Sessão de cinema e de escrita em espanhol

Ao produzir resenhas, a turma estuda tempos verbais, marcadores temporais e vocabulário

POR:
Camila Camilo
No Colégio Miró, os alunos assistiram a flmes com falas e legendas em espanhol. Valter Pontes No Colégio Miró, os alunos assistiram a flmes com falas e legendas em espanhol Divididos em grupos, os alunos discutiram sobre o filme visto e produziram resenhas. Valter Pontes Divididos em grupos, os alunos discutiram sobre o filme visto e produziram resenhas O docente projetou trechos de uma resenha corrigida no quadro e discutiu ponto a ponto. Valter Pontes O docente projetou trechos de uma resenha corrigida no quadro e discutiu ponto a ponto

¿Cuales películas soléis ver? ¿Qué tienen en cuenta al elegirlas? ¿Cómo evalúan lo que veis? Essas foram algumas das perguntas feitas pelo professor de Espanhol Claudio Muzzio para apresentar o estudo do gênero resenha aos alunos do 9º ano do Colégio Miró, em Salvador. As respostas não foram surpreendentes, tendo em vista a faixa etária do grupo. "Em geral, os estudantes preferem filmes de ação, suspense ou terror, e querem assistir a lançamentos e obras que estão em destaque na mídia", diz o docente.

Esse bate-papo foi fundamental para identificar o que a turma já conhecia e passar para a atividade seguinte: a apresentação de modelos de resenha. Muzzio selecionou, no site La Butaca, críticas em espanhol dos títulos citados pela moçada e de outros que estavam em cartaz no período. O objetivo era que os adolescentes compreendessem que a resenha fornece uma análise da obra e ajuda quem lê a decidir se vale a pena ir ao cinema. "Eles notaram que os autores desse tipo de texto consideravam aspectos como a qualidade técnica e o trabalho do diretor para avaliar o filme", conta.

No site escolhido pelo professor, há um espaço para comentários dos internautas, que também foi aproveitado em aula. Ele propôs que comparassem as resenhas aos posts dos leitores, geralmente escritos de maneira descompromissada, com opiniões pessoais, sem uma preocupação clara com o embasamento teórico.

É importante os alunos perceberem que, para produzir uma resenha, não basta expressar um ponto de vista. O autor precisa sustentá-lo com argumentos relacionados ao filme, pesquisas sobre o tema tratado e análises de trabalhos anteriores do diretor, entre outros pontos. "O estudante deve aprender a construir sua opinião e colocá-la no texto, habilidade que será exigida dele com frequência ao longo da vida", esclarece Ivani Cristina Silva Fernandes, professora adjunta da área de Espanhol da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

O foco na prática social deve estar no horizonte do professor, defende Celina Fernandes, consultora em Língua Estrangeira. "A escola é o lugar para apresentar aos alunos os gêneros textuais que são, de fato, produzidos em espanhol, suas reais características e os leitores a quem eles se voltam", completa. Além de contribuir para que a turma compreenda a função da resenha, a apresentação de modelos é um bom momento para destacar elementos gramaticais recorrentes, como o tempo verbal usado e a presença de marcadores discursivos que ligam, relacionam ou ordenam ideias - sin embargo, además, sobretodo, mejor dicho etc. Vale ainda usar essa etapa para mostrar aos estudantes o vocabulário específico da área, ressaltando palavras como película, director, actor e actriz.

Escrever, revisar e publicar

Muzzio, então, levou para a sala de aula os trailers de Zona do Crime (Rodrigo Plá, 97 min, Wild Bunch) e Maria Cheia de Graça (Joshua Marston, 101 min, HBO Films) e pediu que os estudantes escolhessem a qual gostariam de assistir. Eles optaram pelo segundo, e viram uma versão com falas e legendas em espanhol. Após a exibição da obra, o docente pediu que escrevessem uma resenha em duplas, tendo como base os modelos vistos nas aulas anteriores e as impressões sobre o filme.

Na aula seguinte, a classe leu uma sinopse de O Labirinto do Fauno (Guillermo del Toro, 112 min, Warner Bros) e uma entrevista com o diretor. A intenção do professor era ampliar os conhecimentos da turma sobre o filme. Na sequência, todos assistiram a obra completa e escreveram resenhas em grupos.

As primeiras versões revelaram dificuldades dos alunos com alguns marcadores temporais, em especial os muito diferentes da língua portuguesa, como mientras. Outra dúvida recorrente era sobre o uso dos verbos irregulares no pretérito indefinido. Enquanto os regulares terminam sempre da mesma forma - amar, él amó; cantar, él cantó - os irregulares apresentam opções diferentes, que confundiram os estudantes. Eles se equivocavam, por exemplo, com o huir, que no passado fica huyó, trocando "i" por "y". "Nesses casos, gosto de indicar que recorram aos dicionários espanhol-espanhol que temos na escola ou à internet para encontrar a conjugação correta", explica o educador. Para encaminhar as atividades, ele projetou os textos na sala, destacando o que precisava ser ajustado, e solicitou a reescrita.

Celina lembra que revisar as produções é fundamental. Embora muitos docentes acreditem que essa é a hora de ficar atento apenas à ortografia ou à gramática, deve-se ter em vista a análise e a reflexão sobre a língua. É preciso parar, observar a produção e ver como ela chegará ao leitor. "Nesse momento, são levantados pontos que o escritor tem de considerar quando produzir a nova versão do texto", diz. Uma sugestão: criar uma pauta de revisão. O professor pode formular com os alunos os tópicos que não devem faltar em cada produção, tendo como base as análises dos exemplos de resenha feitas anteriormente. De acordo com Sandra Baumel Durazzo, diretora da Target Idiomas, a lista ajuda a guiar a revisão que cada um fará.

Quando as novas versões dos textos estavam prontas, Muzzio as apresentou à sala e propôs que os grupos elegessem a que possuía a ficha técnica mais completa, qual contava a história de forma mais clara e atrativa e aquela que fazia críticas contundentes. O objetivo era formular uma versão final única, que representasse toda a turma e pudesse ser publicada no site da escola. O professor relata que nem sempre os estudantes chegam a um acordo. Em outros anos, com turmas mais numerosas, as opiniões eram muito diferentes e todas as resenhas tiveram de ir para a internet, o que não é um problema.

O importante é que, no fim da atividade, os alunos ganhem confiança para produzir textos opinativos em espanhol e aprendam que, para conhecer previamente um filme, uma estratégia é recorrer a bons textos críticos, como os que foram escritos por eles e estão no site do colégio.

1 Conhecer referências Converse sobre os flmes de que a turma gosta. Apresente resenhas deles em espanhol e discuta como são construídas. Atente para aspectos de linguagem que caracterizam o gênero.

2 Ver um filme e resenhá-lo Apresente dois trailers de filmes com falas e legendas em espanhol. Peça que os jovens escolham um para assistir em classe. Em seguida, peça que escrevam uma resenha em dupla, retomando os temas discutidos na etapa anterior.

3 Revisar e reescrever Após ler as produções dos alunos e identificar problemas comuns, proponha uma revisão coletiva. Analise também questões mais pontuais e as aponte aos alunos. Proponha que preparem a versão final do texto.

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias