Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Notícias
01 de Agosto de 2001 Imprimir
5 4 3 2 1

Cada lixo no seu lugar

Aproveite o cartaz sobre o tempo de decomposição dos resíduos para discutir o destino dado ao que todos nós jogamos fora

Por: Paulo Araújo

Quando a escola se organiza, é possível mudar muita coisa. Inclusive o destino dado ao lixo produzido na comunidade ao seu redor. A experiência do Colégio Guilherme Dumont Villares, descrita na página 20, mostra exatamente isso. O projeto é fruto de uma parceria com o Instituto 5 Elementos, organização não-governamental que há seis anos se dedica a estudar o tema e já levou suas propostas pedagógicas em Educação Ambiental a quase 2000 professores de São Paulo.

"É importante tirar da cabeça das crianças a idéia de que lixo é sinônimo de sujeira", diz Mika Bojadsen, coordenadora da ONG. "Bem separado para a reciclagem, ele se transforma em ótima fonte de renda." As sugestões a seguir foram criadas por ela especialmente para utilizar, em sala de aula, o pôster que acompanha esta edição de NOVA ESCOLA. Aproveite para ensinar que o lixo tem lugar certo para ser depositado.

O primeiro passo é pendurar o cartaz num local bem visível. Comece mostrando que a reciclagem é um processo fundamental. Ela ajuda a manter o equilíbrio ecológico da natureza, uma vez que os rejeitos sólidos têm longos tempos de decomposição (como se vê no pôster). Depois disso, ensine a separar o lixo em dois grupos principais:

? Inorgânicos inclui metal, papel, vidro e plástico;

? Orgânicos restos de alimentos (pó de café, casca de ovos etc.) e plantas.

É bom que todos conheçam o processo de reciclagem, tanto nas indústrias (que reaproveitam os inorgânicos) como nas usinas de compostagem (que transformam os orgânicos em adubo). Se necessário, prepare uma introdução para refrescar a memória da garotada. Em seguida, promova experiências com base no pôster. Um passeio ao redor da escola pode render uma ótima atividade. A missão: recolher o lixo encontrado no caminho, levá-lo para o pátio e efetuar uma seleção. Providencie luvas, para evitar o contato com substâncias químicas e diminuir o risco de cortes. Caso isso ocorra, lave o local com água e sabão e procure assistência imediata.

Feita a coleta, separe o material. A classificação deve respeitar os critérios de tamanho, idade e provável tempo de decomposição. O cartaz ajuda a localizar este último dado. No final, exponha o resultado na escola. Os alunos devem colar os materiais sólidos em cartolinas, informando tipo, tempo de decomposição e forma de separação de cada um.

Outro experimento serve para mostrar a melhor forma de destinação do lixo. Coloque em três potes transparentes um pouco de material orgânico (cascas e sementes de frutas, por exemplo). Cubra de água o primeiro e de terra o segundo deixe o terceiro só com os restos. Em alguns dias, a primeira mistura vai apodrecer e atrair moscas; a segunda, se transformar em adubo; e a terceira, mofar. A observação faz com que os alunos percebam que os aterros sanitários são o melhor destino para esse tipo de resíduo.

Se a sua escola promove feira de Ciências, organize palestras, levantando os problemas da comunidade (quantidade de lixo produzida, eficiência da coleta etc.), os benefícios da reciclagem para o meio ambiente e os exemplos de coleta seletiva que deram certo, como o de Porto Alegre, (veja na matéria de capa). Para estimular uma discussão mais aprofundada, oriente a moçada numa pesquisa e convide biólogos, ecologistas, o secretário de Saúde ou representantes de entidades ligadas ao tema, para discutir o problema.

Reciclar é preciso

?  Lixo orgânico leva pouco tempo para se decompor, mas pode ser mais bem aproveitado na compostagem. Cascas de frutas e legumes e folhagens de tubérculos nem são lixo e podem ser aproveitadas em receitas.

?  Papel consome árvores, água e energia para ser produzido. A reciclagem poupa tudo. Em dez anos de coleta seletiva, Porto Alegre reciclou 15518 toneladas de papel, preservando 529000 árvores.

?  Cigarro esse é lixo por excelência. Não só para a natureza, mas também para a saúde. As pontas devem ir para o lixo, pois não têm reaproveitamento e demoram até 5 anos para se decompor.

?  Embalagem longa vida e plástico embora sejam considerados materiais recicláveis, ainda não existem técnicas que permitam a reutilização plena. O PET pode ser transformado em fibra para roupas.

?  Vidro e alumínio são as estrelas da reciclagem, porque podem ser usados novamente na forma original. Isso significa retirar menos areia e bauxita da natureza e economizar energia. O Brasil recicla 78% do alumínio. 

Tenha acesso a conteúdos e serviços exclusivos
Cadastre-se agora gratuitamente
Cadastrar