ANÚNCIO
Você sabia que é possível salvar matérias para ler mais tarde? Use o botão Ler mais tarde

Como ensinar microbiologia, com ou sem laboratório

Os alunos vão aprender que microorganismos invisíveis, como bactérias e fungos, causam doenças ou ajudam a ter saúde

por:
PG
Paola Gentile
Junho de 2005
Fotos: Daniel Aratangy
Fotos: Daniel Aratangy

Os biólogos já catalogaram mais de 1,5 milhão de espécies de seres vivos. Pelo menos 10% deles são invisíveis a olho nu, mas estão presentes em nossa vida desde que nascemos. A microbiologia faz parte do conteúdo de Ciências Naturais em todos os níveis de ensino, mas fica mais atraente a partir da 6ª série, quando os alunos conseguem desenvolver experiências e atividades que provam a existência dos pequenos seres.

Maria Teresinha Figueiredo, selecionadora do Prêmio Victor Civita Professor Nota 10, afirma que relacionar os microorganismos às questões de saúde pode ser uma das entradas para o mundo da microbiologia: "Ao explicar a necessidade de hábitos saudáveis, o professor mostra formas de contágio de doenças transmitidas por bactérias, por exemplo, e as maneiras de evitá-las".



História e vídeo para um aprendizado dinâmico

Se sua escola tem laboratório de Ciências bem montado, ótimo! Mas a falta de microscópio não vai impedir você de tratar desse conteúdo. "Nas primeiras séries, o professor pode ensinar regras de higiene, contar histórias que tenham germes como personagens ou passar vídeos ", sugere Gláucia Colli Inglez, do Museu de Microbiologia do Instituto Butantan, em São Paulo. Para os mais velhos, ela indica experiências com materiais alternativos, como as cinco sugeridas nesta reportagem.

Em qualquer caso, coloque os alunos em contato com a história da ciência. De acordo com Antônio Carlos Amorim, da Sociedade Brasileira de Ensino de Biologia, localizar no tempo as descobertas dessa área ajuda os jovens a entender como as questões sociais motivaram os cientistas. O médico alemão Robert Koch (1843-1910), por exemplo, ganhou um microscópio quando uma doença provocada por bactérias estava matando pessoas e animais no Leste Europeu. Ao examinar sangue de carneiros, ele descobriu bastonetes que não existiam no sistema circulatório de seres saudáveis. Seus estudos levaram a postulados que fundamentaram a microbiologia e, mais tarde, à descoberta do bacilo causador da tuberculose.

É interessante ainda contar à garotada que os micróbios foram os primeiros seres vivos a habitar nosso planeta. Apesar da antigüidade, só foi possível confirmar a existência desse pequeno ser em meados do século 17, quando o holandês Antony van Leeuwenhoek começou a divertir-se derretendo vidro para fazer lentes. Ele produziu mais de 400 e usou-as para descrever bactérias, algas e protozoários. Daí à invenção do microscópio foi um passo, o que trouxe avanços na microbiologia e na medicina.

Com a constatação de que microorganismos existiam e afetavam os seres humanos, percebeu-se a necessidade de adotar medidas de higiene e políticas públicas de saúde que, a longo prazo, duplicariam nossa expectativa de vida. Hoje ainda morrem cerca de 20 milhões de pessoas por ano vítimas de infecções. Mas a vacinação em massa já erradicou doenças como a varíola e diminuiu o número de casos de tuberculose, raiva e outros males.

 

Para conhecer melhor os micróbios

Os alunos vão entender que também existem microorganismos que ajudam no equilíbrio do meio ambiente e de nosso corpo

 

TIPO DE MICROORGANISMO
CARACTERÍSTICA
ALGUNS DO BEM
ALGUNS DO MAL

VÍRUS

Microorganismos sem célula, considerados parasitas intracelulares, pois só têm ação no interior de outras células.

Não existe.

Influenza (gripe); Herpes zoster (catapora); Rhinovirus (resfriado); Ébola (febre hemorrágica); HIV (Aids); Flavivirus sp.(Dengue); Morbilliviirus (sarampo).

BACTÉRIAS

Organismos unicelulares, sem núcleo definido e geralmente com apenas uma molécula de DNA. Podem ser esféricas (cocos), em forma de bastão (bacilos), espiral (espiroqueta e espirilo) e vírgula (vibrião).

Rhizobium (ajudam na fixação de nitrogênio em raízes de plantas leguminosas); Lactobacillus e alguns tipos de Streptococcus (produção de queijo, iogurte e requeijão).

Mycobacterium tuberculosis (tuberculose); Corynebacterium diphtheriae (difteria); Salmonella typhi (febre tifóide); Streptococcus pneumoniae (pneumonia); Vibrio cholerae (cólera).

FUNGOS

Constituídos de hifas (filamentos) multicelulares nucleadas com exceção das leveduras, que são unicelulares.

Agaricus campestris (cogumelo comestível); Saccharomyces cerevisae (fabricação de pão e de bebidas alcoólicas); Penicillium sp (produção de antibióticos e de queijos).

Trichophyton sp (micose ou pé-de- atleta);candida albicans (candidíase); Aspergillus sp (aspergilose).

PROTOZOÁRIOS

Seres unicelulares nucleados com estruturas locomotoras, com exceção dos esporozoários.

Triconympha sp (vivem nos cupins, auxiliando na digestão).

Entamoeba histolytica (disenteria amebiana); Trypanosoma cruzi (doença de Chagas); Plasmodium sp (malária); Giardia lamblia (giardíase).

ALGAS UNICELULARES

Vivem no mar, em lagos, rios. Elas fazem fotossíntese e com isso transformam luz solar em energia.

Planctônicas (realizam 90% da fotossíntese do planeta); diatomáceas (com carapaças de sílica, constituem rochas usadas como abrasivos).

Dinoflagelados (algas vermelhas causadoras da maré vermelha quando proliferam excessivamente).

 

Cinco experiências que não precisam de microscópio

Marcos Engelstein, professor de Ciências do Colégio Santa Cruz, em São Paulo, desenvolve em laboratório, com seus alunos de 7ª série, as experiências 1, 2, 4 e 5. Já a Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Loteamento Gaivotas 3, também na capital paulista, não tem laboratório. Em suas aulas, o professor Fábio Pereira usa materiais alternativos e desenvolve atividades lúdicas, como a de número 3.

 

1. Cultivando bactérias

Objetivo
Mostrar a existência de micróbios e como eles contaminam o meio de cultura.

Material (para o meio de cultura) 

  • 1 pacote de gelatina incolor
  • 1 xícara de caldo de carne
  • 1 copo de água
  • Dissolver a gelatina incolor na água, conforme instruções do pacote. Misturar ao caldo de carne


Material (para a experiência)

  • Duas placas de petri (ou duas tampas de margarina ou dois potinhos rasos), com o meio de cultura cobrindo o fundo
  • Cotonetes
  • Filme plástico
  • Etiquetas adesivas
  • Caneta

    Procedimento
    Os alunos passam o cotonete no chão ou entre os dentes, ou ainda entre os dedos dos pés (de preferência depois de eles ficarem por um bom tempo fechados dentro dos tênis!). Há ainda outras opções, como usar um dedo sujo ou uma nota de 1 real. O cotonete é esfregado levemente sobre o meio de cultura para contaminá-lo. Tampe as placas de petri ou envolva as tampas de margarina com filme plástico. Marque nas etiquetas adesivas que tipo de contaminação foi feita. Depois de três dias, observe as alterações.

    Explicação
    Ao encontrar um ambiente capaz de fornecer nutrientes e condições para o desenvolvimento, os microorganismos se instalam e aparecem.

    Esse ambiente pode ser alimentos mal-embalados ou guardados em local inadequado. O mesmo acontece com o nosso organismo: sem as medidas básicas de higiene, ele torna-se um excelente anfitrião para bactérias e fungos.

 

2. Testando produtos de limpeza

foto Daniel AratangyObjetivo
Provar a eficácia de desinfetantes e outros produtos que prometem acabar com os microorganismos.

Material

  • Bactérias criadas na experiência no 1, Cultivando Bactérias (com sujeira do chão ou com a placa bacteriana dentária)
  • 1 placa de petri limpa (ou tampa de margarina), com meio de cultura
  • 1 pedaço de filtro de papel
  • 1 pinça
  • 1 tubo de ensaio
  • 1 copo de desinfetante, água sanitária ou anti-séptico bucal
  • 1 estufa (é possível improvisar uma com caixa de papelão e lâmpada de 40 ou 60 watts, como a da foto acima) Água

 

Auréola transparente: quanto mais eficiente o produto, maior ela será pega-pega contra os germes.
Auréola transparente: quanto mais eficiente o produto, maior ela será pega-pega contra os germes.

Procedimento
Raspe um pouco das bactérias que estão nas placas já contaminadas, dilua-as em algumas gotas de água (use um tubo de ensaio) e espalhe a mistura de água com bactérias na placa de petri com meio de cultura. Com a pinça, molhe o filtro de papel no desinfetante (se usar as bactérias criadas com a sujeira do chão, do dedo ou da nota de papel) ou no anti-séptico bucal (se usar as originadas da placa bacteriana dentária). Coloque o filtro no meio da placa contaminada por bactérias e guarde-a na estufa. Aguarde alguns dias. Quanto melhor o produto, maior será a auréola transparente que aparecerá em volta do papel; se for ruim, nada acontecerá.

Explicação
Para ser eficientes, os produtos devem impedir o crescimento dos microorganismos. Os bons desinfetantes usam compostos com cloro ou outros produtos químicos tóxicos para alguns micróbios.

 

3. Pega-pega contra os germes

Objetivo
Analisar o funcionamento do sistema imunológico, como o corpo se cura e como as doenças ocorrem.

Material (para 30 alunos)

  • 10 cartões retangulares brancos representando os anticorpos
  • 15 cartões retangulares coloridos representando os antígenos (microorganismos invasores)
  • 5 cartões coloridos com formatos diferentes dos anteriores


Observação
Você pode trabalhar com doenças causadas por vírus e/ou bactérias. Veja, no quadro da página anterior, sugestões de doenças a ser trabalhadas.

Procedimento
Distribua os cartões entre os alunos. Os que estão com cartões brancos procuram os colegas que estão com cartões coloridos. Cada aluno dono de cartão branco pode encontrar somente um aluno de cartão colorido. Depois que os pares são formados, pare a brincadeira e converse com os alunos sobre a simulação do sistema imunológico que acabaram de fazer.

Explicação
Os cartões brancos representam os anticorpos, que têm a função de combater os diversos antígenos, causadores de doenças. Para cada antígeno existe um anticorpo. Quando o aluno com cartão branco encontra o colega com cartão colorido do mesmo formato, representa a vitória do corpo sobre o germe.

Mas, quando o par é formado por cartões com formatos diferentes, está representado que o organismo não conseguiu produzir o anticorpo necessário ou não produziu em quantidade suficiente para combater aquela doença.

 

4. Estragando o mingau

Objetivo
Perceber a necessidade de guardar bem os alimentos para que eles não se contaminem.

Material

  • 5 copinhos de café numerados
  • 1 saco plástico ou filme plástico
  • 2 colheres de amido de milho ou outro tipo de farinha
  • 1 colher de óleo
  • 1 colher de sopa
  • 1 panela pequena
  • 1 copo de vidro
  • 1 colher de vinagre
  • água


Procedimento
Prepare o mingau com o amido de milho e um copo de água. Misture bem e leve ao fogo até engrossar. Coloque o mingau ainda quente até a metade dos copinhos. Deixe o copo 1 aberto, em cima da pia do laboratório. Cubra o 2 com o filme plástico, vede-o, e deixe-o também sobre a pia. O 3 é completado com óleo e o 4, com vinagre.

O 5 é colocado na geladeira, sem cobertura. Observe com a turma em qual mingau apareceram as primeiras alterações. Depois de uma semana, peça a todos para descrever a aparência de cada copo e fazer desenhos coloridos, seguindo o que viram nos copinhos.

Explicação
A temperatura alta, usada no cozimento do mingau, matou os microorganismos. Já o calor que ultrapassa os 30 graus Celsius deixa o ambiente propício para a proliferação de micróbios, que se depositam no mingau deixado ao ar livre.

Observe o que acontece com cada copo de mingau.

 

1. É o que apresenta mais alteração, pois ficou na temperatura ambiente e sem proteção, exposto aos microorganismos. 2. Está menos estragado que o primeiro, porque o filme plástico impede que os micróbios se depositem sobre ele. 3. O óleo funciona como cobertura ou embalagem, impedindo qualquer contato com o ar e, por conseqüência, com os micróbios. 4. A acidez do vinagre impede o aparecimento de microorganismos (é o princípio de preparação de algumas conservas). 5. As baixas temperaturas são as que mais retardam o aparecimento de fungos, por isso a geladeira é o melhor lugar para conservar alimentos.

Para ir além
Peça pesquisas sobre técnicas antigas de conservação de alimentos como a salga e a defumação de carnes e as modernas, como a pasteurização, a esterilização, o congelamento, a desidratação e a radiação.

 

5. Mãos limpas?

Objetivo
Mostrar que mãos aparentemente limpas podem conter microorganismos.

Material

  • 1 colher de fermento biológico diluído em um copo de água
  • Água com açúcar em uma tigela
  • 1 tubo de ensaio
  • 1 funil
  • 1 rolha para fechar o tubo de ensaio
  • 1 chumaço de algodão
  • Algumas gotas de azul de bromotimol


Procedimento
Peça para a turma lavar bem as mãos. Divida a classe em grupos de cinco. Um aluno joga o fermento biológico na mão direita e cumprimenta um colega com um aperto de mão. Esse cumprimenta outro e assim por diante.

O último lava as mãos na tigela com água e açúcar.

Com o funil, coloque um pouco dessa água no tubo de ensaio. Molhe o algodão no azul de bromotimol e coloque-o na boca do tubo de ensaio, sem encostar no líquido. Feche-o com a rolha e espere alguns dias.

O azul vira amarelo: ação dos fungos
O azul vira amarelo: ação dos fungos.

Explicação
Dentro do tubo de ensaio, a água com açúcar fornece o alimento necessário para os microorganismos no caso, fungos se desenvolverem. Os fungos respiram e soltam gás carbônico, o que torna o ambiente do tubo ácido. Com isso, o azul de bromotimol, sensível à alteração de pH, muda sua cor para amarelo. Ressalte que medidas de higiene pessoal, feitas com regularidade, evitam uma série de doenças.

 

Quer saber mais?

BIBLIOGRAFIA

Aventuras da Microbiologia, Isaias Raw e Oswaldo Augusto Sant'Anna, 170 págs., Ed. Hacker, tel. (11) 3733-7912 , 25 reais

Epidemias no Brasil Uma Abordagem Biológica e Social, Rodolpho Telarolli Júnior, 120 págs., Ed. Moderna, tel. (11) 6090-1500 , 26 reais

Pequenos Seres Vivos, Gilberto Martho, 48 págs., Ed. Ática, tel. (11) 3990-1777 , 18,50 reais

FILMOGRAFIA

Série Nosso Corpo: Os Germes e o que Causam e Como o Corpo Cura a si Mesmo, Didak Tecnologia Educacional, 22 min., tel. 0800-175233, didak@didak.com.br, 70 reais (VCD ou VHS)

ANÚNCIO
LEIA MAIS