Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Notícias

Entre na roda para aprender capoeira

Ao som do berimbau, as crianças conheceram os movimentos dessa luta típica brasileira

POR:
Wellington Soares, NOVA ESCOLA, Beatriz Vichessi
Lindinalvo Natividade <i>(no centro)</i> realizou rodas de capoeira na EM Aureliano Portugal. Fernando Frazão Lindinalvo Natividade (no centro) realizou rodas de capoeira na EM Aureliano Portugal Com um jogo no estilo pega-pega, a turma se divertiu e conheceu o contexto da capoeira. Fernando Frazão Com um jogo no estilo pega-pega, a turma se divertiu e conheceu o contexto da capoeira

Os alunos do 3º ano da EM Aureliano Portugal, em Rio Claro, a 128 quilômetros do Rio de Janeiro, têm ginga e fazem bonito nas rodas de capoeira. Eles aprenderam bastante sobre essa manifestação cultural com a sequência de trabalho organizada por Lindinalvo Natividade. Ele não só ensinou a turma a jogar mas também tratou do contexto que envolve a prática e desmistificou conceitos equivocados e preconceitos que habitam o imaginário popular.

No início do trabalho, o professor organizou uma conversa para que as crianças contassem o que sabiam sobre a prática e tirassem dúvidas. Um estudante quis saber se os capoeiristas se machucam quando jogam. Natividade contou que os golpes não são dados de verdade. As pessoas só simulam o combate. Outro perguntou: "Capoeira é macumba?". O professor explicou que macumba é o nome de um instrumento musical tocado durante a luta.

No diálogo com os alunos, Natividade também identificou os que já sabiam jogar: no contraturno, alguns deles participavam de aulas do programa Mais Educação, do Ministério da Educação (MEC). "Eles me ajudaram a demonstrar os golpes", conta o professor.

As aulas seguintes começaram com jogos que têm a ver com o histórico da capoeira. Em um deles, um aluno representa o capitão do mato e tem de perseguir o colega que representa o escravo fugido. Distribuído pela quadra, o restante da turma se divide em trios: frente a frente, duas crianças dão as mãos e erguem os braços (formando uma casa) e a terceira permanece entre elas (dentro da casa). Ao correr para fugir do capitão, o escravo tem de buscar uma casa para se proteger. Ao entrar, ele expulsa quem está nela. Esse estudante, então, passa a ser o fugitivo. Se o capitão consegue pegá-lo, eles trocam de papel. "O objetivo é brincar e fazer o aquecimento para as etapas seguintes, considerando o contexto histórico: os escravos em fuga, o capitão do mato, que sempre tentava levá-los de volta à senzala, os quilombos...", explica Natividade.

De acordo com José Francisco Chicon, da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), destacar a prática do ponto de vista histórico e social é uma função importante do professor. No livro Capoeira: Do Engenho à Universidade (Gladson de Oliveira Silva, 263 págs., Ed. Cepeusp, tel. 11/3091-3554, edição esgotada), há outros jogos que têm a capoeira como pano de fundo.

Ginga e golpes de ataque e de defesa

Para aprender a atacar e se defender, os alunos experimentaram os golpes em duplas. Fotos: Fernando Frazão
Para aprender a atacar e se defender, os alunos experimentaram os golpes em duplas

Natividade trabalhou alguns movimentos básicos da capoeira, como a ginga. Para executá-la, o capoeirista deve se movimentar de um lado para o outro, colocando para trás, na diagonal, ora a perna esquerda, ora a direita, com os joelhos flexionados. O professor desenhou triângulos com giz, no chão da quadra, e deu as instruções para a garotada: "Cada pé deve ficar em cima de uma das pontas da figura e, alternadamente, pisar na terceira. Assim, as pernas jamais se cruzam, o que tiraria o equilíbrio do corpo e tornaria a pessoa um alvo fácil para o adversário".



De acordo com Thiago de Souza, professor da Universidade Gama Filho (UGF), da Escola da Vila, do Colégio Santa Cruz e da Escola Internacional Saint Francis, todos em São Paulo, vale fazer um trabalho cuidadoso com a ginga. "Ela é a assinatura do capoeirista. Segundo a tradição, ao observar o gingado é possível analisar o temperamento do oponente, seu estilo de jogar", conta Souza. A inclinação do corpo e a velocidade do movimento são pontos que podem variar.

Durante a vivência, Natividade tocou pandeiro no ritmo da capoeira. As rodas sempre são acompanhadas de música e é importante que a prática escolar também tenha esse elemento. Se não for possível recorrer a instrumentos musicais e tocá- los ao vivo, nada de deixar as aulas em silêncio. Recorra a CDs e gravações no YouTube. Duas sugestões: O Menino É Bom, do Mestre Toni Vargas, e Mata Fechada, do Mestre Boa Voz.

Na etapa seguinte, o professor reuniu a meninada para assistir ao filme Besouro - Nasce um Herói (João Daniel Tikhomiroff, 120 min, Buena Vista International), que conta a história de um dos mais célebres capoeiristas brasileiros. Natividade propôs um debate sobre alguns aspectos sociais da capoeira. É interessante também recomendar que as crianças observem com atenção as cenas de luta e o jeito de gingar dos personagens.

Em seguida, a garotada voltou a se mexer. O educador trabalhou movimentos de defesa e de ataque com o grupo. Ele apresentou os golpes e depois pediu que os estudantes tentassem reproduzi-los. Enquanto isso, circulou entre eles tocando pandeiro, observando a execução dos movimentos, sugerindo ajustes para aperfeiçoá-los e dando suporte para quem ainda não se sentia seguro a fazer os golpes sozinho.

Quando a turma já estava mais familiarizada com a ginga e com os golpes, Natividade organizou duplas para que os alunos vivenciassem a luta, atacando e defendendo. Antes de a criançada iniciar o combate, o educador e um estudante que já praticava a atividade no contraturno serviram de modelo para os colegas.

Para finalizar, capoeiristas do Centro Esportivo de Capoeira Quarto Crescente, do qual Natividade participa, foram até a escola. Eles levaram instrumentos musicais típicos e os alunos puderam vê-los de perto, ouvir o som que produziam e, é claro, tocá-los. Três rodas foram organizadas: uma só para as crianças, outra só para os convidados e, por fim, mais uma para todos jogarem juntos. Foi uma oportunidade valiosa para o grupo da Aureliano Portugal: além de assistir ao vivo a performance de pessoas que já dominam a técnica, a turma teve a chance de interagir com elas. A capoeira, tal como outras lutas - o judô, por exemplo -, tem regras. Uma delas é sempre cumprimentar o oponente com um aperto de mão antes e depois de lutar. Outras são nunca dar as costas ao adversário, em sinal de respeito a ele, e bater palmas para marcar o ritmo.

"A criançada teve a oportunidade de colocar em cena o que sabia, aprendeu coisas novas e se divertiu ao som do berimbau e do atabaque", conta Natividade.

1 Apresentando a capoeira Pergunte aos alunos o que eles conhecem sobre a prática. Quem já sabe jogar? Apresente o histórico relacionado aos negros escravizados e responda às dúvidas que surgirem.

2 Hora de gingar Apresente os principais movimentos, como a ginga e golpes de ataque e defesa. Peça que os alunos experimentem fazê-los individualmente e em duplas. Garanta que a vivência tenha música. Se necessário, recorra a gravações em áudio.

3 Todos de olho na tela Apresente o filme Besouro - Nasce um Herói e converse com as crianças sobre o surgimento da prática, o preconceito contra os negros e as tradições africanas.

4 O momento final, a roda Organize uma roda para a criançada jogar. Se possível, convide capoeiristas para visitar a escola e peça que eles levem os instrumentos musicais típicos e joguem com os alunos.

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias

Tags

Guias