Apresentado por:
Dove Projeto pela autoestima

Eu, confiante: workshop para desenvolver a autoconfiança corporal

POR:

 

Objetivos

  • Entender o conceito de ideais de aparência e de onde vem a pressão para alcançá-los.
  • Aprender a interpretar as mídias, entendendo como as imagens e as mensagens – desde as propagandas até o cinema e as mídias sociais – são frequentemente manipulações.
  • Desenvolver autoconfiança corporal e estratégias para resistir a pressões sobre aparência, evitar se comparar, confrontar ideias de aparência.

Conteúdo

Educação para autoestima.

 

Disciplinas

  • Ciências (Formação social e pessoal; Cuidar de si; Corpo humano e saúde; Identidade e autonomia; e Saúde).
  • Educação Física (Conhecimento de mundo; e Conhecimento sobre o corpo).

 

Anos

6º, 7º, 8º e 9º

Tempo estimado

Uma aula de 45 minutos, dividida da seguinte maneira para explorar quatro etapas:

  • 10 minutos –  Apresentação de pressões sobre a aparência.
  • 20 minutos – Mídia profissional.
  • 10 minutos – Redes sociais.
  • 5 minutos – Compromisso pessoal.

 

Material necessário

  • Slides de apresentação do workshop.
  • Três folhas de atividade (uma de cada aluno).
  • Fichas de discussão (uma página com seis fichas compartilhadas entre seis grupos pequenos).
  • Cartões de definição (item opcional –uma página compartilhada entre quatro grupos pequenos).
  • Filmes:
    • Dove Evolution, que mostra a transformação da aparência de uma modelo, desde sua imagem natural até a imagem final, a ser usada na propaganda.
    • Dove: Mudar Muita Coisa, que revela aos alunos que o desejo de mudar alguma coisa, como nossa aparência pessoal, é normal e vivenciado pela maioria das pessoas. Ele encoraja a turma a questionar o porquê de tantas pessoas quererem mudar alguma coisa em sua aparência física.Projetor ou televisão
  • Quadro branco.
  • Canetas (uma para cada aluno).
  • Propagandas publicitárias impressas. Selecione anúncios com os quais meninos e meninas vão se identificar. É preciso ter dois exemplos: uma propaganda com uma celebridade que promove um produto para a faixa etária dos estudantes e outro que anuncia produtos diferentes. Para fazer a pesquisa na internet, acesse sites de busca e digite: “propaganda” e o nome da celebridade. Por exemplo: “propaganda” “One Direction”.
  • Folhas de papel extra, flipchart e pincéis (itens opcionais).

 

Desenvolvimento

1ª Etapa

Apresentação de pressões sobre a aparência – 10 minutos

Dê boas-vindas aos alunos do workshop Eu, confiante. Explique as regras básicas para que um ambiente de apoio e sem julgamentos seja criado. Leia em voz alta as regras apresentadas no Guia do Workshop e confira se elas são estimulantes para a turma. Se necessário, ajuste-as às necessidades da classe. Você pode ampliar essa etapa propondo um exercício rápido. Peça para os alunos ficarem de olhos fechados e mãos levantadas e pergunte: “Você entende o que significa autoconfiança corporal?” e “Você sabe como melhorar sua autoconfiança corporal?” Quanto mais alto eles mantiverem a mão, mais autoconfiantes se sentem.

Apresente o vídeo O Que São Pressões sobre a Aparência?, no slide com o mesmo título, que mostra os diferentes padrões de aparência para homens e mulheres ao longo do tempo. O objetivo é que os alunos compreendam que os conceitos “bonito”, “charmoso” e “atraente” estão sempre mudando e variam de acordo com a época, o país e a cultura. Também é esperado que eles percebam que até hoje sentimos pressão para atender a esses ideais de aparência. Pergunte para a turma: “O que vocês acham que essa animação apresenta?”. É esperado que os alunos respondam que ela mostra pessoas em diferentes momentos da história. Lidere os estudantes em um jogo rápido de localizar a diferença. Pergunte: “Olhando as imagens, que diferença vocês notam entre elas?”. É esperado que mencionem contrastes entre elas, por exemplo: cinturas finas e corpos com curvas, tatuagens, roupas formais e camisas casuais. Incentive os alunos a fazer comentários bem específicos sobre como essas imagens diferem. Explique, então, que todas essas imagens representam ideias de aparência: o que foi considerado bonito, charmoso e atraente em diferentes momentos do passado e aponte para a turma partes específicas das imagens para chamar a atenção da garotada sobre as diferenças entre elas. Questione a classe mais uma vez: “Se todas as imagens representam ideias de aparência, porque vocês acham que elas não são todas iguais?”. É esperado que a turma fale que os ideais de aparência são realmente diferentes e estão sempre mudando ao longo do tempo, em todos os países e as culturas –eles nunca permanecem os mesmos. Pergunte também se os estudantes acham que ainda sofremos pressão para ter uma determinada aparência hoje em dia. Provavelmente, eles vão dizer que sim.  

Apresente o slide De onde vem a pressão e coloque em cena mais uma discussão. Será que o alunos entendem que as pressões para sermos bonitos e atraentes nos cercam por todos os lados e vêm de várias fontes, que incluem a sociedade, a família, os amigos e os colegas? Peça que voluntários respondam: “De onde você acha que vêm essas pressões para ter uma aparência bonita e atraente?” e “Onde você vê ou ouve mensagens sobre como deve ser nossa aparência?”. É esperado que os voluntários citem a sociedade, a mídia, a família, os amigos e os colegas. É importante que eles compreendam que ideais de aparência são a maneira como nossa cultura nos diz ser a aparência ideal em certo momento na história. E que pressões sobre aparência são as que sentimos para ter uma aparência ideal e ser bonita, charmosa e atraente.

Apresente o slide O que você quer dizer com “mídia”? A ideia dessa parte do workshop é que os alunos discutam o que você quer dizer com mídia, listem diferentes tipos de mídia e organizem-na em categorias: profissional e sociais. Crie uma cadeia de respostas: faça com que cada aluno dê um exemplo de mídia por vez, trabalhado em sala sem repetições. Circule pela sala enquanto a turma fala. Pergunte: “Que tipo de mídia vem à sua mente?” e anote no quadro as ideias. É desejável que a classe cite quaisquer tipos de mídia, como filmes, programas de TV, anúncios, determinados sites de mídias sociais, revistas etc. Depois, questione quais mídias são feitas por profissionais (como programas de TV, clipes de música, anúncios e jogos de computador) e quais são feitas por amigos e pelos próprios estudantes (fotos, vídeos, comentários, selfies, escrita). Nessa parte do trabalho, é importante relembrar os alunos para que pensem em mídia considerando palavras, fotos e filmes e  a ampla gama midiática existente. Note que mídia profissional engloba imagens, mensagens e filmes produzidos por empresas ou pelo comércio que são comunicados por canais de TV, revistas, propagandas, filmes e clipes de música e que mídias sociais são imagens, mensagens e filmes produzidos pelos alunos e seus amigos, incluindo sites de redes sociais. Para finalizar essa etapa, apresente o slide O que estamos aprendendo hoje?. Você deve explicar para a turma o que será aprendido com o trabalho -– a ideia é que os alunos compreendam que o workshop se concentrará na mídia como fonte de pressões sobre a aparência.

 

2ª Etapa 

Mídia profissional – 20 minutos  

Apresente o slide Como as imagens podem ser manipuladas?. Por meio do trabalho a ser realizado com ele, os alunos vão articular maneiras pelas quais as imagens podem ser manipuladas na mídia profissional por meio de técnicas de retoque de imagem, penteados e produções. Explique à turma que o trabalho desta etapa consiste em começar explorar como imagens e mensagens na mídia profissional podem ser fontes de pressão sobre as aparências. Pergunte: “O que você acha que a palavra manipulação significa?”. É esperado que os estudantes digam que tem a ver com editar ou mudar algo, como a aparência de alguém, nos meios de comunicação. Em seguida, questione: “Como a imagem das pessoas são manipuladas ou alteradas na mídia?”. Os estudantes podem citar respostas como retoques de imagem, iluminação, maquiagem e a escolha das melhores fotos entre as centenas tiradas. Depois, organize os alunos em pequenos grupos e reproduza o filme Dove: Evolution. Enquanto o filme estiver sendo exibido, distribua uma das seis fichas de discussão para cada grupo, colocando-a virada para baixo sobre a mesa. Quando o filme terminar, peça que os alunos virem a ficha e respondam a pergunta. Reproduza o filme novamente e depois instrua os estudantes a discutir a pergunta proposta na ficha. Aborde o ponto de discussão de cada grupo, em ordem. Você também pode reproduzir o filme pela segunda vez em duas partes, pausando quando as fotos são tiradas. Vale ressaltar que, ao reproduzir o filme, pode ocorrer um crescimento imediato na autoconfiança corporal dos alunos.

Agora, apresente o slide seguinte, que tem o mesmo título do anterior – Como as imagens podem ser manipuladas? A ideia é que os alunos reconheçam ou listem diferentes formas como a imagem foi manipulada no filme. Eles podem explicar o motivo de ser injusto ou irreal se comparar ou comparar outras pessoas a imagens manipuladas apresentadas pela mídia.

Questione os estudantes: “O que você acha surpreendente, irreal ou desagradável com relação ao que viu no filme?”. É desejável que os alunos se mostrem surpresos com tanta coisa alterada e em relação ao fato de a modelo estar diferente no início do filme, antes de começar o penteado e a maquiagem, comparada à foto do outdoor. Depois, solicite que a turma liste todas as decisões que foram tomadas a respeito da imagem antes das fotos serem tiradas. É esperado que os estudantes citem que o fotógrafo foi escolhido, a modelo foi cuidadosamente selecionada, o cabelo dela foi arrumado, ela foi maquiada e foi utilizada iluminação profissional. Em seguida, peça que a classe liste todas as decisões tomadas a respeito da imagem depois que as fotos foram tiradas. É esperado que os alunos digam que apenas uma imagem foi escolhida, as manchas e marcas foram apagadas, o tom da pele foi alterado, o pescoço foi alongado, o cabelo ganhou mais volume, as sobrancelhas foram levantadas, os olhos aumentados e os dentes clareados. Em relação a essas duas questões, é importante pedir que os alunos deem respostas específicas sobre como as mudanças são feitas nas várias técnicas identificadas. Oriente a turma para pensar em quanto a imagem da modelo foi alterada em reação à realidade e pergunte: “Ver essas mudanças, com resultado fora da realidade, faz vocês se sentirem como?”. É esperado que os alunos se mostrem surpresos e indignados por pensarem que foram enganados e iludidos. Com base nisso, siga perguntando: “Por que vocês acham que as imagens irreais que estão no filme são injustas e enganosas?”. Com essa questão, o objetivo é que a classe explique que não é mostrada a verdade às pessoas sobre como as imagens realmente são antes da manipulação e isso pode fazê-las acreditar que o que a mídia mostra é verdadeiro, mas não é. Para encerrar a discussão com base no slide, provoque a turma a falar, perguntando: “Por que você acha que é irreal ou injusto comparar sua imagem ou de suas amigas com imagens manipuladas de pessoas que aparecem na mídia profissional?”. É desejável que os alunos respondam que as pessoas comuns não são modelos e não têm maquiadores, cabeleireiros e editores de imagem profissionais para fazerem com que elas tenham uma aparência perfeita. Portanto, é o mesmo que comparar coisas em níveis ou campos totalmente diferentes, o que não é justo. Antes de apresentar essa questão, porém, se você ainda não tiver repetido o filme, talvez queira fazê-lo nesse momento. Lembre-se de que as fichas de discussão são um bom material para diversificar o trabalho. Para usá-las, recorte e distribua-as para os grupos, sempre viradas com a parte escrita para baixo. O nível de dificuldade das perguntas aumenta conforme a ordem crescente dos números. Oriente os alunos a virar as fichas assim que o filme terminar. É interessante pedir que cada grupo dê ao menos três respostas para a pergunta recebida.

Agora, os alunos vão articular maneiras pelas quais as imagens podem ser manipuladas na mídia profissional por meio de retoques de imagem, penteados e produção. Apresente o terceiro slide com o mesmo título dos dois anteriores – Como as imagens podem ser manipuladas? – e use esse material para resumir os pontos que os alunos discutiram e compartilhe também os pontos que eles não levantaram. Lance a seguinte questão para a turma: “O que você diria a uma amiga para convencê-la de que ela não deve se comparar às imagens manipuladas pela mídia?”. É esperado que a garotada explique que diria à amiga que as imagens da mídia não são reais, foram cuidadosamente criadas e retocadas e que por isso não é justo se comparar a elas. Os estudantes podem ainda explicar que diriam à amiga para buscar na internet informações sobre quanto de edição é feito pela mídia, olhar pessoas reais para ver como todos somos diferentes uns dos outros e incentivá-la a celebrar o que nos torna únicos. Termine a conversa com um voto da classe, em que os estudantes devem demonstrar o compromisso que têm com a maneira que reagem a imagens que veem na mídia profissional. Fale: “Então, o que queremos fazer com isso que acabamos de aprender? Levante sua mão se você se compromete a mudar o modo com que reage às imagens que vê na mídia profissional”. Fazer o voto permite aos alunos demonstrar o compromisso pessoal com a mudança na maneira que consomem a mídia (por exemplo, não se comparar às imagens da mídia) e um compromisso pessoal como esse ajuda os alunos a mudar seus pensamentos e comportamentos.

Passe para o slide seguinte do workshop – Por que a mídia profissional é tantas vezes criada dessa forma? O objetivo é que a turma reconheça que as imagens na mídia profissional (especificamente as propagandas) refletem ideias de aparência do momento para promover serviços e produtos. Diga aos alunos que, como vocês já exploraram como as imagens na mídia profissional são muitas vezes manipuladas, você agora vai considerar as mensagens que muitas vezes acompanham essas imagens. Mostre os anúncios que você selecionou para a classe. Guie os alunos rapidamente pelas perguntas-chave para cada exemplo de propaganda, incentivando uma resposta de toda a classe:

  • “O que está sendo vendido neste comercial?”. As respostas para essa questão dependem do anúncio selecionado.
  • “Quem eles estão usando para vender?”. As respostas para essa questão dependem do anúncio selecionado.
  • “Por que eles estão usando uma pessoa que tem essa aparência?”. É esperado que os alunos digam que eles são atraentes e de aparência cativante, além de populares entre as pessoas que gostariam de ter o produto.
  • “Por que eles manipulariam uma fotografia dessa pessoa para torná-la ideal para o anúncio em questão?”. Se o anúncio for de um produto, é esperado que a garotada diga que o objetivo é fazer parecer que o produto funciona da forma como o anúncio promete (por exemplo, creme para dar brilho ao cabelo e creme para espinhas) ou para vender o look como parte de um estilo de vida ideal que o item pode ajudar as pessoas alcançar.
  • “Qual é a mensagem geral deste anúncio?”. É desejável que os estudantes respondam que a mensagem geral do anúncio é “se você comprar o produto, vai se parecer mais com o look ideal que essa pessoa tem ou vai alcançar o mesmo estilo de vida dela.

Para trabalhar com essas questões, tente responder a todas as perguntas em relação a, pelo menos, duas propagandas, e assim permitir que a turma tenha tempo para refletir sobre o modo como as propagandas são concebidas. É fundamental que você ajude a classe a entender que a propaganda é concebida para incentivar as pessoas a se comparar com as pessoas apresentadas no anúncio. Os anúncios muitas vezes dão a entender que, ao comprar aquele produto ou serviço, as pessoas podem chegar mais perto da aparência ideal ou do estilo de vida que é promovido, embora isso seja irreal e injusto, considerando a manipulação frequente de imagens.

Siga em frente e exiba o slide Que problemas isso pode causar?. A ideia é que os alunos reconheçam que frequentemente comparam a própria aparência e a de amigos às imagens da mídia, com consequências negativas. Peça para a turma formar pares, refletir e trocar ideias sobre esta questão: “Quando uma pessoa da sua idade vê essas imagens manipuladas, que sentimento ela tem sobre si mesma?”. Permita que os alunos pensem sozinhos por um momento antes de conversar em grupo e socializar as respostas com a turma toda. Anote as ideias da classe no quadro. Siga apresentando mais questões: “Por que essas imagens podem fazer algumas pessoas se sentirem mal?”. É esperado que a turma responda que elas podem fazer as pessoas se sentirem tristes, indignadas, inseguras e achar que não são boas o bastante. É difícil não comparar a própria imagem com as da mídia. Quando fazemos isso, achamos que não correspondemos a essas ideias de aparência. Se sabemos que as imagens são manipuladas, também nos sentimos mal, nos sentimos enganados e percebemos que lutamos por algo que é inalcançável.

Promova uma votação. Peça que levante a mão quem acha que deveríamos confrontar as imagens manipuladas pela mídia e peça que explique o motivo. Anote as ideias no quadro. É desejável que os estudantes respondam que devemos confrontar imagens manipuladas porque elas não são reais e porque somos incentivados a comparar nossa aparência com a delas e isso nos faz sentir mal. Elas frequentemente fazem isso porque querem nos enganar levando-nos a pensar que teremos uma aparência ou estilo de vida mais ideal se comprarmos o produto ou o serviço anunciado. Pedir aos alunos que levantem as mãos e contestem imagens é um passo importante para o compromisso com a mudança.

Tente incentivar os alunos a concluir que não há razão para alguém querer se igualar aos ideais de aparência em constante mudança, que ter alguém com a mesma aparência não é uma coisa boa e que devemos valorizar o que é único em nós mesmos – isso é melhor que nos comparar às imagens fortemente manipuladas pela mídia.

Para finalizar esta etapa, apresente o slide O que podemos faze a respeito?. É hora de os estudantes criarem formas com que possam confrontar as pressões sobre aparência que sofrem da mídia profissional, primeiramente pelas medidas que podem tomar e, depois, ao confrontar o processo de fazer comparações. Isso vai dar a eles a possibilidade de se tornar consumidores de mídia mais críticos. Pergunte a todos: “O que você poderia fazer para mostrar que você não concorda com o modo como a mídia profissional enfatiza uma aparência ideal e surrealista?”. É possível que os alunos compartilhem ideias como: não comprar a revista que faz a propaganda do produto, não comprar o produto, dizer a todos os amigos que eles acham que a propaganda é falsa ou enganosa, boicotar o produto, escrever uma carta de reclamação à empresa, ao anunciante ou mídia, fazer seu próprio anúncio sem utilizar manipulações, comprar produtos que usam técnicas de propaganda responsáveis. Pode ser útil compartilhar um exemplo de contestação: Julia Bluhm, 14 anos, norte-americana, criou uma petição online que resultou no compromisso de não serem feitos retoques no corpo ou formas faciais das modelos usadas por uma revista grande e famosa destinada a adolescentes.

Instrua os estudantes a completar a ficha de atividades 1 – Como você reage à mídia profissional?. Eles devem trabalhar em duplas para criar uma apresentação teatral. Depois, convide as duplas para encenar uma ideia para cada tipo de mídia.

Foto de menina loira no meio de uma biblioteca com a frase "Adoraria ter sardas"

3ª Etapa 

Redes sociais – 10 minutos

Apresente o slide O que estamos aprendendo hoje?. A ideia é que os alunos comecem esta etapa resumindo o que aprenderam até então e conheçam o que será feito de agora em diante. Convide um ou dois alunos para resumir o que aprenderam até agora em nome da turma e reforce que há mais pela frente. Esse é um bom momento para analisar o que a turma aprendeu até então e reforçar o progresso alcançado pela sala. Relembre os alunos a definição de mídias sociais que você compartilhou anteriormente.

Em seguida, apresente o slide Que problemas você pode ter ao se comparar com as pessoas ao seu redor?. É hora de a turma compreender que comparar nossa aparência com a de outras pessoas é típico da natureza humana, mas é inútil e pode fazer com que nos sintamos mal. Explique que é comum nos compararmos a pessoas que vemos na vida real assim como a imagens que vemos na mídia.

Conte que a classe vai explorar brevemente como as pessoas não se comparam somente a imagens na mídia profissional. Na verdade, elas muitas vezes fazem comparações com base na aparência em seu dia a dia. Reproduza o filme Dove: Mudar uma Coisa e questione os alunos: “O que esse filme nos revela sobre como nos comparamos aos outros?” e “Que impacto você acha que há em compararmos nossa aparência dessa forma?”. Tente obter respostas de alunos que evidenciem que eles entendem que se comparar dessa maneira não faz sentido porque, enquanto todos estão se comparando, ninguém é feliz ou satisfeito com a aparência que tem. Depois, faça uma votação rápida: peça que levante a mão quem acha que todos nós devemos reduzir a pressão para termos determinada aparência.

Agora, mostre o slide Como a mídia feita por você e seus colegas pode ser manipulada?. A ideia é que os alunos descrevam maneiras como imagens que eles ou os amigos postam nas mídias sociais podem ser manipuladas. Explique que agora que eles votaram a favor de confrontar o processo de fazer comparações na vida diária, todos vão explorar como as mídias sociais podem ser uma fonte de pressão sobre a aparência, nos incentivando a comparar nossa aparência com a dos outros em nosso redor.

Peça para a turma fechar os olhos e pensar sobre o que você vai dizer: “Como você, suas amigas ou os jovens em geral manipulam ou alteram imagens nas mídias sociais?”. Compreenda que sugerir aos alunos fechar os olhos pode reduzir a sensação de autoconsciência. As respostas podem contemplar o seguinte: ângulo das selfies, uso de filtros, pose de determinada maneira, compartilhar somente as melhores imagens, escolher fotos que focam somente na aparência. Instrua os alunos a levantar a mão para anunciar suas respostas e anote as ideias no quadro. Fazer uma lista, a mais extensa possível, vai ajudar a turma a reconhecer a extensão da manipulação nas redes sociais. Em seguida, peça que todos abram os olhos e pensem em pontos que podem ter sido perdidos. Questione: “Você acha que as imagens que você e suas amigas veem e compartilham nas redes sociais representam a vida ‘real’?”. É esperado que os estudantes respondam que essas imagens nem sempre são realistas, também podem estar retocadas. Elas também podem não ser representativas da vida real porque foram cuidadosamente selecionadas e somente mostram um instante da vida da pessoa.

Siga em frente e apresente o slide Que problemas isso pode causar?. Nessa parte do trabalho, o objetivo é que os alunos reconheçam que as imagens das redes sociais podem contribuir para as pressões sobre a aparência, fazendo com que se sintam preocupados com a própria aparência e mal em relação a si mesmos. Eles devem entender que também comparam sua aparência do dia a dia com imagens das redes sociais que não são representativas da vida real e com as quais, portanto, é impossível se igualar, fazendo com que se sintam piores. É injusto e irreal nos compararmos a essas imagens.

Inicie discussões em pequenos grupos. Faça as perguntas e dê aos grupos alguns minutos para discuti-las, antes de compartilhar as ideias com a classe:

  • “Como as imagens das redes sociais fazem pessoas como você se sentir?”. É desejável que os estudantes respondam que elas podem nos fazer sentir tristes ou sem valor.
  • “Como essas imagens podem fazer você pensar ou se sentir em relação à própria aparência?” É esperado que os alunos respondam que podem se sentir mal ou começar a pensar em como se parecem diferentes do que veem, porque estão se comparando àquelas imagens.
  • “Por que a comparação da própria aparência com essas imagens pode fazer com que a pessoa se sinta mal?” É desejável que os alunos respondam que eles comparam a própria aparência do dia a dia com imagens que não são reais, e acham que não são bons o bastante. Eles podem também pensar que as aparências são mais importantes do que eles mesmos.

Durante a conversa em sala, ajude os estudantes a entender por que se comprar com as imagens das mídias sociais pode chateá-los ou ser prejudicial, lembrando-os sobre as maneiras que as imagens podem ser manipuladas nas redes sociais.

Passe para o slide seguinte – O que podemos fazer a respeito?. Os alunos vão gerar maneiras com que podem confrontar as pressões sobre a aparência provenientes das redes sociais. Explique para os estudantes que agora que entenderam como as comparações podem ser prejudiciais, todos vão pensar sobre como podem confrontar as pressões sobre a aparência procedentes das redes sociais. Isso vai ajudar a evitar que todos façam comparações que têm por base a aparência. Faça uma votação na classe: peça que levante a mão quem acha que todos devem fazer sua parte para reduzir a pressão exercida pelas mídias sociais para termos determinada aparência. Pedir que levantem a mão para identificar seu papel na criação da mudança é um passo importante para o compromisso com a tomada de decisão. Compartilhe ideias com a turma toda reunida de como isso pode ser alcançado e depois encaminhe a mesma discussão entre duplas, permitindo aos alunos fazer anotações se houver tempo, antes de finalmente instruí-los a fazer anotações na ficha de atividades 2 – Como vocês enfrentam as pressões sobre a aparência?. É desejável que as ideias dos estudantes englobem tentar postar fotos variadas que representam aspectos diferentes da sua vida, algumas mostrando sua melhor aparência, outras mostrando a pessoa se divertindo mais, estando nos melhores lugares ou em fotos artísticas (como uma foto da própria sombra), tirar e postar fotos espontâneas em vez de sempre posar na melhor posição, postar comentários elogiando amigos pelas características das fotos postadas em vez de comentar como está a aparência deles, responder a quaisquer comentários negativos ou que impliquem com os comentários de apoio. É esperado que nesse momento os alunos expliquem que isso ajudaria as pessoas a se sentir melhor à medida que o foco não estaria mais na aparência delas. Elas passariam a ficar menos preocupadas com implicâncias se souberem que os amigos entendem que nem todas as imagens precisam ser perfeitas e que eles irão apoiá-las online com comentários favoráveis – as pessoas não irão se comparar a imagens com base na aparência, vão ficar mais à vontade com a própria aparência porque não haverá um ideal irreal em que se espelhar.

Por fim, convide as duplas a compartilhar as ideias entre si e relatá-las à classe. 

Ilustração com o título "O que aprendemos hoje?" e balões com as respostas como "As pressões para ter determinada aparência vêm do mundo ao nosso redor"

4ª Etapa

Compromisso pessoal –  5 minutos

Mostre o slide O que aprendemos hoje?. A ideia, nesTa etapa do trabalho, é que os alunos compartilhem as mensagens-chave da sessão de hoje. Peça que voluntários relembrem brevemente o que já aprenderam no workshop e convide alguns alunos para ler em voz alta os pontos-chave de aprendizado que aparecem no slide. Depois, resuma os pontos que os estudantes não tiverem mencionado.

Passe para o slide seguinte – Seja um(a) campeã(o) da mudança!. Agora, o objetivo é que os alunos usem o que aprenderam na sessão de hoje para fazer uma promessa pessoal se comprometendo a fazer alguma ação para melhorar a própria autoconfiança corporal –ou a de outras pessoas a seu redor. Convide um ou dois estudantes para responder a seguinte questão: “Como você vai agir para resolver a pressão que você e suas amigas sentem para ter certa aparência?”. Compreenda que as ideias podem variar desde mudar a maneira com que consomem a mídia profissional até o modo como eles criam ou consomem as redes sociais ou como eles aprendem a identificar melhor e confrontar a existência dos ideais de aparência.

Instrua a classe a completar a ficha de atividades 3 – Seja um(a) campeã(o) para a mudança! individualmente. Cada um deve escrever uma coisa que pretende começar a fazer de forma diferente em consequência do que foi trabalhado no workshop. Depois, peça que um ou dois alunos socializem suas ideias com a turma toda. Lembre-se de incentivar todos a fazer de sua promessa uma ação pequena e específica. Isso facilita manter o compromisso assumido.

Para encerrar o workshop, apresente o último slide – Parabéns!. Agradeça à turma por ter participado da sessão de hoje. Não se esqueça de estimular os estudantes a pensar a respeito dela e aplicar o conhecimento e entendimento todos os dias a partir de agora. Caso seja possível, coloque-se à disposição para ajudar ou conversar com os alunos em outros momentos sobre qualquer um dos assuntos tratados no workshop.

 

Avaliação

Acompanhe durante todas as etapas do workshop as tomadas de consciência dos alunos sobre a importância de compreender o conceito de ideais de aparência e a pressão para alcançá-lo. Analise se eles aprenderam interpretar as mídias, que muitas vezes manipulam a verdade. Também é fundamental observar se a turma desenvolve estratégias para resistir a pressões sobre aparência e autoconfiança corporal.

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias