando o seu tempo. Ele pode explorar os diversos espaços da escola utilizando materiais didáticos como livros, revistas e também meios tecnológicos como os próprios celulares, tablets e ou computadores da escola com acesso à Internet. Já o modelo offline é caracterizado pelo estudo em grupos, mediado pelo professor, podendo ser ofertado na sala de aula e em outros espaços da unidade escolar.

A ideia é que ambas as aprendizagens se conectem. E atenção: o ensino híbrido pode ser trabalhado com todas as áreas do conhecimento.

Crédito: Jacqueline Hamine

Dentro deste processo o professor escolherá um modelo de rotação, que consiste em um ambiente, dentro ou fora da sala de aula, onde podem ser mescladas diversas estações de atividades, sendo possível trabalhar o online com offline. As rotações por estações ocorrem com o tempo pré-estabelecido para que os alunos possam mudar de estação, sempre focando em um objetivo comum. Fica a critério do professor formular quantas estações deseja para aquela aula e o tempo que os alunos permanecerão nas estações. Costumo realizar de duas a três rotações de trabalho no mesmo ambiente.

Em uma das aulas de informática, trabalhamos animações e curtas metragens por proporcionar uma aprendizagem autoral e envolvente. Os alunos do 7ª ano resolveram criar uma animação para resgatar a cultura indígena. Para realização deste trabalho, utilizamos o ensino hibrido conectando o online e o offline e as rotações separadas em três estações.

Um grupo de alunos ficou responsável por buscar na internet informações sobre a cultura indígena e produzir coletivamente o enredo para a animação. Outro, utilizou massinha de modelar para montar os personagens e o cenário, montar o stop motion (animação quadro a quadro) através de fotografias. Para cada atividade foi estabelecido o tempo de 14 minutos em cada estação. Após este tempo, houve a troca de estação e, ao final, conversamos sobre a atividade.

O meu papel foi acompanhar as atividades, orientar os alunos e definir objetivos claros para facilitar o aprendizado pelas estações.

Há também o modelo rotacional, em que a rotação é individual e não é necessário passar por todas as estações. 

Confira aqui 9 dicas importantes para aplicação dos modelos de ensino hibrido.

  • A avaliação diagnóstica é uma importante ferramenta para planejar o ensino hibrido. Ela permiti definir estratégias de organização dos alunos e do(s) espaço(s) em sala de aula da melhor forma;
  • Planeje a aula considerando o tempo para a realização das atividades e também se os alunos estarão em grupos ou não, e se as atividades serão online e/ou offline e como você poderá mediar às estações e as dinâmicas propostas para a aula;
  • Realize parcerias e trocas com outros professores para explorar outras áreas do conhecimento e outros ambientes da escola. Através das parcerias é possível que um professor fique com um grupo de alunos realizando uma atividade online e o outro grupo permaneça com o outro professor com uma atividade off-line, com o tempo pré-estabelecido para trocas.
  • Seja claro e objetivo ao expor aos alunos a tarefa que devem realizar. Registre a explicação da atividade em folhas, em um cartaz, na lousa ou até a mesmo espalhada pelo espaço em forma de pistas.
  • Mantenha o diálogo e converse com os alunos sobre colaboração e cooperação.
  • Os modelos de rotações por estações tem de ser independentes, com começo, meio e fim. Isso permite que os alunos passem pelas estações no período pré-estabelecido, e não dependam da estação anterior para realizar a atividade proposta. O professor pode formular quantas estações desejar, considerando que o tempo seja suficiente para os alunos realizarem as atividades.
  • Construa as rotações por estações explorando o potencial das competências e habilidades como: leitura, escrita e o raciocino lógico.
  • Realize uma avaliação com os estudantes, no caso costumo trabalhar as rubricas, onde os critérios são estabelecidos com eles, permitindo uma autoavaliação.
Crédito: Jacqueline Hamine

Conheça também a sala de aula invertida, que visa um estudo antecipado do conteúdo. Com ela, a turma pode realizar uma leitura ou assistir a um vídeo fora do ambiente escolar. Assim as aulas podem ser utilizadas para realização de atividades. Conheça um pouco mais sobre essa modalidade de ensino aqui.  

E você, já usou o ensino hibrido? Como foi sua experiência? Compartilhe conosco! Se não usou, deixe aqui suas sugestões, dúvidas e comentários.

Um abraço carinhoso e até o próximo post,
Débora Garofalo

Tenha acesso a conteúdos e serviços exclusivos
Cadastre-se agora gratuitamente
Cadastrar