Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

10 dicas para manter a saúde do professor

Não é fácil! Professores falam por horas seguidas. Por falta de orientação, repetem movimentos que podem prejudicar a coluna. Sem falar nas situações de estresse. Abaixo, NOVA ESCOLA lista 10 dicas práticas de especialistas para preservar a saúde

POR:
Alexandre de Melo

1 - Mantenha a boa postura da coluna e do corpo em pé.
Crie o hábito de vigiar a maneira como o corpo fica ao longo do dia e tente se lembrar de boas práticas. Reveze os momentos em pé e sentado. Quando estiver em pé, mantenha os joelhos levemente flexionados para não forçar as articulações. Procure usar roupas e sapatos confortáveis. Roupas largas ajudam circulação do sangue e na mobilidade. O professor de Ciências Felipe Bandoni de Oliveira, do Colégio Santa Cruz, em São Paulo (SP) desenvolveu sua aula a partir de crenças que o senso comum tem sobre a Lua. Ele ensinou aos alunos da EJA noções básicas de Astronomia e mostrou como a Ciência investiga fenômenos da natureza. Na foto, ele se posiciona em pé de maneira adequada. Foto: Marina Piedade 

2 - Faça a gachamentos corretos.
Se for necessário agachar repetidas vezes (em especial na Educação Infantil), flexione joelhos, não curve a coluna e mantenha os pés afastados e voltados  para frente. Dessa forma é mais fácil manter o equilíbrio.

foto da reportagem  
3 - Mantenha p ostura confortável no computador.
Sentado de frente ao computador, procure ficar alinhado. Deixe o monitor na altura dos olhos, quadril próximo do encosto, antebraços apoiados e cotovelos posicionados na altura da mesa. Como opção, é válido usar almofadas no assento para ajustes e usar apoio para os pés.
foto da reportagem  
4 - Evite desgastes desnecessários  da voz. 
Diminua ruídos externos que podem forçar o aumento do volume da sua voz. Feche portas e janelas desnecessariamente abertas, por exemplo.
Alexandra Hardt Carlini, professora de Arte do Colégio Piramis e do Colégio Maria Estela Sabidinho, com a mão na garganta. 
5 - Mantenha hábitos de manutenção da voz.  
Para hidratar as cordas vocais, tome bastante água. Especialistas pedem moderação no uso de pastilhas porque alguns tipos podem ser prejudiciais. Se a estrutura da escola permitir, use acessórios como microfones nas salas de tamanho maior.
  NADA DE GRITOS E PÓ Rejane, de Pedro Leopoldo, usa painéis que dispensam giz e microfone para curar os problemas de voz 
6 - Pratique atividades físicas regularmente.
Reservar um tempo para praticar atividades físicas durante a semana é valioso para manter a energia nas aulas. Caminhar 30 minutos por dia, por exemplo, pode trazer grandes benefícios no combate à obesidade, melhorar o humor e evitar doenças.
  Emagrece Brasil - Sedentarismo e atividade física
7 - Cultive hobbies.
É vital manter atividades prazerosas fora do ambiente de trabalho.  Mesmo com uma rotina atribulada, reserve um tempo para hobbies: ler, ouvir música, artesanato, jardinagem, fotografia. Além da função relaxante, essas atividades podem acrescentar no exercício da profissão e contribuem na prevenção de problemas psicológicos.
  UMA NOVA VIDA Para pôr fim a depressão, Valéria, que leciona em Osasco diminuiu as aulas e aumentou o lazer
8 - Diminuia  o ambiente de estresse com planejamento.
Para prevenir desgastes, a organização e o planejamento da aula facilitam o controle disciplinar da turma. Proporcionar um ambiente mais democrático, por exemplo, pode atrair a confiança dos alunos. Aproveite os momentos de troca de informações com outros professores para dosar o nível de preocupações. Invista em proporcionar boas relações no ambiente escolar.
Repensar o planejamento da aula pode facilitar no controle disciplinar da turma e diminuir desgastes. Proporcionar um ambiente mais democrático, por exemplo, pode atrair a confiança dos alunos. Aproveite os momentos de troca de informações com outros professores para dosar o nível de preocupações. Invista em proporcionar boas relações no ambiente escolar. 
9 - Identifique sinais de depressão e busque apoio especializado.
Uma pesquisa do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) de 2012 revela que 40% dos docentes afastados por problemas de saúde tiveram algum tipo de transtorno psiquiátrico, principalmente depressão e ansiedade. Por vergonha, preconceito ou por não mensurar o tamanho do problema, a pessoa com depressão nem sempre procura ajuda médica (psicólogos, psiquiatras) no início do transtorno. Esse apoio especializado é determinante para combater a doença. 
Imagem que ilustra o plano de aula
10 - Identifique materiais que trazem alergia e, se possível, substitua. 
Vilão da alergia de muitos professores, o giz ainda é utilizado em salas de aula. Seu material cáustico pode ser a causa ou o agravante de dermatites de contato, além de facilitar alergias respiratórias, rinites e crises de tosse. Procure usar outros recursos quando possível. Para diminuir os problemas decorrentes do uso de giz, utilize hidratantes nas mãos e beba bastante água.
Mariluci Kamisaka, professora da EE Maria Odila Guimarães Bueno. 

 

Consultoria/Entrevistas

Gabriel Lahóz Moya, fisioterapeuta da Sanitas Corpus e mestre pela Faculdade de Medicina da USP
Ana Paula Castro, diretora da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia
Telma Vinha, professora de Psicologia Educacional da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
Fabio Luiz D'Angelo, coordenador pedagógico do Instituto Esporte e Educação
SINPRO SP - Sindicato dos Professores de Escolas Particulares São Paulo
APEOESP - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo

 

 

Deixe seu email e mantenha-se atualizado para assuntos de saúde na educação

Tags

Guias

Tags

Guias