Ir para o conteúdo Pular para o menú principal
ANÚNCIO
Você sabia que é possível salvar matérias para ler mais tarde? Use o botão icone ler mais tarde Ler mais tarde
icone menu
Blog Tecnologia na Educação
NE
NOVA ESCOLA

As tecnologias móveis estão acabando com as salas de informática

Sala de informática com diversos computadores enfileirados. Ao fundo, vemos janelas com cortinas abertas (Crédito: Shutterstock)

Em julho, Geoff Stead, diretor de digital e novos produtos de Cambridge English Language Assessment, esteve aqui no Brasil para falar sobre como as tecnologias móveis estão transformando a Educação e para apresentar os últimos lançamentos da instituição, como o game Shop and Drop, que traz atividades que facilitam a aprendizagem do Inglês.

Aproveitamos a oportunidade para conversar com ele sobre algumas questões que afligem professores e gestores brasileiros. No bate-papo, ele fala sobre o iminente fim das salas de informática, aborda a importância de formar os docentes para o uso das ferramentas tecnológicas e dá sugestões para que as escolas de regiões com baixo acesso consigam superar essas limitações.

Abaixo, veja os principais trechos:

Substituição do computador por smartphones

Em todo o mundo, escolas removeram os computadores das salas de informática, substituindo-os por dispositivos portáteis menores que são usados na sala de aula ou mesmo fora dela. Na maioria dos casos, esses equipamentos – geralmente, tablets – ainda são de propriedade da escola, mas algumas já estão permitindo que os alunos levem seus próprios dispositivos. A vantagem é justamente não ficar limitado a um espaço fixo, permitindo que a aprendizagem aconteça em diferentes ambientes – no pátio ou na biblioteca, por exemplo.

Uso do celular em sala de aula

Essa é uma questão complexa. No que diz respeito ao controle da classe e do conteúdo acessado pode ser complicado, mas também pode ser uma maneira de o professor envolver os alunos entediados. Um bom primeiro passo é trabalhar com os alunos um conjunto de combinados para o uso dos smartphones em sala, com orientações claras sobre o que é permitido, o que não é e quais são as consequências se houver descumprimento.

Comece com algumas tarefas com as quais se sente confiante. E lembre-se, as atividades devem estar relacionadas ao seu planejamento ser introduzidas de forma bem estruturada. Esta abordagem ajudará a explicar com sucesso aos gestores, colegas e pais o valor de permitir os celulares em sala de aula. Tem aplicativos, como o Kahoot – por meio do qual é possível ver em tempo real se os alunos estão utilizando-os de maneira adequada.

Há vários exemplos de uso de celular em sala de aula – e os melhores exemplos são os mais simples! Alguns deles:

- Grupos colaborativos usando ferramentas como o WhatsApp para estender a comunicação fora da sala de aula. Outras opções de aplicativos são o Slack e o Telegram;

- Leitura de e-books de forma colaborativa (para livros em inglês, a sugestão é o site Goodreads);

- Produção de áudios, fotos e vídeos sobre o tema estudado;

- Criação de apresentações e registros colaborativos com programas como o Padlet e o Evernote

Formação dos professores em tecnologia

Esse é realmente um dos maiores desafios quando falamos de tecnologia na Educação. Não basta apenas instalar uma lousa interativa, por exemplo, e pedir que se saia usando. Dessa forma, ela não será utilizada em sua plenitude e apenas o que é conhecido por eles será colocado em prática. É preciso mostrar a diversidade de atividades que podem ser desenvolvidas por meio de um dispositivo móvel para que isso facilite e até melhore os processos de comunicação e aprendizagem dos alunos.

Dificuldade de conexão nas escolas

Essa é uma questão que só pode ser superada com investimento em conexões de mais qualidade. Não tem outro jeito. Com poucos recursos o uso de tecnologias mobile não é tão eficiente. Reverter esse cenário, exige a mobilização das esferas pública e privada para firmar parcerias que ofertem o essencial.

Tecnologia móvel em regiões distantes

A tecnologia móvel pode se tornar uma aliada para as comunidades isoladas. Com a orientação de um professor, por exemplo, os alunos podem acessar conteúdos específicos e aulas online e realizar vídeo chats e outras interações. É claro que a falta de infraestrutura de internet representa um desafio. Mas vale buscar alternativas. Onde não há um sinal estável e de qualidade, é possível buscar pontos públicos de wi-fi gratuito ou até mesmo uma parceria com o comércio ou empresariado local para que eles sejam pontos de apoio e dividam seus serviços de internet com a população.

ANÚNCIO
LEIA MAIS
OUTROS BLOGS