Uma semana de Nova Escola no Amazonas

Galeria de fotos com o dia a dia da viagem para o Amazonas

POR:
NOVA ESCOLA
A viagem até a comunidade do Abelha é longa. De Manaus, é necessário pegar um avião até Novo Aripuanã. Chegando ao município, o trajeto segue pela água. São cerca de cinco horas de barco pelos rios Madeira e Mariepaua. Pelo ar e pela água A viagem até a comunidade do Abelha é longa. De Manaus, é necessário pegar um avião até Novo Aripuanã. Chegando ao município, o trajeto segue pela água. São cerca de cinco horas de barco pelos rios Madeira e Mariepaua. A equipe de NOVA ESCOLA chegou no final da tarde à comunidade e foi logo conhecer a EM Victor Civita. À noite, é comum os alunos participarem de atividades extras. Nesse dia, Venina Savedra, supervisora pedagógica da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), apresentou o projeto Intercâmbio de Saberes. Aula noturna A equipe de NOVA ESCOLA chegou no final da tarde à comunidade e foi logo conhecer a EM Victor Civita. À noite, é comum os alunos participarem de atividades extras. Nesse dia, Venina Savedra, supervisora pedagógica da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), apresentou o projeto Intercâmbio de Saberes. O cabelo no estilo moicano, inspirado no jogador de futebol, é febre entre os meninos da escola. Como não há um cabeleireiro por perto, um dos garotos aprendeu e faz o corte para quem quer aderir à moda. Como Neymar O cabelo no estilo moicano, inspirado no jogador de futebol, é febre entre os meninos da escola. Como não há um cabeleireiro por perto, um dos garotos aprendeu e faz o corte para quem quer aderir à moda. Garotos que estudam na escola praticam o esporte junto com crianças que moram na comunidade e ainda não frequentam as aulas. Este campo fica atrás das classes e também há outro maior, no meio das árvores da floresta. Futebol todo dia Garotos que estudam na escola praticam o esporte junto com crianças que moram na comunidade e ainda não frequentam as aulas. Este campo fica atrás das classes e também há outro maior, no meio das árvores da floresta. Na noite de 12 de junho, todos se reuniram para os festejos. Uma das alunas explicou para a turma a tradição local para se tornar comadre ou compadre de fogueira. Orientadas por ela, as duplas de amigos cantaram os versos. Santo Antônio Na noite de 12 de junho, todos se reuniram para os festejos. Uma das alunas explicou para a turma a tradição local para se tornar comadre ou compadre de fogueira. Orientadas por ela, as duplas de amigos cantaram os versos. No caminho de volta, a equipe de reportagem parou em várias comunidades. Em uma delas, Raimundo do Rosário Batista contou o orgulho de ter sete de seus 14 filhos na EM Victor Civita. Valorização No caminho de volta, a equipe de reportagem parou em várias comunidades. Em uma delas, Raimundo do Rosário Batista contou o orgulho de ter sete de seus 14 filhos na EM Victor Civita. A segunda etapa da viagem foi na comunidade do Tumbira, às margens do Rio Negro. Lá, é fácil ver a chuva chegando ao longe. Depois que ela passou, um arco-íris tornou a paisagem onde fica a EE Tomas Lovejoy ainda mais inspiradora. Chuva e Sol A segunda etapa da viagem foi na comunidade do Tumbira, às margens do Rio Negro. Lá, é fácil ver a chuva chegando ao longe. Depois que ela passou, um arco-íris tornou a paisagem onde fica a EE Tomas Lovejoy ainda mais inspiradora. No arraial da comunidade do Tumbira, a garotada encarou a madeira cheia de manteiga atrás do prêmio de 50 reais. O mesmo menino ganhou três noites seguidas. A festa animada durou nove dias e também teve bingo, pescaria, argola e churrasco. Pau de sebo No arraial da comunidade do Tumbira, a garotada encarou a madeira cheia de manteiga atrás do prêmio de 50 reais. O mesmo menino ganhou três noites seguidas. A festa animada durou nove dias e também teve bingo, pescaria, argola e churrasco. Última parada da viagem, a Área de Proteção Ambiental (APA) do Rio Negro tem duas escolas. A da foto é a EM Três Unidos, que atende os anos iniciais do Ensino Fundamental e possui laboratórios de Informática e Ciências. Aulas para todos Última parada da viagem, a Área de Proteção Ambiental (APA) do Rio Negro tem duas escolas. A da foto é a EM Três Unidos, que atende os anos iniciais do Ensino Fundamental e possui laboratórios de Informática e Ciências. Rodolfo, um jacaré, vive em frente à EM Três Unidos, na APA do Rio Negro. As crianças, os pais e os professores o chamam e o alimentam, mas sempre com cuidado. Na comunidade, convivem famílias indígenas e não indígenas. Um amigo jacaré Rodolfo, um jacaré, vive em frente à EM Três Unidos, na APA do Rio Negro. As crianças, os pais e os professores o chamam e o alimentam, mas sempre com cuidado. Na comunidade, convivem famílias indígenas e não indígenas.
Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias