Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Sim, professor pode ser idealista

A crença no poder transformador da Educação já levou a concepções ingênuas da profissão como heroísmo ou sacerdócio. Mas, num mundo em que é cada vez mais difícil ensinar, o idealismo pode se juntar ao conhecimento pedagógico na atuação docente

POR:
Rodrigo Ratier
Valorização do professor. Ilustração: Victor Malta

"Tenho orgulho de ser professora porque, na mesma medida em que transformo, sou transformada. Gosto de motivar e assistir à transformação do conhecimento daqueles que estão em processo constante de formação. Meu orgulho vem daqueles que me estimulam a caminhar para frente: meus alunos."

As palavras da professora Márcia Cristina Viana Santos simbolizam o espírito de boa parte das 3.859 respostas recebidas por NOVA ESCOLA para o concurso #OrgulhoDeSerProfessor, realizado no mês passado. Em seus textos, os participantes destacam algumas das vantagens da docência: "despertar novos talentos", "criar gente", "ajudar a construir uma nova consciência" e por aí vão.

Como confirmam diversas pesquisas e depoimentos, o idealismo é um traço de personalidade marcante em muitos professores. A pesquisa A Atratividade da Carreira Docente no Brasil, patrocinada pela Fundação Victor Civita (FVC), mostra que a possibilidade de ser um agente de transformação social é um dos fatores principais na escolha da carreira.

Tamanha prevalência conduziu a uma visão irreal da profissão, pela qual a docência era tratada como um sacerdócio, uma missão. O professor era visto como um herói, ao qual cabia enfrentar todas as dificuldades em nome de sua vocação. Felizmente, a profissionalização avançou. Hoje, é consenso que os educadores se diferenciam das demais ocupações pelo seu saber específico: a capacidade de ensinar, em que o conhecimento didático é a matéria-prima fundamental.

Ocorre que o predomínio dessa visão técnica da docência tem feito com que as aspirações mais nobres da profissão sejam encaradas como sinal de ingenuidade. Professores que afirmam ter o sonho de mudar o mundo são vistos como figuras românticas, meio deslocadas em um universo dominado pela racionalidade e por indicadores de eficiência.

Mas respeitáveis especialistas defendem que não deve haver uma oposição entre técnica e idealismo. O pedagogo argentino Juan Carlos Tedesco, ex-diretor do escritório internacional de Educação da Unesco e ex-ministro da Educação em seu país, afirma, no prólogo do livro El Trabajo Docente, que essa separação vem perdendo sentido. Para Tedesco, os ideais relativos ao exercício profissional são cada vez mais necessários ao bom desempenho do educador.

Em outras palavras, num mundo no quial nunca foi tão desafiante ser professor (invasão das tecnologias, questionamentos sobre a legitimidade do educador, aumento da violência etc.), é fundamental incorporar os ideais da docência ao desempenho profissional. O especialista argentino cita alguns exemplos: "A confiança na capacidade de aprendizagem de todos os alunos, independentemente de sua condição social ou de seu pertencimento cultural, o compromisso com a tarefa de ensinar, a responsabilidade pelos resultados, a paixão pelo conhecimento e a não discriminação".

Entretanto, a realidade não dá indícios dessa incorporação. O que se observa é o movimento inverso, como aponta Emilio Tenti Fanfani também no livro El Trabajo Docente. Ao avaliar professores de quatro países (Argentina, Brasil, Peru e Uruguai), o cientista constatou que a grande maioria (79%) tem alta satisfação com a profissão em si, com os objetivos do trabalho e com os ideais por trás dele. O mesmo não ocorre, no entanto, quando esses docentes avaliam a satisfação segundo o contexto em que se exerce a docência - em que passam a intervir as características da escola, relação com os pais, status financeiro e profissional etc. O percentual, nesse caso, cai para 54%.

Conclusão: os desafios enfrentados pelos educadores no cotidiano escolar têm se chocado com as aspirações, qualidades e atitudes pessoais que são benéficas para o trabalho docente. 

Obviamente, não é possível eliminar todas as dificuldades para manter o idealismo - a relação com os pais vai seguir sendo tensa, os alunos continuarão desafiadores, a tecnologia muitas vezes vai ser usada para questionar a autoridade do professor. Mas há coisas que podem e precisam ser mudadas: salários, planos de carreira e formação, para ficar em três características exemplares.

Políticas públicas que priorizem esses aspectos são o melhor caminho para preservar o idealismo do professor. Ter profissionais que acreditam no poder do trabalho que desenvolvem é algo que qualquer empregador almeja. No caso dos professores, essa característica já vem "de fábrica". Se conseguíssemos ao menos não diminuir esse ímpeto, já seria um bom começo.

 

Confira as melhores frases enviadas para o concurso cultural #orgulho de ser professor, realizado por NOVA ESCOLA em outubro de 2012

Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Nuvem de palavras Estas foram as palavras mais utilizadas nas frases do concurso Frase vencedora do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Márcia Cristina Viana Santos Carapicuiba | SP Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Valéria de Paula Avaré | SP Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Mayla da Silva Daniel Bicas | MG Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Wagner Mitsuo Sassaki Taubaté | SP Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução José Antero do Nascimento Sobrinho Brasília | DF Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Monica Ferreira de Farias São Gonçalo | RJ Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Marlise dos Reis Matos Uberlândia | MG Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Keila de Oliveira Costa São Paulo | SP Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Maria Regina Barreto Sertãozinho | SP Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Severino Costa da Silva Neto Paulista | PE Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Alcina Gularte Netto Freyer Formosa | GO Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Paulo Diego Moreira de Brito Maracanaú | CE Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Solange Aparecida Alves Carvalho Dourados | MS Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Maria Silviane de Sousa Bezerra Itapipoca | CE Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Renata de Fátima Figueiredo Halfeld Alves Mathias Três Rios | RJ Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Ana Beatriz Assali São Paulo | SP Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Adriana Maria Augusto Faria Cambé | PR Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Suzy Neris Bezerra Nova Iguaçu | RJ Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Cíntia Cristina da Silva Cunha Rio de Janeiro | RJ Frase finalista do Concurso cultural Orgulho de Ser Professor. Reprodução Luciana Gutzmer Cagneti Joinville | SC

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias