Chilenos exigem Educação gratuita

POR:
Mariana Queen, Camila Camilo
Chilenos exigem educação gratuita. Foto: Martin Bernetti/AFP

Protestos por um ensino público de qualidade se tornaram frequentes no Chile nos últimos meses. A mobilização começou com estudantes e, em pouco tempo, foi encampada por docentes e representantes de outros setores. Entre as principais reivindicações está a gratuidade da Educação. Diferentemente dos brasileiros, 45,1% dos estudantes chilenos frequenta instituições privadas dependentes do governo e suas famílias têm de pagar parte dos custos dos estudos (veja os gráficos abaixo). Camila Croso, coordenadora da Campanha Latino-Americana pelo Direito à Educação, explica que "a gratuidade é um princípio básico do direito à Educação e o governo chileno precisa alterar o financiamento público para garanti-la".

Gráficos sobre Educação no Chile
* Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Fonte Campanha Latino-americana pelo Direito à Educação, 2007


Investimento

87 milhões% É o montante que foi disponibilizado pelo Ministério da Educação (MEC) em agosto para o Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE).

Fonte Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE)


Projetos para a Educação

Daniel Cara. Arquivo pessoal

Daniel Cara é coordenador geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação

Por que muitas propostas que tramitam no Legislativo não têm relevância para a melhoria do ensino?
A explicação passa por dois fatores: projetos importantes são enviados pelo Executivo. Ao Legislativo, restam os periféricos. Diante disso, muitos parlamentares apresentam propostas demagógicas ou eleitoreiras.

Qual o impacto desses projetos periféricos?
Eles tomam tempo na pauta de debates. Enquanto propostas frágeis e pouco práticas são debatidas, temas importantes ficam marginalizados na Câmara e no Senado.

Como melhorar a situação?
É preciso valorizar as eleições parlamentares, acompanhar o trabalho dos eleitos e cobrar resultados.


Livros para o campo 
Escolas receberão obras customizadas

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) anunciou em julho que, a partir de 2013, as escolas rurais receberão livros do Programa Nacional do Livro Didático no Campo. Para a professora Mônica Molina, especialista em Educação no Campo da Universidade de Brasília (UnB), a produção dos materiais é parte de um debate maior. "É preciso checar se os livros tratam de questões nacionais e locais, permitindo aos alunos entender as especificidades do modo de produção rural e as condições sociais das próprias famílias."


Calvin

Calvin

Toda semana, uma nova tirinha sobre Educação com Calvin e seus amigos


Na internet 

PNE. Site ajuda a acompanhar a tramitação do Plano Nacional de Educação (PNE) 2011-2020.

NOVA ESCOLA vai acompanhar o PNE até a sua aprovação


Quilombos 
Diretrizes Nacionais começam a ser feitas 

Ocorrem este ano três audiências públicas para colher propostas para as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola. Raimundo Moacir Feitosa, membro do Conselho Nacional de Educação (CNE), responsável pelo projeto,e professor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), explica que a ideia é orientar o sistema de ensino para as populações quilombolas.


Notícia e opinião 

A notícia Tramitam na Câmara dois projetos de lei (PL) sobre violência contra o professor. O PL 604/11 propõe afastamento ou transferência do aluno acusado de agressão. Com o PL 267/11, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) incluirá o respeito ao professor como dever do estudante.

A opinião "Leis como essas não focam na formação do jovem nem fazem com que ele respeite mais o professor. Respeito é uma via de mão dupla, e também está ligado à maneira como o docente trata a turma. Escolas que superam a violência constroem um ambiente cooperativo, e não intimidativo. A solução deve ser pensada com a comunidade escolar."

Adriana Ramos é pesquisadora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)


Bullying 
Combate às agressões deve ser constante

Alunos que já sofreram bullying
Alunos que já sofreram bullying

Alagoas sancionou uma lei que obriga as escolas a sempre falar sobre bullying na semana de 7 de abril. A medida é vista com estranheza por Luciene Tognetta, doutora em Psicologia Escolar e pesquisadora da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). O bullying é realidade em todo o país (veja o mapa à direita) e precisa ser trabalhado no cotidiano, com toda a comunidade escolar. "Ações pontuais não bastam. É preciso criar um ambiente que torne a criança pertencente à escola, com mudanças nas regras e na forma de tratar o problema."


Prova Brasil 2009 

Quase dois anos depois, o Ministério da Educação (MEC) divulga boletins com resultados das escolas. Acesse.


Opine 

Você acha que as escolas devem divulgar em suas fachadas os resultados que tiveram no Índice de Desenvolvimento da Educação (Ideb)?

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias