Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Impulso idiomático

Iniciar o ensino de Inglês ou Espanhol com palavras e expressões já usadas no dia-a-dia é uma maneira de introduzir a disciplina no 6º ano

POR:
Rodrigo Ratier
INGLÊS COTIDIANO Com a ajuda da professora Edileusa, alunos montam o painel de estrangeirismos. Foto: Marina Piedade
INGLÊS COTIDIANO  Com a ajuda da professora Edileusa, alunos montam o painel de estrangeirismos. Foto: Marina Piedade

A cada começo de ano, a professora Edileusa Andrade de Carvalho, da EMEF Presidente Kennedy, em São Paulo, vivia um dilema: como apresentar a Língua Inglesa à 5a série? "Os alunos davam de cara com a gramática e travavam, achando que não aprenderiam o idioma", conta. O conhecimento didático atual vê o desafio de forma diferente: defende que o professor introduza as regras em situações reais de comunicação para que o aluno aprenda a Língua Estrangeira fazendo uso dela. Com essa perspectiva, Edileusa e as colegas Caroline Almeida e Mirian Márcia de Sousa criaram uma seqüência didática de apresentação do Inglês baseada na identificação de estrangeirismos (veja atividade inspirada no projeto no quadro da página abaixo).

Estrangeirismos são expressões de outras línguas usadas em nosso dia-a-dia. Exemplo: pedir um fast food pelo delivery e pagar em cash. Goste-se dessa tendência ou não, o fato é que a globalização fez do Inglês uma língua universal, com muita influência sobre todas as demais. Incentivada pela proposta de buscar essas palavras no cotidiano, a turma da 5a série de Edileusa encheu a lousa com 38 exemplos. "Quando comecei a aula, muitos disseram que não sabiam nada de inglês. Depois da atividade, mudaram de opinião", relembra ela.

A seqüência didática proposta por Edileusa é para o Inglês, mas a forma de trabalho pode ser aproveitada para outros idiomas. Professor de Espanhol no Colégio Miró, em Salvador, Cláudio Fernando Muzzio também costuma apresentar o curso citando o castelhano utilizado no dia-a-dia. "Todos dominam músicas, filmes, lugares... Enfim, percebem que já sabem algo." Celina Fernandes, consultora de Língua Estrangeira em São Paulo, lembra que a avaliação do conhecimento prévio pode considerar diversas situações. "Os alunos sabem, por exemplo, brincar com jogos de tabuleiro em inglês, fazer pedidos num restaurante, convidar um amigo para sair. Valorizar essas habilidades construídas nas interações sociais aproxima o jovem de um idioma diferente do seu", explica.

Tão importante quanto essa apresentação da língua estrangeira é vincular conteúdos a ela. Edileusa, por exemplo, pede que os alunos comparem semelhanças nos nomes de lanchonetes que tenham a terminação -'s. É a deixa para explicar o caso genitivo, que indica posse ou propriedade. A conversa sobre comida, aliás, abre possibilidades para inserir outros conteúdos em situações comunicativas. "Sigo o trabalho apresentando receitas culinárias. É uma forma de mostrar o uso de verbos e substantivos relativos a quantidades e ao modo de fazer", sugere.

Seqüência didática Estrangeirismos no dia-a-dia

Objetivos
- Identificar o uso de expressões estrangeiras usadas no cotidiano.
- Conscientizar os alunos do que eles já sabem.

Conteúdos
- Estrangeirismos.
- Caso genitivo (genitive case ou -?s).

Ano
6º ano.

Tempo estimado
Cinco aulas.

Material necessário
Cartolina e pincéis atômicos.

Desenvolvimento
1ª Etapa
Verifique as expressões que os alunos conhecem em inglês. Pergunte se eles vão ao shopping. O que significa essa palavra? E, no computador, que palavras surgem? Peça que os alunos façam uma lista de estrangeirismos do dia-a-dia. Escreva no quadro os termos e pronuncie-os com a classe.

2ª Etapa
Hora de classificar as palavras escolhidas. Apresente à turma um painel de cartolina com as seguintes divisões: technology, food, stores, others ("tecnologia", "comida", "lojas", "outros"). Explique o significado das categorias sem traduzi-las: use gestos e exemplos simples, como "hamburger is food". Divida a turma em grupos e proponha que cada um organize as expressões relativas a uma categoria. Entregue tiras de cartolina em branco e peça que escrevam nelas as palavras selecionadas. Os alunos devem colá-las no painel embaixo da coluna correta.

3ª Etapa
Entre as palavras sugeridas, escolha algumas terminadas em -?s: Habib?s, Bob?s, McDonald?s... Pergunte o que os três nomes têm em comum. Leve-os a perceber o uso do -?s (o caso genitivo) e explique que a terminação indica posse - ou seja, que a lanchonete pertence ao Habib, ao Bob ou ao McDonald. Peça à classe que cite lojas locais que levam o nome do dono: Toninho Bar, Pizzaria Fabrício... Como ficariam se seguissem a regra dos nomes de estabelecimentos em inglês? Transforme alguns exemplos com os alunos ("Toninho?s", "Fabrício?s") e deixe-os exercitar com outros.

4ª Etapa
Para finalizar, sugira que os alunos criem um estabelecimento, desenhem um logotipo (símbolo que o identifica) e dêem a ele seus nomes usando o caso genitivo.
Avaliação
Registre a evolução de cada aluno, obervando a participação na pesquisa das palavras, na montagem do painel e na pronúncia. Confira se os que já estudam Inglês seguem motivados.

CONSULTORIA Edileusa Andrade de Carvalho, professora de Língua Inglesa da EMEF Presidente Kennedy, em São Paulo, e Celina Fernandes, consultora de Língua Estrangeira.

Quer saber mais?

CONTATOS
Celina Fernandes
, cel.fernandes@uol.com.br
Colégio Miró, Rua Cândido Portinari, 58, 40140-440, Salvador, BA, tel. (71) 3235-6757
EMEF Presidente Kennedy, R. Acuruí, 700, 03355-000, São Paulo, SP, tel. (11) 6673-4196

BIBLIOGRAFIA
Referencial de Expectativas para o Desenvolvimento da Competência Leitora e Escritora no Ciclo II: Caderno de Orientação Didática de Inglês
, Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. Texto disponível para download no site http://arqs.portaleducacao.prefeitura.sp.gov.br/publicacoes/ingles.pdf

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias