A arte da escrever bem com a literatura de cordel

Ao ser apresentada aos cordéis, turma de 8ª série toma gosto pela leitura e aprende que a linguagem falada é rica, mas que a escrita deve seguir a norma culta

POR:
Denise Pellegrini
Francisca e os alunos com o varal de cordéis: literatura ao alcance de todos. Foto: Drawlio Joca
Francisca e os alunos com o varal de cordéis: literatura ao alcance de todos. Foto: Drawlio Joca

Meus senhores e senhoras,
Que aqui estão presentes
Queiram ouvir um cantor
Que propala simplesmente
Palavras da ignorância
Do tempo de sua infância
Da classe dos inocentes


Esses versos são de Neco Martins, cordelista e cantador. Ou melhor, de Manoel de Oliveira Martins, fazendeiro que fundou, no fim do século 19, São Gonçalo do Amarante, a 60 quilômetros de Fortaleza. Nem a origem da cidade nem os cordéis de Neco, reunidos e preservados pela família, conseguiram impedir que essa tradição perdesse a força com o tempo. Um século depois, no entanto, a professora Francisca das Chagas Menezes Sousa levou os moradores de Cágado distrito rural de São Gonçalo onde está localizada a EEF João Pinto Magalhães a procurar entre seus guardados os antigos livretos. O material se tornou uma preciosa fonte de pesquisa para a turma de Francisca, que, com o projeto Cordel: Rimas que Encantam, conquistou o título de Educadora do Ano no Prêmio Victor Civita 2006.

Durante os três meses em que estudaram essa arte, os 45 alunos de 8ª série aprenderam que a língua falada é diferente da língua escrita e que a variação da fala, tão comum no país, precisa ser respeitada. Na hora de escrever, no entanto, é necessário seguir uma norma-padrão.

Os alunos de Chaguinha, como é mais conhecida (leia o quadro), tinham dificuldade de inferir as idéias de um texto e a escrita deles era carregada de marcas da oralidade. Filhos de pais analfabetos ou semi-analfabetos, não têm em casa incentivo para a leitura. A professora percebia a dificuldade deles em diferenciar a linguagem popular da linguagem escrita."Apostei nos poemas de cordel, tão próximos das histórias contadas por pais e avós", conta. "Ao valorizar a cultura popular, Francisca conseguiu levar a turma a reconhecer e legitimar o mundo letrado", explica a consultora Heloisa Cerri Ramos (leia mais no quadro).

Em uma roda de conversa, Chaguinha avaliou o que os alunos já tinham ouvido falar sobre cordel e pediu que eles pesquisassem mais sobre o tema. Como o acervo da escola é pequeno, foram à biblioteca na sede do município. Lá, encontraram várias publicações que tratam da temática do projeto e também conheceram obras como O Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna. Um dos garotos descobriu um livro de Neco Martins, o fundador da cidade, que ninguém sabia ser cordelista, e outro sobre Patativa do Assaré.

Aos poucos, os mais desconfiados se interessaram pelo tema. "Eu achava que era enrolação. Para mim, a gente precisava de aula de Português", lembra Francisca Rosiane Barroso Lima, 15 anos. Mas não demorou para ela perceber que aquilo era aula, sim, e das boas! Ainda mais quando todos foram ao Centro Vocacional Tecnológico pesquisar na internet. Depois de explicações josobre o funcionamento dos computadores - a maioria nunca tinha usado -, um mundo de informações se abriu. Alguns textos, como biografias de autores e vários cordéis, acabaram sendo impressos para serem estudados depois na escola.

Conversas na comunidade

Os moradores mais velhos foram outra fonte de informação preciosa sobre o tema. Ao visitá-los, os jovens conseguiram 30 livretos, copiados e devolvidos aos donos. Em sala ou debaixo das árvores do pátio, as cópias passavam de mão em mão em animadas rodas de leitura.

Para que os alunos colocassem em prática todo o conhecimento adquirido, a professora discutiu com eles as características do gênero, incluindo as rimas e a métrica: os versos são escritos em forma de sextilha, estrofe de seis linhas, cada uma com sete sílabas poéticas, e rimas iguais nos versos pares. A classe começou a escrever, mas sem fazer a contagem das sílabas.As produções eram corrigidas, relidas e aprimoradas com a consulta a livros e dicionários." Eu apontava versos com tamanhos muito diferentes ou rimas feitas com a mesma palavra", diz Chaguinha.

Durante a produção, ela percebeu que eram mencionados versos contados por familiares ou conhecidos e sugeriu uma entrevista com uma dessas pessoas, João Evangelista Ferreira dos Santos, 48 anos. Estudante de EJA na própria escola, ele sabe muitos cordéis de cor e os declamou para a garotada. A transcrição da conversa foi feita em papel pardo, colado na parede da classe, e analisada. "Essa atividade é muito útil para compreender que a linguagem escrita não é a transcrição da fala", explica Heloisa.

Chaguinha teve o cuidado de dizer que o modo de o povo falar não é errado. O Enredo do Diabo,um dos cordéis declamados por Evangelista, começava assim, na transcrição: "Sexta- fera da paxão/ U satanás deu um fora/ Tumou um certo distino." No trabalho de adequação para a linguagem escrita, objetivo de seu projeto, o mesmo texto virou: "Sexta-feira da paixão/ O satanás deu um fora/ Tomou um certo destino."

Depois dessa etapa, foram exibidos os DVDs de O Auto da Compadecida e de um show de Caju & Castanha, uma dupla de mestres no coco- de-embolada nordestino, para mostrar diferentes modos de falar. Para socializar o conhecimento, os jovens organizaram um calendário de apresentações e recitaram versos para os colegas de outras salas, que aguardavam ansiosos a troca de idéias. Quem queria podia apreciar os textos expostos no mural da escola. Depois, foi a vez de os moradores da vizinhança receberem a visita dos novos escritores, numa atividade batizada de cordel ambulante.

Muita produção textual

Os alunos partiram para a produção de um cordel coletivo sobre um colega que havia se afogado num rio. Após consultar a família para pedir autorização, eles foram em busca de mais informações sobre Nascélio Lima, 17 anos. Em dois dias de empolgação e lágrimas, surgiram versos como estes: "Essa é uma real história/ Que São Gonçalo abalou/ Tragédia de um estudante/ Que em um rio se passou/ Na localidade de Cágado/ Muita tristeza deixou".

A última etapa do trabalho envolveu a escrita de cordéis em duplas. Os temas eram variados: mitos e histórias contadas pela comunidade ou temas atuais, como as diferenças entre um menino feio e um bonito. Corrigidos os textos, a meninada começou a produção das ilustrações. Como forma de substituir as tradicionais xilogravuras, Chaguinha ensinou a fazer carimbos com EVA. As capas eram grampeadas nos livros, que depois, como manda a tradição, terminaram presos em varais.

No fim do trabalho, a escola organizou uma noitada de cantorias.Em uma praça iluminada por lampiões e uma grande fogueira, a turma montou barracas com comidas típicas e expôs suas produções. A comunidade leu os livretos,ouviu os jovens declamando versos e artistas locais apresentando emboladas, repentes e, como não poderia deixar de ser, muitos cordéis. A professora ainda comandou uma noite de autógrafos.

A avaliação do trabalho foi feita por meio de um portfólio, com as produções e os relatórios mensais redigidos pelos alunos. "Assim, eles e eu percebíamos avanços na adequação do vocabulário, na concordância, na paragrafação e na ortografia", diz Chaguinha. Suas impressões também eram colocadas em relatórios. "Com o aumento da leitura, eles passaram a escrever e a falar melhor e a se interessar mais pelos livros." Trecho do relatório de Ednardo Evangelista Batista, 14 anos, dá uma amostra do sucesso do projeto: "Agora, sempre procuro, na nossa biblioteca, livros sobre outros temas, poesias, romances e revistas".

Palavra da consultora

Raízes que levam ao mundo letrado

A consultora Heloisa Cerri Ramos, formadora de professores de São Paulo, foi a responsável pela seleção do trabalho de Francisca entre os inscritos na nona edição do Prêmio Victor Civita Educador Nota 10. O grande mérito do projeto - que deu a Chaguinha o título de Educadora do Ano de 2006 -, de acordo com ela, é partir das origens da comunidade, que ganharam valor pelas mãos da professora. "Ela percebeu que os alunos traziam para seus escritos a influência da linguagem oral, emprestada das cantorias, histórias e falares dos pais e avós", conta. Por meio do cordel, tão próximo ao universo local, os estudantes se abriram para o prazer da leitura e, dessa forma, se aproximaram da linguagem escrita. Chaguinha pode fazer a turma ir além, segundo Heloisa, usando a mesma metodologia aplicada no projeto, baseada no conhecimento da classe, em modelos, na prática e em comparações. "Assim, é possível explorar outros gêneros, como conto, fábula, lenda, romance e suspense", explica a consultora. O fato de os estudantes não terem proximidade com esses tipos de leitura não atrapalha a atividade. Cabe ao professor desenvolver a familiaridade. O tema ou o local da história podem atrair a moçada.

Foto: Drawlio Joca
Foto: Drawlio Joca

1 - Pesquisa
Depois de avaliar o que os alunos sabiam sobre cordel, a professora foi com eles à sede do município para uma pesquisa. Visitaram a biblioteca e o Centro Vocacional Tecnológico - onde acessaram a internet pela primeira vez. Entre muitos autores, Patativa do Assaré foi o preferido.

2 -Roda de leitura
Para ampliar os conhecimentos sobre o tema, a garotada fez uma pesquisa na comunidade, reunindo 30 antigos cordéis, que foram copiados e devolvidos aos moradores. Em sala, as cópias passavam de mão em mão em animadas rodas de leitura.

3 - Primeira produção
Trabalhadas as características do gênero, Chaguinha pediu aos estudantes que escrevessem cordéis. Na hora da correção, mostrou para Francisca Rosiane Barroso Lima, por exemplo, que o segundo verso não estava rimando com o quarto.

4 - Falar e escrever
A turma foi entrevistar moradores, como João Evangelista Ferreira dos Santos, que sabia muitos cordéis. A conversa, gravada e transcrita, serviu para o estudo das diferenças entre linguagem falada e escrita.

Foto: Drawlio Joca
Foto: Drawlio Joca

5 - Cordel ambulante
Todo o trabalho foi socializado. Os jovens recitavam os versos antigos e os produzidos por eles para os colegas de outras séries, que ficavam encantados. Animados, eles passaram a visitar as casas, fazendo a leitura para os moradores.

6 - Versoso coletivos
Os alunos sugeriram a produção de um cordel coletivo sobre um colega que havia se afogado num rio de São Gonçalo. A família autorizou o trabalho e deu mais informações. Em dois dias, os versos ficaram prontos.

7 - Como manda a tradição
O trabalho continuou com a produção de cordéis em dupla. Os textos, discutidos, corrigidos e aprimorados, ganharam capas ilustradas pelos próprios jovens. No lugar da tradicional xilogravura, Chaguinha ensinou a garotada a fazer carimbos com EVA.

8 -Noitadas de cantoria
O projeto foi encerrado com uma grande festa para a comunidade. Cantadores convidados animaram o evento, com repentes, emboladas e, é claro, muitos cordéis.

 

Quem é Francisca

Francisca das Chagas Menezes Sousa tem 29 anos, é casada e tem dois filhos. Nascida no Piauí, foi para o Ceará aos 4 anos, mas sempre voltava nas férias para a casa do avô, que a aguardava com uma caixinha cheia de cordéis. Analfabeto, gostava de ouvir a neta lendo os versos em voz alta. "O gosto por essa literatura vem daí", admite Chaguinha, que, depois de formada em Magistério, fez o curso de Pedagogia no campus avançado da Universidade Estadual do Vale do Acaraú, em São Gonçalo do Amarante, e está concluindo uma pós-graduação em Psicopedagogia. Nos dez anos de profissão, já lecionou em creche, para turmas de 1a a 4a série e há oito anos para as de 5a a 8a. Atualmente, dá aulas de Língua Portuguesa, Arte e Geografia nos três períodos e ainda acumula a presidência do Conselho Escolar.

Estudar cordel

? Aprimora a escrita ao permitir a reflexão sobre a diferença entre a língua falada e a escrita.

? Aproxima os alunos da cultura popular.

? Incentiva o gosto pela leitura.

Quer saber mais?

CONTATO

EEF João Pinto Magalhães, R. Tarcísio Faustino, 3, 62670-000, São Gonçalo do Amarante, CE, tel. (85) 3372-0059

BIBLIOGRAFIA

Cordel, Neco Martins, 157 págs., Ed. Hedra, tel. (11) 3097-8304, 18 reais

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias