Arte

Dois craques da arte contemporânea entram em campo e revelam as invenções alemãs

POR:
NOVA ESCOLA
Teus Cabelos Cinzentos, Sulamita, de Anselm Kiefer: contradições. Foto: Christie's Images/Corbis/Stock Photos
Teus Cabelos Cinzentos, Sulamita, de Anselm Kiefer:
contradições. Foto: Christie's Images/Corbis/
Stock Photos

Durante o Renascimento, o pintor alemão Albrecht Dürer (1471-1528) fez obras comparáveis às do gênio italiano Leonardo da Vinci (1452-1519). No fim do século 19, seus conterrâneos criaram o expressionismo, movimento artístico importante para a chamada Vanguarda Moderna do século 20. A Alemanha sempre foi um país de destaque na arte e hoje é um dos maiores centros de discussão e irradiação de obras contemporâneas.

Entre os artistas mais queridos no país está Joseph Beuys - pronuncia-se Jôsef Bóis - (1921-1986). A solidariedade presente na Copa é algo parecido com o que Beuys se inspirou para fazer arte. Ele caiu com seu avião em terras inimigas durante a Segunda Guerra. A população local ajudou-o a tratar as feridas e enrolou o seu corpo com capim para que não morresse de frio. Beuys aprendeu a lição e passou a criar obras para mostrar a importância da solidariedade. Numa de suas produções, convocou a população de uma cidade a plantar árvores, colocou uma pedra ao lado de cada muda e ergueu uma montanha com rochas para marcar o gesto.

Já as criações de Anselm Kiefer, nascido em 1945, mostram como nossa vida é formada de coisas boas e ruins, de glórias e sofrimentos, e que essa mistura é que dá significado à nossa existência. Kiefer usa imagens e palavras conhecidas dos alemães para resgatar lendas, mitos e histórias de seu país.

Plano de Aula 3ª e 4ª séries

Happening e reflexão


O Fim do Século 20, instalação de Joseph Beuys: solidariedade. Foto: Divulgação
O Fim do Século 20, instalação de
Joseph Beuys: solidariedade.
Foto: Divulgação
1. Apresente à turma a técnica e a obra de Beuys e Kiefer e sugira exercícios inspirados nas idéias deles. A atividade vai levar as crianças a refletir sobre o que é arte. Ao falar de Beuys, explique que a manifestação artística que ele propôs, ao empilhar as rochas, é uma conjugação de instalação e happening, duas estratégias características da arte contemporânea. Coordene uma ação coletiva com os estudantes (como arrecadar alimentos ou agasalhos) e peça que todos criem um cartão ou pequeno objeto para ser entregue a cada colaborador como símbolo do ato de solidariedade. O desafio artístico é inventar o objeto usando os recursos disponíveis na escola.

2. Quando estudar Kiefer, explique que relembrar o passado auxilia a refletir sobre o presente. Conte aos estudantes que o nazismo foi um movimento político e social do qual o povo alemão não se orgulha, mas tampouco ignora. Por isso, esse artista colocava arrependimentos lado a lado com virtudes, para que todos tivessem consciência de que somos a soma dessas contradições. Peça que a garotada crie um desenho ou uma pintura com base em alguma lembrança, boa ou ruim, e conclua o trabalho escrevendo uma palavra ou uma frase sobre a imagem (um trecho de poesia, por exemplo). No final, cada um revela sua inspiração.

CONSULTORIA
Marco Pasqualini de Andrade, da Universidade Federal de Uberlândia

Quer saber mais?

Bibliografia
Pós-Modernismo
, Eleanor Heartney, 80 págs., Ed. Cosacnaif, tel. (11) 3218-1444, 36 reais

Internet
O site http://www.smb.spk-berlin.de/, da Galeria Nacional de Berlim, traz informações sobre arte contemporânea (em inglês e alemão)

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias