Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Notícias
01 de Abril de 2008 Imprimir
5 4 3 2 1

Desmatamento no Brasil: o verde em perigo

Mapas e fotografias ajudam jovens do 7° e 9° ano a refletir sobre as causas da destruição de nossos principais biomas

Por: Débora de Menezes

O assunto não sai dos jornais: o Brasil está perdendo áreas verdes. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais estima que 17% da Floresta Amazônica tenha desaparecido do mapa aproximadamente 700 mil quilômetros quadrados, uma área em que caberiam os estados de Minas Gerais, do Rio de Janeiro e do Espírito Santo. Mas não é só ela: 93% da Mata Atlântica não existe mais, e o cerrado encolheu 40% nos últimos dez anos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Os fatores que contribuem para esse quadro preocupante têm como origem a urbanização, o desmatamento para a abertura de estradas e a expansão da agropecuária (veja o infográfico acima ampliado).

Além de causar o empobrecimento da biodiversidade e contribuir para a concentração de gás carbônico na atmosfera, o fim das formações naturais destrói o hábitat de insetos e outros animais, que se tornam vetores de doenças, e ameaça os mananciais. Estudar essa questão e refletir sobre ela com base na leitura de mapas é a proposta do projeto didático que acompanha esta reportagem (leia o projeto didático).

OCUPAÇÃO IRREGULAR - Represa Billings, em São Paulo: vítima da expansão urbana. Foto:Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental
OCUPAÇÃO IRREGULAR - Represa Billings, em São Paulo: vítima da expansão urbana. Foto:Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental

Veias abertas

Na Amazônia, a devastação se intensificou na década de 1970, quando o governo estimulou a ocupação da Região Norte, incentivando a população de outras localidades a desbravar a floresta. Assim, estradas foram abertas para facilitar o acesso. Adriana Ramos, coordenadora do Instituto Socioambiental, afirma que 75% da degradação ambiental ocorreu numa faixa de 100 quilômetros de largura ao longo das rodovias.

Já o cerrado tem na cultura de soja a principal causa de seu desaparecimento. A organização não-governamental Conservação Internacional estima que o Brasil pode perder essa formação vegetal até 2030 se o modelo de desenvolvimento do país for mantido. Mato Grosso concentra a maior área plantada. "A falta da mata original e o uso de agrotóxicos agridem os afluentes do Rio Amazonas que nascem ali, afetando a quantidade e a qualidade das águas", avisa o biólogo Mário Barroso, gerente da entidade.

A Mata Atlântica, por sua vez, foi deteriorada pelos procedimentos usados na extração do ouro no início da colonização e, posteriormente, substituída por plantações de cana-de-açúcar e de café. Hoje a preocupação é a expansão urbana, especialmente na costa do Sudeste. Sem fiscalização, as áreas são preenchidas por propriedades irregulares, o que causa excesso de lixo, poluição dos mananciais, falta de água e exclusão social.

Toda discussão facilita o entendimento sobre o que é desenvolvimento sustentável e leva os alunos a refletir sobre ações de preservação ambiental que diminuam o impacto causado pelo homem.

 

Quer saber mais?

Contato
Rosângela Doin de Almeida
, rdoin@terra.com.br

Bibliografia
A Última Floresta: A Amazônia na Era da Globalização, Mark London e Brian Kelly, 412 págs., Ed. Martins Fontes, tel. (11) 3116-0000, 54 reais

Cartografia Escolar, Rosângela Doin de Almeida (org.), 224 págs, Ed. Contexto, tel. (11) 3832-5838, 37 reais

Internet
Conservação Internacional
, www.conservation.org.br

Instituto Socioambiental, www.isa.org.br

SOS MataAtlântica, www.sosmataatlantica.org.br 

Tenha acesso a conteúdos e serviços exclusivos
Cadastre-se agora gratuitamente
Cadastrar