Ir para o conteúdo Pular para o menú principal
ANÚNCIO
Você sabia que é possível salvar matérias para ler mais tarde? Use o botão icone ler mais tarde Ler mais tarde
icone menu

Professores de “pelo menos 15 estados” continuam em greve, segundo CNTE

Paralisação que teve início na última quarta-feira, 15, pede fim de Reforma da Previdência e cumprimento da Lei do Piso Salarial Docente

por:
Anna Rachel Ferrreira
Anna Rachel Ferreira

A última quarta (15) foi marcada por greves de diversas categorias no Brasil. Mas, para os professores, a mobilização contra a proposta de reforma da previdência, em tramitação na Câmara, e pelo cumprimento do piso salarial continua. Segundo Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), “ao menos 15 estados” permanecem paralisados.

Alagoas, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia e Sergipe decidiram manter a greve por tempo indeterminado. Na Bahia, a intenção é encerrar a paralisação em 24 de março. No Mato Grosso, os docentes se reunirão no próximo dia 20 para decidir o futuro do movimento. E em São Paulo, a categoria voltou ao trabalho, mas retomará a mobilização em 28, 29 e 30 de março. Não foi possível confirmar o status dos demais estados e ainda não há informações tabuladas sobre as redes municipais.

Cada associação e sindicato tem sua própria agenda de pautas e de atividades que envolvem assembleias, distribuição de panfletos e protestos na rua. Todos também têm autonomia para decidir por quanto tempo permanecerão parados.

A CNTE informa que 96% das associações estaduais e municipais filiadas aderiram ao primeiro dia de paralisação e às manifestações. Os leitores de NOVA ESCOLA enviaram imagens de alguns dos atos realizados na última quarta-feira, que podem ser vistas na galeria da reportagem Professores de todo o país protestam contra a reforma da previdência.

ANÚNCIO
LEIA MAIS