Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Notícias
12 de Abril de 2017 Imprimir
5 4 3 2 1

Malala: "Se quisermos um futuro desenvolvido, precisamos investir na Educação para as garotas"

Nomeada Mensageira da Paz na ONU, paquistanesa de 19 anos fala sobre o impacto da Educação na vida de milhões de meninas e da sociedade como um todo

Por:

(De ONU News)

Malala Yousafzai (Divulgação)

Malala Yousafzai acaba de se tornar a mais jovem Mensageira da Paz da ONU. Nomeada pelo secretário-geral António Guterres, a paquistanesa de 19 anos e ganhadora do Prêmio Nobel da Paz de 2014 terá a função de chamar a atenção do mundo para um problema que afeta milhões de meninas: a falta de acesso à Educação. Segundo a Unesco, 16 milhões de garotas nunca terão a chance de frequentar a sala de aula.

Guterres vê Malala como "um símbolo da Educação para todos, uma inspiração global e campeã da Educação para meninas". Após a nomeação, ocorrida na última segunda-feira em Nova York, Malala concedeu entrevista à ONU News. Veja a conversa na íntegra:

ONU News: Mensageira da Paz da ONU é um título que impressiona. Como você se vê neste papel?

Malala Yousafzai: Estou honrada com a nomeação e, para mim, significa mais responsabilidade com algo que eu já tinha, a de defender a Educação para meninas, aumentar a conscientização sobre o tema e pedir aos líderes mundiais para investirem mais em Educação. E vou continuar fazendo isso, mas, como Mensageira da Paz da ONU, terei ainda mais força e vou me manter mais forte, além de ter uma plataforma maior para espalhar minha mensagem.

ON: Qual foi a maior lição que você aprendeu nesses anos sendo uma referência em Educação para meninas?

MY: Tenho lutado pela Educação das meninas desde que eu tinha 10 ou 11 anos, quando o terrorismo começou no Vale do Swat, no Paquistão, e as garotas não podiam ir para a escola. Aprendi muito em quase 20 anos de vida, vendo o terrorismo, o extremismo, por ter sofrido um atentado aos 15 anos e agora em um palco global lutando pelo direito das meninas à Educação. O que aprendi foi que a geração futura precisa de Educação, de Educação de qualidade. Se quisermos ver um futuro brilhante e desenvolvido, se quisermos ter uma vida melhor, precisamos investir na Educação para as garotas. Isso é crucial. Não podemos ignorar. Às vezes eu penso: por que será que os líderes mundiais ignoraram o problema por tanto tempo? O que aprendi com minha própria experiência em 19 anos eles ainda não aprenderam em 50, 60 anos ou mais. Então essa é a minha mensagem: garantir que eles percebam que o investimento em Educação pode mudar o mundo.

ON: Seu pai esteve com você na cerimônia de nomeação e foi fundamental para que você frequentasse a escola. O que homens e meninos podem fazer para garantir que meninas e mulheres tenham acesso à Educação?

MY: Eu comecei falando sobre o assunto, mas não poderia ter continuado sem o meu pai, sem os meus pais. Haviam tantas outras garotas que queriam se pronunciar sobre a questão, mas seus pais, seus irmãos não permitiam. Então o papel dos homens é crucial, porque se os homens impedirem as mulheres de falarem, elas não conseguem ir para a frente. É importante que os homens permitam às mulheres seguir seus sonhos e conquistá-los. Como meu pai disse, você não precisa fazer algo extra pelas mulheres – apenas não corte suas asas, deixe-as voar. Deixe-as avançar. Os homens precisam ser feministas orgulhosos, defender as mulheres, e quando você empodera as mulheres, você as ajuda e empodera toda a sociedade. Existem benefícios econômicos, sociais… os benefícios são incontáveis.

Os homens não precisam fazer algo extra pelas mulheres – apenas não cortem suas asas, as deixem voar, avançar

ON: Todos sabem da sua história e acho que as pessoas pensam que realmente te conhecem. Mas como você mencionou, você só tem 19 anos. Qual seria uma das ideias erradas que as pessoas têm de você?

MY: Muitas vezes, as pessoas pensam que eu sou super alta, mas na verdade eu sou muito, muito baixa e pequena. Eu tenho mais ou menos 1,53 metro e daí eu uso salto para ficar mais alta, mesmo assim não resolve. Eu sou muito baixa. E a segunda coisa é que as pessoas acham, não sei, que eu sou muito boa nos estudos, mas elas não sabem que eu também tenho momentos difíceis na escola. Eu tenho provas e às vezes eu tiro notas C ou D. Eu também tenho de estudar muito para entrar na faculdade. Eu não estou livre de testes de admissão. Eu tenho que fazer essas provas. Tenho que conseguir três As nos meus exames finais para conseguir entrar na universidade. Então eu passo pelas mesmas coisas que todos os estudantes. Eu sou normal. Prêmio Nobel da Paz e Mensageira da Paz da ONU não te ajudam muito! (risos)

ON: Você mencionou que precisa estudar como todo mundo. Quais são seus próximos passos em relação a sua própria Educação?

MY: Em nível universitário, eu quero estudar Filosofia, Política e Economia. Já me candidatei para algumas universidades, mas tudo depende das minhas notas finais, que saem em agosto. Estou trabalhando duro para isso. Depois, não sei que tipo de carreira eu quero ter. Uma coisa que eu tenho certeza é de que meu foco continuará sendo o direito das meninas à Educação. Por meio do Fundo Malala, vou continuar inspirando e incentivando mais garotas a falarem sobre o assunto, tentando ampliar as vozes dessas jovens.

ON: Malala, falando sobre inspirar pessoas: você vai viajar o mundo como Mensageira da Paz da ONU. Como você pretende inspirar jovens, especialmente aqueles que, pela região onde vivem, sentem que não há esperança, que não existe razão para ir à escola?

MY: Como tenho feito no último ano, visitei vários países como Líbano e Jordânia. Conheci meninas sírias refugiadas; conversei com garotas na Nigéria. E vou continuar fazendo isso nesse cargo de Mensageira da Paz. Estarei em países diferentes conhecendo meninas maravilhosas e inspiradoras. Vou fazer questão de dizer que a voz delas é importante, que isso pode mudar o mundo. Eu comecei falando no Vale do Swat e agora vocês podem ver que a voz de uma criança é mais poderosa do que as armas dos terroristas. É isso que elas precisam entender, todas as crianças, que sua opinião é importante para o mundo. E você não precisa esperar crescer, você pode contribuir agora com a mudança.

ON: Alguma mensagem final?

MY: Acredite em si mesmo. Mantenha-se confiante, com esperança em relação ao futuro. Coisas ruins vão acontecer, mas, se estivermos unidos, seremos mais fortes, podemos fazer o mundo melhor e contribuir para a mudança. Então vamos nos manter positivos e com esperança.

Entrevista concedida à Dianne Penn. Tradução: Leda Letra.

Tenha acesso a conteúdos e serviços exclusivos
Cadastre-se agora gratuitamente
Cadastrar