Dobradinhas bem sucedidas

A integração de projetos educacionais com áreas como saúde, esporte e cultura é uma nova diretriz para nossas escolas. Conheça exemplos dessas parcerias e seus ganhos

POR:
Mario Grangeia

Ônibus cheios levam estudantes ao clube ou à academia após as aulas. Técnicos agrícolas viram professores. Médicos e enfermeiros fazem da escola um consultório alternativo. Iniciativas como essas, vividas com sucesso em alguns municípios brasileiros, tendem a se tornar mais comuns agora. Motivo: a integração de programas de Educação com outras áreas, como saúde, esporte, assistência social e cultura, é uma das 28 metas do Ministério da Educação (MEC) no compromisso Todos pela Educação, lançado em abril. Cumpri-las é uma condição para que os municípios inscritos no Plano de Desenvolvimento da Educação recebam apoio técnico e financeiro do MEC.

A associação com outras áreas é vista pelo governo federal como fundamental para melhorar o ensino no país. Essa valorização está ligada à compreensão mais ampla do papel da escola. "Um espaço de inclusão não deve ser também de reclusão. Crianças e adolescentes precisam de experimentações para desenvolver-se integralmente e a articulação com outros setores pode dar ainda mais sentido às aulas, como a compreensão da Matemática por meio da informática", diz a professora Maria do Pilar Lacerda, secretária de Educação Básica do MEC. Nesse sentido, ela destaca o programa Segundo Tempo (ampliação da prática esportiva, desenvolvido com o Ministério dos Esportes) e o Escola Aberta (com opções de lazer e cultura nas escolas nos fins de semana, com a Unesco).

Reduzindo a evasão escolar

Novidade para muitos municípios, a formação de parcerias em prol da Educação é praticada há nove anos em Três Passos, no noroeste do Rio Grande do Sul. O projeto Semeando une as secretarias de Educação, Agricultura e Saúde para direcionar o ensino na zona rural para a realidade dos alunos, motivando-os a continuar na terra - por falta de perspectiva, muitos abandonavam os estudos em busca de emprego nas cidades. A redução da repetência e da evasão escolar (de 4,5%, em 2000, para 0,75%) e a expansão da suinocultura e fruticultura são alguns dos resultados que puseram o Semeando entre as dez iniciativas premiadas como inovadoras em 2006 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Na principal atividade do projeto, cinco técnicos agrícolas dão aulas semanais às 7ª e 8ª séries no contraturno sobre técnicas ligadas à criação de gado leiteiro e suínos, reflorestamento e fruticultura. Eles ainda visitam cerca de 30 propriedades rurais por mês para acompanhar os efeitos das aulas e reúnem-se com os outros professores para planejar conteúdos de maneira interdisciplinar. "Não adianta os alunos esperarem até os 17 anos para ver certas questões, como na minha geração. Agora, a 5ª série já faz exercícios de quantias estudando a produção de leite e frutas, por exemplo", afirma, contente, o técnico agrícola Jair Locatelli, há cinco anos no Semeando.

Vinte profissionais da Secretaria de Saúde de Três Passos, entre médicos, dentistas e enfermeiros, freqüentam as escolas rurais para dar palestras às turmas de 5ª a 8ª séries sobre temas como gravidez precoce, doenças sexualmente transmissíveis (DST) e saúde bucal. "Montamos um cronograma das visitas no início do ano, para os agentes comunitários de saúde atenderem todas as famílias rurais", diz a professora Lenir Buchenir, coordenadora do Semeando. "Além de garantir a saúde e a empregabilidade dos estudantes, nossas parcerias trazem para a sala de aula conteúdos de Ciências ou História, por exemplo, próximos ao cotidiano deles e importantes para sua formação."

Educação e saúde juntas

A atenção especial à saúde das crianças e dos jovens é compartilhada pelo município de Bragança Paulista. Desde 2005, mais de 3 mil alunos da rede foram atendidos pelos projetos do programa Saúde do Escolar, como o Cárie Zero (assistência odontológica), o Olho no Olho (acuidade visual), o Galera, se Liga (prevenção de DST) e Paz e Amor (combate ao abuso infantil). Quatro equipes, com médico, enfermeiro, técnico de enfermagem e técnico administrativo, vão diariamente a uma escola de sua região oferecer as avaliações preventivas (veja fotos de visitas a uma das escolas). Esses encontros têm o reforço de profissionais e estudantes da Universidade São Francisco.

Parceria entre as secretarias de Educação e Saúde, o programa gerou resultados inesperados. "Cerca de 5% dos alunos tinham hipertensão arterial ligada à obesidade. Ao detectar desde cedo esse problema, que não apresenta sintomas, evitamos que eles cheguem aos 30 anos precisando de diálise", frisa a coordenadora do programa, Maria Amália Gouvêa, cardiologista e professora da Universidade de São Paulo. "Ao economizar muitos recursos no futuro com tratamentos caros, a rede de saúde sai ganhando tanto quanto a de ensino." Com base nos dados colhidos, são realizadas reuniões de orientação com pais e professores.

Segundo Maria Amália, novas demandas surgiram, como a necessidade de comprar óculos para quem é diagnosticado com problemas de visão. Não será diferente com o projeto Olhar Brasil, previsto no PDE, em que o MEC e o Ministério da Saúde examinarão alunos do Ensino Fundamental e do Brasil Alfabetizado. "A união com a saúde não objetiva apenas cuidar dos alunos. A Educação é o fator que mais favorece a saúde, como a prevenção de doenças por meio da higiene pessoal", assinala Maria do Pilar Lacerda.

Na cidade gaúcha de Cachoeira do Sul, quatro ônibus passam pelas nove escolas municipais para levar alunos de 2ª a 8ª série a locais onde praticam atividades esportivas e culturais no contraturno. Cada um vai pelo menos duas vezes por semana à sede campestre de um clube, uma academia de ginástica, um ginásio esportivo ou um laboratório de informática, entre oito núcleos conveniados do programa Circuito Esportivo e Cultural (Ciesc A) desde 2005. "Também são oferecidas oficinas de teatro, artesanato e línguas. As aulas de inglês, por exemplo, são feitas em parceria com a igreja mórmon", afirma o professor Cristiano Garcia, coordenador esportivo do Ciesc A. Em parceria com a Secretaria de Saúde e a Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), as escolas recebem médicos e enfermeiros para palestras sobre sexualidade, dengue e outras doenças.

No trânsito e no meio ambiente
 

Em algumas parcerias, a iniciativa parte de outros órgãos públicos. Em Florianópolis, o guarda municipal Abraão Lyncoln Simas levou à Secretaria de Educação, no ano passado, a idéia de um concurso sobre trânsito, a fim de conscientizar as crianças sobre a conduta de motoristas e pedestres. Alunos de 1ª e 2ª séries inscrevem desenhos, enquanto os de 3ª e 4ª séries fazem redações. "Somos surpreendidos pelo conhecimento das crianças sobre o trânsito. Elas se preocupam mesmo com a segurança, enquanto alguns adultos só associam as normas à cobrança da multa", analisa Simas. O júri reúne professores e policiais, e os prêmios, obtidos por meio de doações de empresas, são bicicletas, mochilas e kits escolares para as crianças e aparelhos de DVDs para as escolas.

Outra campanha de conscientização que se vale de uma competição ocorre em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, e envolve as secretarias de Educação, Infra-Estrutura e Meio Ambiente. Em maio, elas premiaram alunos e escolas vencedoras do concurso Educação e Meio Ambiente, com maquetes, desenhos e fotografias do projeto de revitalização da bacia do Rio Betim, visitada pelos estudantes. A idéia era sensibilizar as crianças e suas famílias acerca do destino certo do lixo domiciliar. "Boa parte do lixo era jogado no rio e nos córregos. Só na primeira chuva do ano passado, 40 toneladas de dejetos foram retidas numa barragem", diz a coordenadora do concurso, Neide Soriani.

Orgulhosa da maquete vencedora de seus alunos, a professora Olga Maria Ferreira, diretora da EM Clóvis Salgado, vê o concurso como um incentivo ao debate sobre preservação ambiental, tema abordado também em textos nas aulas de Língua Portuguesa e Arte. "Os alunos se envolveram com o rio e o problema do lixo, recolheram material e elaboraram uma maquete bastante explicativa", lembra Olga. A recompensa pelo esforço foi uma bola de vôlei oficial para a garotada e, para a escola, um computador completo, que foi instalado com internet na biblioteca para uso em pesquisas.

No Rio de Janeiro, as secretarias estaduais de Educação e Ambiente têm como prioridade em comum o ensino voltado para a ecologia. Em abril, 50 escolas enviaram dois alunos e dois professores cada uma para participar de uma oficina na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Eles foram capacitados em questões ambientais e aprenderam a explorá-las conforme prevê a Agenda 21 Escolar. "Essa parceria é indispensável, pois a educação ambiental é um esteio básico no ensino integral do século 21", avalia o subsecretário estadual de Planejamento da Educação, Godofredo Neto. A meta é atingir 400 escolas da rede dentro de um ano. Entre as experiências de cada instituição de ensino, a equipe de educação ambiental destaca os projetos de maquetes, o investimento em plantações e as visitas à Cedae, a estatal de tratamento de águas e esgotos.

A cooperação entre o Ensino Superior e as secretarias de Educação é considerada pelo MEC um caminho promissor para o estabelecimento de parcerias positivas. "Projetos de extensão universitária podem proporcionar boas experiências às crianças e aos jovens", conclui a secretária de Educação Básica, Maria do Pilar Lacerda. "Nossas universidades são fonte de inspiração para todos os níveis de ensino."

Quer saber mais?

Contatos das iniciativas
Semeando - Três Passos (RS)
Coordenadora: Lenir Buchnir
Tel.: (51) 3522-305
Entre em contato por e-mail.
Site oficial.

Saúde do Escolar - Bragança Paulista (SP)
Coord.: Dra. Maria Amália Gouvêa
Tel.: (11) 4034-7772
E-mail.
Site oficial.

Circuito Esportivo e Cultural (Ciesc A) - Cachoeira do Sul (RS)
Coord. esportivo: Cristiano Garcia
Tel.: (51) 3724-6088
E-mail do programa.
Site oficial.

Concurso Educação e Meio Ambiente - Betim (MG)
Coord.: Neide Soriani
Tel.: (31) 3531-3589/1520
Site oficial.

Concurso de Redação e Desenho sobre Trânsito - Florianópolis (SC)
Ass. pedagógico: Charles Schnorr
Tel.: (48) 3251-6102
Guarda municipal Abraão Lyncoln Simas
(48) 3248-0247
Site oficial.

Educação Ambiental e Cidadania - Estado do Rio de Janeiro
Superintendência de Educação Ambiental: (21) 2299-3040
E-mail.
Site oficial.

Leituras
Artigo "Políticas integradas de educação e cuidado infantil: desafios, armadilhas e possibilidades", de Lenira Haddad.

Artigo "Educação em saúde e educação ambiental: uma experiência integradora", de Danielle Grynszpan. 

Compartilhe este conteúdo:

Deixe seu email e mantenha-se atualizado para assuntos de saúde na educação

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias