Educação digital

Tecnologia

POR:
Mariana Queen, Elisa Meirelles, NOVA ESCOLA
Anneliese Medeiros de Brito. Foto: arquivo pessoal
Anneliese Medeiros de Brito, professora de Língua Portuguesa da EMEF Professora Zélia Costa da Cunha, em Jardim do Seridó, RN

Cada vez mais, a tecnologia é vista como aliada do professor em sala de aula. Foi pensando em aproveitar melhor os recursos da rede que Anneliese Medeiros de Brito decidiu procurar uma especialização na área. Professora há oito anos, ela optou pelo curso de Introdução à Educação Digital - parte do Programa Nacional de Tecnologia Educacional (Proinfo), do Ministério da Educação (MEC). A iniciativa é voltada a educadores da rede pública e tem o objetivo de promover a inclusão digital e dinamizar o ensino. Até hoje, mais de 420 mil professores foram capacitados. Anneliese está nesse processo: iniciou as aulas básicas em 2011, criou um blog com os colegas como trabalho de conclusão do primeiro módulo e, este ano, utilizará os recursos aprendidos em projetos com os alunos. "Fui fazer o curso para melhorar minha prática pedagógica. Precisamos estar atualizados", diz ela. O Proinfo é organizado pelo MEC via Secretarias de Educação. Saiba mais na rede em que trabalha ou em abr.io/proinfo.


Contratação
Quais as vantagens e as desvantagens de trabalhar como professor temporário? 
Pergunta enviada por André Felipe Ferraz Júnior, Porto Alegre, RS
 

O principal benefício dos contratos temporários é a renda, já que eles permitem atuar de maneira mais flexível em diferentes escolas. A alternativa, porém, pode levar ao acúmulo de jornada e ao desgaste profissional. Segundo Gilmar Soares Ferreira, da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), esses cargos trazem mais ganhos ao contratante do que aos professores. "O modelo temporário é previsto nos planos de carreira em caráter excepcional, mas muitos governos fazem dele regra para economizar gastos", explica. Lembre-se de que vagas temporárias têm fragilidades: pouca estabilidade, disparidades de carga horária etc.


Mudança de cargo
Como concursada, posso pedir transferência para outra vaga ou tenho de prestar uma nova prova?
Pergunta enviada por Rogéria Maria Garcia, Diadema, SP

Isso vai depender da rede em que trabalha. Confirme se ela possui plano de carreira e se informe sobre as resoluções referentes à elevação de cargo. Há planos que permitem prosseguir sem precisar de um novo concurso. A secretaria pode, por exemplo, optar pela realização de uma seleção interna (entre os educadores que já estão nela). Isso varia conforme o número de oportunidades e candidatos aptos. Lembre-se de que, mesmo para pedir transferência, é preciso ter formação compatível com a vaga e com as exigências legais. "Para dar aula nos anos finais do Ensino Fundamental, por exemplo, é preciso curso superior na área em que vai lecionar", explica Carlos Roberto Jamil Cury, professor emérito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).


233.258

É o total de pessoas que concluíram cursos superiores na área da Educação em 2010.

Fonte MEC

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias

Tags

Guias