Blog Tecnologia na Educação

Confira as melhores ferramentas e as novidades sobre o uso das TIC na sala de aula no blog

Você sabe a diferença entre software livre e código aberto?

POR:
NOVA ESCOLA

Oi, pessoal! Sou Felipe Costa, webmaster dos sites de NOVA ESCOLA e GESTÃO ESCOLAR. Na nossa equipe, sou eu que programo o site. Preparei este post para falar sobre software livre e código aberto.

Você já ouviu esses dois termos e ficou sem saber o que isso quer dizer? Vamos esclarecer todas as suas dúvidas sobre o tema!

O software livre tem como objetivo permitir que as pessoas possam usar, estudar, modificar e redistribuir programas de computador ou somente seus códigos fonte (que são como receitas para criar outros programas). A única exigência é que, ao redistribuir o programa, ele permaneça livre para ser novamente alterado por outros usuários.

Outra vantagem é que esses programas não pertencem a uma empresa e podem ser baixados gratuitamente da internet. Já falamos um pouco sobre o tema neste post: Software livre: que bicho é esse?

Segundo a Free Software Foundation (Fundação do Software Livre), o software livre deve garantir quatro tipos de liberdade aos usuários:

1 – Liberdade de executar o programa para qualquer propósito;
2 – Liberdade de estudar como o programa funciona e adaptá-lo para suas necessidades;
3 - Liberdade de redistribuir cópias do programa de modo que você possa ajudar outros usuários;
4 – Liberdade de modificar o programa e distribuir essas alterações, de modo que toda a comunidade se beneficie.

Um dos exemplos de software livre mais conhecido é o sistema operacional Linux. Há também o BrOffice: um pacote de aplicativos onde é possível escrever textos, alterar e criar imagens, organizar pesquisas de dados e produzir um jornal ou apresentações de slides. Ele é um equivalente do famoso pacote Office, que pertence à multinacional Microsoft.

Já o programa em código aberto, ou open source (em inglês), é aquele no qual o usuário pode modificar o código, de acordo com o que deseja usar. Porém, o desenvolvedor original do programa determina as condições de uso e de distribuição. Por exigir mais conhecimentos técnicos, os códigos abertos são geralmente manipulados por programadores.

O conhecido navegador Firefox, por exemplo, tem seu código aberto para modificação e redistribuição. Aliás, você já utilizou o Firefox para acessar seus sites e e-mails? Esse navegador gratuito conta com ótimos recursos, fruto justamente da colaboração de uma comunidade de programadores em todo o mundo. Assista ao vídeo promocional do Mozilla chamado “A web que queremos”.

Para o usuário comum, são poucas as diferenças entre programas de software livre e de código aberto. Mas agora, quando você encontrar programas com a sigla FLOSS (free/libre/open source software, em inglês), que quer dizer software de código livre/aberto, já saberá que é um programa que pode ser baixado gratuitamente e que pode ser aprimorado por programadores do mundo todo.

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias