Ir para o conteúdo Pular para o menú principal
ANÚNCIO
Você sabia que é possível salvar matérias para ler mais tarde? Use o botão icone ler mais tarde Ler mais tarde
icone menu

A influência do ensino na vida das pessoas

Por trás das estatísticas do nível de alfabetismo, gente que frequentou a escola e não aprendeu

por:
RT
Rita Trevisan
DE PORTA EM PORTA A cada entrevista feita, Vicente registra parte da realidade do país. Foto: Marcos Rosa
DE PORTA EM PORTA 
A cada entrevista feita, Vicente registra
parte da realidade do país.
Foto: Marcos Rosa. Clique para ampliar

Acompanhar a coleta de dados de uma pesquisa sobre alfabetismo é mais que observar a aplicação de questionários. É enxergar a verdadeira influência do ensino na vida das pessoas.

Num dia de maio, na periferia de Santo André, na Grande São Paulo, dois pesquisadores do Instituto Paulo Monte-negro - braço do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) - batiam de porta em porta para colher informações para o Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf) de 2009.

A busca por voluntários para responder às 126 questões é árdua. O discurso de apresentação é repetido com paciência ao público-alvo do Inaf, que têm idade entre 15 e 64 anos. "Estamos fazendo uma pesquisa sobre Educação para ver como o que aprendemos na escola está sendo usado aqui fora." Paulo Vicente e outros 40 entrevistadores, nas ruas do país até o fim de junho, perdem a conta de quantas recusas recebem. "Quando falo que é preciso dispor de cerca de uma hora, muitos desistem de participar." 

Depois de muita caminhada e de dez tentativas frustradas, encontramos a primeira voluntária de Vicente, uma das 2.002 pessoas que irão compor o quadro de entrevistados. Lidiane*, 27 anos, respondeu a todas as questões em 40 minutos (quando, em média, são gastos 50). O questionário mede as habilidades matemáticas, de leitura e de escrita aplicadas no contexto social. Pelo grau de escolaridade que declarou (Ensino Médio completo), ela deveria ter alcançado o nível pleno de alfabetismo. Mas ficou abaixo, no de alfabetismo rudimentar, que corresponde à capacidade de ler números em contextos específicos e localizar informações explícitas em textos curtos.

Outra voluntária, Teresa*, 39 anos, estudou até a 5ª série. Mesmo tendo sido classificada como alfabetizada em nível básico - um abaixo do pleno -, ela sente, no dia-a-dia, as limitações provocadas pela falta de estudo. "Tenho dificuldades para anotar recados", confessou. Ou seja, não consegue elaborar textos curtos, o que se espera para esse patamar.

No fim do dia, Paulo Vicente e o colega José Benedito Ribeiro tinham aplicado sete pesquisas. O semblante dos dois revelava, além de cansaço, tristeza. Eles sabem que carregam um retrato desolador da Educação brasileira nas mãos. "A gente vê nas ruas a realidade do povo no que diz respeito às escolas. É triste. Sonho em ver a maioria dos entrevistados acertar todas as questões. Porém acho que não vou estar vivo para presenciar isso", desabafa Ribeiro.

Está realmente longe o dia de tal desejo se realizar, mas o caminho foi aberto. A porcentagem de pessoas analfabetas absolutas caiu de 12 para 7% entre o período de 2001 e 2007. Nesse mesmo intervalo, o nível de alfabetismo básico aumentou de 34 para 40% e o de pleno passou de 26 para 28%.

Apesar de lamentar o ritmo lento dessa evolução, Ribeiro considera que o seu o trabalho vai além de desvelar um cenário da atualidade. Visa fomentar o debate, estimular iniciativas da sociedade civil e fornecer subsídios para as políticas públicas. Com tudo isso em ação, o sonho do entrevistador - a transformação da realidade de todas as Lidianes e Teresas - talvez fique um pouco mais próximo.

* Os nomes foram alterados para manter o sigilo da pesquisa e preservar a identidade dos entrevistados.

Quer saber mais?

INTERNET
Site do Instituto Paulo Montenegro, com os resultados do Inaf dos anos anteriores. No segundo semestre, serão divulgados os números de 2009.  

ANÚNCIO
LEIA MAIS