Compartilhe:

Jornalismo

Enviados especiais aos confins do espaço

Projetadas para coletar dados, imagens e sons dos planetas gigantes, as sondas Voyager mudaram totalmente o jeito de ver o sistema solar

PorLuiz Carlos Marin

01/02/2000

Estação de lançamento da Nasa: os bilhões de dólares gastos com pesquisa espacial poderiam ser usados para acabar com a fome no mundo? Foto: NASA
Estação de lançamento da Nasa: os 
bilhões de dólares gastos com 
pesquisa espacial poderiam ser 
usados para acabar com a 
fome no mundo? Foto: NASA

Há vinte anos, no dia 12 de novembro, as imagens mais marcantes até então obtidas de Saturno começaram a ser recebidas pela Nasa, a agência espacial norte-americana. A responsável pelo feito foi a Voyager 1, nave que havia sido lançada ao espaço no dia 5 de setembro de 1977. Apesar de entrar em órbita dezesseis dias depois do protótipo 2, ela chegou às proximidades do planeta dos anéis onze meses antes e cumpriu satisfatoriamente seu programa.

Ambas tinham como missão se aproximar dos gigantes do sistema solar ? Júpiter, Saturno, Urano e Netuno ? para coletar dados geológicos e pesquisar a composição, a estrutura e a dinâmica da atmosfera desses planetas. Seus instrumentos permitiram obter valores mais exatos dos tamanhos e massas desses corpos, além de dados sobre a forma e a composição de seus anéis e campos magnéticos. As duas transmitiram cerca de 18000 imagens de Júpiter e outras 16000 de Saturno, incluindo fotos nunca antes vistas de seus anéis e satélites. Muitas delas estão no site da Nasa (http://www.nasa.gov). Cumprida a primeira missão, a Voyager 1 só voltou à ativa em 1990, obtendo um retrato de como Vênus, Terra, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno são vistos de fora do sistema solar. Hoje, elas continuam se afastando do Sol. Rumo aos confins do Universo.

Ciências
8ª série
Recorde de distância

Viagens interplanetárias e exploração espacial podem ser transformadas em aulas fascinantes. Marcos Engelstein, professor do Colégio Santa Cruz, de São Paulo, propõe aproveitar o tema para mostrar e discutir o panorama das conquistas espaciais nas últimas duas décadas e traçar um perfil dos avanços tecnológicos que elas trazem como subproduto.

1. Comece mostrando a seus alunos a velocidade com que a Voyager está se afastando do Sol. Essa marca é de cerca de 3,5 unidades astronômicas por ano. Explique aos alunos o que significa essa medida. Uma unidade astronômica é igual a 150 milhões de quilômetros, a distância da Terra ao Sol. Ou seja, em um ano a sonda anda 3,5 vezes essa distância.

2. Em 17 de fevereiro de 1998, ela atingiu a maior distância já alcançada por um dispositivo feito pelo homem. Está agora a mais de 10 bilhões de quilômetros da Terra. Peça aos alunos que calculem quanto tempo leva um sinal de rádio para sair de um observatório terrestre e chegar à Voyager. A resposta: mais de nove horas.

3. Divida a turma em grupos e peça que pesquisem as descobertas mais significativas das Voyager. Elas encontraram no total 22 novos satélites: três em Júpiter, três em Saturno, dez em Urano e seis em Netuno. Também descobriram os anéis de Júpiter. De Saturno, a sonda 1 obteve inúmeros detalhes acerca de seus anéis e da circulação dos gases na sua atmosfera. Nos satélites Io (de Júpiter) e Tritão (de Netuno), foram detectadas atividades vulcânicas e formações semelhantes a gêiseres, respectivamente.

4. Ainda em grupo, os alunos podem fazer um levantamento das conquistas espaciais dos últimos vinte anos. Fale sobre os satélites artificiais, científicos ou não, e explique o conceito de geoestacionário. Discuta com eles as principais mudanças ocorridas nesse período e os avanços diretos em diversas áreas, como a das comunicações ? o programa Intelsat é um bom exemplo ?, além de benefícios que se estenderam a outros setores, como o agrícola. Saliente ainda o papel fundamental desempenhado pelo Telescópio Espacial Hubble, um projeto que permitiu estender os sentidos humanos ao espaço interplanetário e interestelar.

Ciências e Geografia
8ª série
O papel da tecnologia

É fundamental mencionar as atividades brasileiras no setor, desenvolvidas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e efetuadas na base de Alcântara, no Maranhão. No site do INPE (http://www.inpe.br) encontram-se muitas informações.

1. Discuta com os alunos os fracassos dos projetos Saci 1 e 2. Compare-os com outros já ocorridos, como o de uma das sondas Mars, dos Estados Unidos, ou ainda como os que resultaram em catástrofes ? caso da Challenger e da Apollo 1. Além das mortes, houve perdas financeiras, como ocorre sempre que um projeto apresenta falhas.

2. Muitos argumentam, por isso, que o dinheiro aplicado numa investigação fracassada poderia resolver o problema da fome. É válido esse argumento? O projeto Voyager custou no total cerca de 860 milhões de dólares. Discuta com os alunos se teria sido mais vantajoso para a humanidade canalizar esses recursos para reduzir o problema da fome. Quanto da fome e por quanto tempo teriam resolvido alguns milhões de dólares destinados à pesquisa espacial?

3. O desenvolvimento científico ajuda a solucionar as questões sociais ou desvia os recursos que poderiam ser destinados a essa área? E os benefícios desse desenvolvimento não são úteis tanto hoje como para as gerações futuras? O professor de Geografia pode ajudar discutindo com os alunos as principais causas dos problemas sociais. Se temos condições de produzir alimentos para toda a humanidade, por que isso não acontece? É por falta de recursos? Vale lembrar que as nações que dominam os conhecimentos tecnológicos são exatamente as que detêm maior parcela de poder, inclusive econômico.

continuar lendo

Veja mais sobre

Últimas notícias