Ir para o conteúdo Pular para o menú principal
ANÚNCIO
Você sabia que é possível salvar matérias para ler mais tarde? Use o botão icone ler mais tarde Ler mais tarde
icone menu

Como os conflitos entre indígenas e ruralistas afetam a Educação

A frágil estrutura das escolas indígenas está cada vez mais comprometida

por:
Paula Peres
Paula Peres
Escola indígena em São João Missões (Marcelo Sant'Anna / Imprensa MG)

Índios da etnia Gamela ficaram feridos em confronto com fazendeiros por causa de terras que nunca foram demarcadas. De acordo com a Fundação Nacional do Índio (Funai), por falta de verba e de pessoal. Foi em Viana, a 108 km ao sul de São Luís, em 30 de abril. Quatro dias antes, em Brasília, mais de 3 mil indígenas foram reprimidos pela polícia na frente do Palácio do Planalto. Eles estavam na capital por causa do Acampamento Terra Livre, evento anual de protesto contra o Projeto de Emenda Constitucional (PEC) 215.

Os dois fatos mostram um momento de pressão crescente sobre os povos nativos. A Funai teve seu presidente, Antônio Costa, exonerado na última sexta (5). O ex-presidente afirmou que sua demissão foi uma represália por não concordar com indicações partidárias na fundação. Uma crise institucional que ocorre justamente durante a tramitação da PEC 215, que transfere para o poder Legislativo as competências de demarcação de terras indígenas - tarefa até então do poder Executivo. O temor é que deputados ligados ao agronegócio não se preocupem com o interesse dos índios.

Dependendo do rumo que as discussões da Funai e da PEC 215 tomarem, as comunidades indígenas serão diretamente afetadas, o que acabará atingindo as escolas locais. Especialistas que participaram do Seminário sobre Educação e Sustentabilidade Indígenas realizado na última quinta-feira (4) em São Paulo, foram unânimes em afirmar que não dá para falar de cultura e Educação sem falar de espaço, de terra. “Fazer um projeto político-pedagógico de uma escola indígena necessita o envolvimento da comunidade, do povo. E isso está diretamente ligado com a territorialidade, a importância que o território tem para a sua cultura e os valores que eles querem passar para as próximas gerações”, disse o procurador da República Carlos Humberto Prola Júnior.

Manifestação de indígenas em Brasília (Fotos Públicas)

Em condições normais, as etnias já sofrem questões de adaptação das escolas nas aldeias: falta de material adequado, ausência de bilinguismo ou domínio da língua portuguesa, falta de alimentos de acordo com seus hábitos alimentares nas merendas, inserção de alimentos industrializados sem o consentimento da comunidade e incompreensão de particularidades culturais. Tudo isso que é assegurado pela legislação e deveria funcionar adequadamente, mas nem sempre é assim.

Nesse contexto de tensões e retrocessos, as escolas indígenas correm o risco de ficarem ainda mais de lado. “A Funai é nossa intermediária com o governo e o Ministério da Educação. Com o órgão fragilizado, como nós vamos reivindicar materiais didáticos adequados, transporte, professores indígenas com formação? Não teremos mais voz”, reclama Dilson Ingaricó, secretário de Estado do Índio em Roraima.

ANÚNCIO
LEIA MAIS