Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Twitter: uma ferramenta para ensinar síntese e coesão textual

Confira como utilizar o Twitter pra trabalhar a produção de microcontos e outros tipos de escritos sucintos com turmas do 6º ao 9º ano

POR:
Camila Monroe
No Colégio Hugo Sarmento, alunos do 7º ano exercitam a coesão textual contando histórias com começo, meio e fim no Twitter. Após lerem muitos microcontos, reescreveram textos autorais longos até chegarem a 140 caracteres - ou menos. Foto: Raoni Maddalena
CAPACIDADE DE SÍNTESE
No Colégio Hugo Sarmento, alunos do
7º ano exercitam a coesão textual contando
histórias com começo, meio e fim no
Twitter. Após lerem muitos microcontos,
reescreveram textos autorais longos
até chegarem a 140 caracteres - ou menos.

Misto de blog e rede social, o Twitter virou febre na internet e agora ganha status de ferramenta pedagógica nas aulas de Língua Portuguesa. Usado como meio de comunicação e informação, o site só permite textos de, no máximo, 140 caracteres. O que é bem pouco (para efeito comparativo, a primeira frase desta reportagem tem exatamente o tamanho permitido). As postagens precisam ser sintéticas para caber nesse espaço reduzido e elas têm uma função comunicativa real (o que é fundamental ao trabalhar com produção de textos na escola). Não é exagero nenhum chamar os tuítes (como as postagens são conhecidas) de um novo gênero textual.

Um dos primeiros artigos científicos a investigar as possibilidades didáticas dessas publicações foi escrito pelas professoras Mirta Castedo e Natalia Zuazo, da Universidade Nacional de La Plata, na Argentina. Em Culturas Escritas y Escuela: Viejas e Nuevas Diversidades, elas mostram como o Twitter permite trabalhar com versões reduzidas de notícias e de contos. "O professor pode usá-lo para gerar interesse na construção de composições curtas e explorar diferentes funções nos textos, como informar, gerar reflexão e criar situações de humor", explica Natalia. As reflexões das professoras argentinas deram origem a esta reportagem.

O que a turma pergunta

Posso abreviar para caber mais palavras? 
Não. O intuito é usar a ferramenta com fins didáticos. O trabalho deve ter algumas exigências iniciais e a escrita formal é uma delas. Isso deve ser bem combinado com os jovens na apresentação dos objetivos. Diga a eles que, assim como na produção inicial, no papel, e nas demais atividades de escrita, é trabalhada a forma correta das palavras. Mesmo sendo na internet, a intenção no novo trabalho é a mesma. Explique que o conto tem um leitor como destinatário, e o texto precisa ser inteligível - as abreviações usadas na internet muitas vezes confundem.

Qualquer assunto pode se transformar em um tuíte

Para começar o trabalho, apresente aos estudantes diferentes modelos de contos curtos, que podem vir dos vários livros escritos e, claro, de uma boa pesquisa no Twitter (leia o projeto didático). Há uma série de perfis dedicados exclusivamente aos microcontos, como @marcelinofreire e @microcontos. "É importante diversificar os autores e enredos. Conhecer todo esse universo mostrará aos alunos as diversas possibilidades. Eles podem escrever sobre qualquer coisa de que gostam", diz Samir Mesquita, escritor paranaense que já publicou dois livros de microcontos.

No artigo sobre o tema, Mirta ressalta a necessidade de trabalhar a função do Twitter e o que muda quando a rede é utilizada. Segundo ela, além das perguntas fundamentais para atividades com qualquer gênero (para quem estou escrevendo? Qual o contexto da escrita?), é preciso considerar o processo de produção e as características da internet, como a interatividade e os comentários. Isso pode enriquecer muito as discussões.

A publicação dos textos na rede permite múltiplas leituras. Quanto mais pessoas lendo, maiores são as possibilidades de interpretação. Isso dá mais riqueza ao texto. "O que escrevemos em um microconto é apenas 10% da história. O resto se constrói na cabeça de quem lê", explica Mesquita. "A palavra implícita e a pausa de uma vírgula ou de um ponto, por exemplo, proporcionam diferentes impactos sobre os leitores, como qualquer grande obra tradicional", conta ele. Mais do que contar uma história, contos curtos têm o poder de sugeri-la.

No Colégio Hugo Sarmento, em São Paulo, o professor Tiago Calles percebeu a utilidade que o Twitter poderia ter em suas aulas de Língua Portuguesa. Ele escolheu trabalhar a escrita autoral de microcontos - que em uma definição possível são histórias curtas e objetivas, sem muitos elementos narrativos. "Os estudantes sabiam que o texto que escreveriam estaria publicado na internet e seria lido por muitas pessoas. A partir daí, a dedicação foi tanta que começaram não só a policiar os errinhos mas também discutir com os colegas formas de melhorar o conto", explica.

Discussões como essas devem ocorrer desde o início da produção, mas até elas começarem cabe ao professor apontar maneiras de melhorar e diminuir o texto. "É importante que, no começo, os alunos não fiquem restritos aos 140 caracteres, mas que escrevam um conto comum, pensando que ele precisará ser sintetizado", explica Jorge Luiz Marques, professor do Colegio Pedro II, no Rio de Janeiro. Os alunos precisam de tempo para praticar. Começar limitando a escrita reduzirá a capacidade criativa e não oferecerá um exercício tão efetivo de síntese do que foi redigido.

Outro bom uso do Twitter é a reescrita de notícias com o mesmo objetivo: refletir sobre a síntese. Os alunos podem ouvir ou ler algumas delas e replicá-las em 140 caracteres. "É um bom trabalho para as séries finais, já que também inteira o jovem sobre o que está se passando no mundo", diz Marques.

Reportagem sugerida por 2 leitores: Adriane da Costa Bandeira, Joinville, SC, e Leonardo Britto da Silva, Passo Fundo, RS

Quer saber mais?

CONTATOS
Colégio Hugo Sarmento, tel. (11) 3672-4832
Jorge Luiz Marques
Samir Mesquita

INTERNET 
No Twitter, leia outros textos dos alunos digitando na busca "hs_micro_contos". Para outros autores digite "microcontos".

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias